Pés no Arado


“Ele nos ensinará o que devemos fazer, e nós andaremos nos Seus caminhos.” Is 2:3a

Alguns dias atrás, depois que saí da análise, tive vontade de comprar novos sapatos. A metáfora dos ossos, pés e sofrimento tem me acompanhado nos últimos dias. Crescimento demanda dor. Os pés que crescem e agora novos, estão maiores, os ossos doem e se calço os sapatos de outra hora, ainda que tão confortáveis, machucam e não combinam.
 É preciso reconhecer a necessidade de perder para ganhar coisas novas a frente, até que este novo par se torne confortável outra vez e a dor do sapato apertado seja esquecida. 
Incrível como aquela ação foi tão simbólica. Eu estava me preparando para a compra, mas naquele dia em especial quis finalmente fazê-lo. Do meu jeito, a minha maneira, a meu gosto, comprei sapatos. Vermelhos, marrons e franceses. Nunca fui tão eu. Eu sabia exatamente o que necessitava, sabia o que me serviria tão bem e o que me alegraria em novidade.
Ultimamente eu tenho me sentido assim; os sapatos gastados e as roupas apertadas. Nada parece servir. Minhas economias, aquilo que deixo escondido, guardado, precisando se transformar em investimento. A vida que levava em outro momento não cabe mais com quem sou hoje e se faz necessário renunciar. Cresci sem me dar conta e agora preciso permitir que Deus me presenteie com uma nova paisagem. Porém, fica para trás, o velho conforto, os hábitos antigos, a rotina de sempre. As pessoas que amo não podem entender meu desejo e aquilo que Deus deseja pra mim. Não há mediação.
Tudo que guardei em lugar seguro, todas as minhas economias de fé, confiança e esperança, enterradas bem dentro de mim, precisaram ser entregues ao Senhor na certeza que a direção que Ele me dará tornará o investimento melhor. Tudo o que era confortável foi embora. Hoje só me resta o Senhor e os pés crescidos que precisam de coisas novas. E aí me posiciono como quem aceitou o presente da perda, do sofrimento e do crescimento. Vou até o centro — do coração do Pai- e decido tomar Sua direção, de canto em canto, a saber o que pode me servir. E então, guiada, encontro lugares que posso descansar meus pés. Assumo o compromisso, compro, perco tudo, porém ganho e com sacolas na mão e felicidade, apresento ao mundo pés firmes e estilosos dados por Deus a mim.