Dualidade: Felicidade & Saudade

| agradecer por existirem na nossa vida |

os que querem o melhor para ti. os que te tornam mais forte e te ajudam a sarar o que te fez mal. os que são o teu ombro de força e de fé quando tudo te falha. os que têm orgulho em ti e os que sabem que não são os teus erros que te definem.

nesta vida, e além de ti, as únicas pessoas que precisas são as que te fazem bem, são as que te tornam num ser melhor e são as que te dizem, sem vírgulas, reticências ou mas:
gosto de ti assim. como és.

asnove

Tenho sentido muitas dualidades ultimamente em relação a muitos temas.

Porquê dualidade? Não sei. Se soubesse provavelmente não a sentiria.

Não tenho como não ficar genuinamente contente e orgulhosa de alguém que admiro imenso tomar uma decisão e fazer o que é melhor para si. E fico, de coração.

Mas esse mesmo coração gosta imenso dessa pessoa e de certa forma egoísta, sente saudade e gostaria de a ter por perto.

Tenho sentido muitas dualidades ultimamente em relação a muitos temas.

Desde a altura em não tenha estado contigo com maior regularidade, dou por mim a recordar conversas, ideias, textos escritos, o que aprendi, momentos, brincadeiras. Recordar é viver.

Nessas recordações dou por mim a rir sozinha em diversas ocasiões, porque efectivamente foram bons momentos, boas recordações.

Sei que continuarão a existir mas só quando ganhamos distância é que nos apercebemos do que não dissemos, do que não fizemos, do quão importantes as pessoas são para nós.

Nos dias piores, continuo a recorrer a essas memórias e aprendi a acreditar em mim, de que sou capaz de dar a volta e ser mais… mas não deixo de recorrer a ti. E, hoje em especial, sinto falta de conversar…

Sei que não gostas de despedidas e até porque isto não é uma despedida. Estarei sempre aqui para ti, como sei que estarás para mim. Gostaria apenas de trocar um momento nem que fosse em silêncio porque por vezes o silêncio diz muito mais que mil palavras. E eu não sou muito boa com elas… Silêncio e um abraço apertado é o que basta para transmitir um coração cheio.

E depois novamente a dualidade surge, aqui em relação a mim. Nunca foste assim. Sei criei muros à minha volta. Porque sempre fui um coração aberto e sempre o usaram para apunhalar. Contigo não consegui fazê-lo e ainda hoje me questiono porquê.

Posso ter amizades superficiais, pessoas que não me conhecem bem mas com que me dou relativamente bem. Mas amizades profundas, de confiança, verdadeiras são muito poucas e poucas vezes deixo essa porta aberta. Demasiadas feridas para sarar.

E, novamente, me pergunto: quem és tu que ultrapassaste todas as barreiras?

Não é um adeus, é um até já, é um bom dia, é um email, um presente, é um não te vais ver livre de mim tão fácil. Mas a vida ensinou-me muita coisa, felizmente e por isso hoje o que sinto, está aqui descrito.

fui aprendendo que a vida é muito curta para deixar para um qualquer depois dizer ‘’obrigada’’ às pessoas que nos fazem bem.

a vida foi-me mostrando que nem sempre temos o tempo que achamos que ainda vamos ter. e que o depois ligo, depois falo, depois desculpo, depois abraço, depois pergunto, depois respondo… às vezes não vem.

porque às pessoas que nos querem bem, às que nunca desistem de nós, às que nos conhecem até nos silêncios, às que nos abraçam com todo o amor do mundo e que são ar puro na nossa vida, devemos mostrar hoje, e não deixar para ‘’depois’’, o quanto são a-luz-que-ilumina-mais.

e é dizer. antes que o mundo nos faça arrepender.

Poucas pessoas — raras pessoas — saberiam sambar na cara da vida como tu tão bem sabes. Poucas pessoas — raras pessoas — quereriam voltar a sorrir à vida como tu tão bem sorris. Poucas pessoas — raras pessoas — voltariam a acreditar, a ter esperança, a confiar, a lutar, a respirar, a agradecer, como tu fazes.

E então hoje é o teu dia. Como todos os dias. Porque és feita de dias de música, verão e sol. Porque vens à minha vida e trazes o melhor de ti. Porque chegas com esse sorriso grande, o abraço que me diz tudo, e a alegria genuína de quem me leva dentro para me mostrar que é assim que se faz, que é assim que se diz à vida: eu sou mais forte do que tudo o que me acontece, eu mereço ser muito feliz, em mim não vais conhecer dias de tristeza infinita colada à pele.

Não há outra forma de te dizer isto: tenho tanto orgulho em ti. E tenho tanta sorte de ser tua amiga, de seres minha tão grande amiga.

Hoje é o teu dia. Como todos os dias em que me trazes esse Amor, esse Abraço, e essa Luz tão rara e escrita com letra grande. E vens só para me lembrar que o mais importante de tudo serão sempre as pessoas que chegam, conquistam e ficam. As que Alguém-muito-bom se lembrou de pôr no lugar certo e na hora certa a iluminar a nossa vida. Pela vida fora.

asnove

Tudo o que peço: don’t be a stranger.

Obrigada por todas estas recordações e por teres entrado na minha vida na fase em que mais precisava de alguém como tu. #nadaéporacaso

Graças a ti, C.: levo a vida leve*

optimismo & alegria de viver. são o meu adn, o meu escudo protector, a minha arma para todos os dias, a ocitocina para a leveza que vive cá dentro. quando olho à minha volta sei que não me faltam motivos para agradecer. sou verdadeira comigo mesma e o universo conspira a meu favor. sigo a minha própria luz e faço a sorte que preciso ter. não levo a vida demasiado a sério e tenho sempre tempo para rir até doer a barriga. mantenho ao meu lado (só) os que me acrescentam doses de vida, as minhas pessoas-remédio sem contra-indicações. sei que a minha verdadeira riqueza está nas pessoas com quem conto quando o meu coração aperta.

aconteça o que acontecer, não tenho dúvidas que o meu maior sucesso é a minha paz interior.

asnove

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.