Refleti sobre o challenge e veja no que deu

Imagem de um idoso rindo de nervouser

Toda vez que começo um challenge novo, inevitavelmente me recordo dos anteriores e dos problemas que aconteceram. São prazos que não foram cumpridos, atividades que foram executadas de uma maneira improdutiva e conflitos de interesses (que a gente sempre acha que não vai ter, mas sempre tem).

Vem sempre aquele pensamento de que "agora vai mudar" ou "agora vai ser melhor". Mas o que fará ser melhor? O que fará mudar?

Sempre nos comprometemos a não cometer as mesmas falhas ou repetir processos que não se mostraram tão produtivos. Nos esforçamos para "se concertar" e gerar algo novo a partir das experiências anteriores. Uma promessa de "agora farei assim e não assim".

O que mudou de tudo isso, é que estou refletindo na ideia de que sou apenas uma parte da equipe, uma pequena peça responsável por executar o projeto. Nos challenges anteriores houve muita preocupação em corrigir questões pessoais muito específicas, que na minha cabeça fariam todo o trabalho fluir bem melhor e acabei dedicando muito pouco esforço em me adaptar a nova dinâmica da equipe.

Cada challenge novas equipes são formadas, com pessoas com quem ainda não trabalhei, e percebo que devo me esforçar mais em entender cada membro dessa equipe, saber como cada um trabalha e quais são suas qualidades. Assim conseguirei lidar melhor com minhas expectativas e dialogar com o grupo para definir minhas metas pessoais dentro do projeto, de maneira mais realista e precisa.

Manterei o esforço em melhorar aspectos pessoais de trabalho (sim, isso é muito importante), como dedicar mais tempo ao projeto ou diminuir a procrastinação. Porém, dessa vez, acredito que compreender a carência da equipe toda, e me adaptar a isso, tenha um grande impacto no resultado final desse novo desafio.

;]

Like what you read? Give Lucas Rondine a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.