Aquarelas e minhas frustrações

“É certo que os materiais para desenhar e pintar são caros, mas não podemos pôr em risco o nosso trabalho e a nossa capacidade criativa por causa de um papel de má qualidade, cores fugazes ou que perdem a intensidade quando secam, ou um pincel que não mantém o pêlo unido e compacto.”

Este trecho foi retirado do livro “Como pintar aguarela” e é minha maior dor de cabeça atualmente. Fará um ano no fim deste mês que eu pratico aquarela. Comecei com o mais barato possível. De lápis até máscara para aquarela. No início, conseguia efeitos incríveis para mim, por nunca ter praticado pintura. Ficava “abestada” com minhas primeiras pinturas. Até que…

Não conseguia mais pintar bem. Não consegui ter “inspiração”. E minhas pinturas acabavam sendo um pouco do mesmo. Isso me frustou. Passei um tempo sem pintar e imaginei que a culpa fosse minha. Que eu tivesse me desinteressado com o tempo. Ontem eu pintei e não gostei do que eu fiz. Não pelos desenhos em si, mas pela qualidade da pintura.

Para que o texto seja compreensível, vou mostrar meu material aqui.

Essa foi minha segunda aquarela, mas a que mais utilizei. Não foi bem essa. Essa está novinha pois acabei de comprá-la para substituir a minha anterior da mesma marca. Ela é uma aquarela escolar da Faber Castell e custou 30 reais.

Esta foi a primeira aquarela comprada por mim. Mas não a utilizei muito por não me adaptar a trabalhar com aquarela em tubo (cremosa). É um “estojo” de 15 cores da Pentel que eu comprei, acho que por 55 reais na época.

Meus pincéis são da Keramik (estou tendo ódio deles). E a máscara para aquarela da Corfix.

No início, tudo é novo e incrível, e é muito possível trabalhar com estes materiais de baixa qualidade. Principalmente quando se quer aprender “sozinha”, testando as coisas. Depois de um nível de conhecimento, é simplesmente impossível pintar com materiais assim. Quando falo impossível, me refiro a evoluir sua arte. Aprender com cada pintura.

Um exemplo disso é a pintura abaixo:

Fui tentar criar um tom esbatido e é impossível com a da Faber Castell (tinta na parte superior da imagem). A tinta não flui. E isso me deixou irritada. E mesmo não gostando de trabalhar com tinta em bisnaga, tive que recorrer a ela (tinta na parte inferior da imagem).

O pior de tudo: aqui no Brasil tudo é caro demais. Caro demais mesmo. Eu namoro uma aquarela em pastilha que custa aproximadamente 500 reais aqui – lágrimas escorrem do meu rosto agora.

Estamos no fim do ano e aceito presentes. É isso ou parar de pintar. :(