La Petite Bouteille de Parfum

Leandro Rodrigues

presenças e presenças. Há algumas que são apenas presenças. Corpos estáticos que apenas estão num lugar porque ali foram postos. Há algumas, no entanto, que não são meras presenças. Não são existências pálidas na imensidão do universo. São presenças marcantes, que tem o poder de modificar o ambiente, de inspirar em seus convivas sentimentos e sensações que as criaturas comuns jamais sonhariam provocar.

Branco, branco, branco e mais branco. É tudo que temos neste porão adaptado como sala da comunicação. Não fosse dividirmos os espaço com o pessoal do financeiro, seria um tédio imenso trabalhar aqui. Não que isso faça grande diferença. Em comum todos nós nos preocupamos com um coisa: Trabalho. Nada mais atraía a nossa atenção. Até que, uma bela manhã, Ela deu as caras por aqui. Sua presença, de imediato, foi mais que física, foi de espírito.

A cena era pitoresca. Uma figurinha pequenina de óculos escuros, carregando uma mochila abarrotada nas costas e uma enorme sacola em uma das mãos. Não menos impressionante foi vê-la desfazer suas bagagens. Parecia estar vindo de mudança para cá. Entre tripés; câmeras; uma enorme lâmpada fluorescente de uns 300 watts; alguns acessórios para filmagem e fotografia; alguns lanchinhos e, pasmem, um computador de mesa completo, ela desembalou pelo menos uns 60 quilos de tralhas! E não era fora de propósito trazer tudo aquilo. Não dá pra trabalhar sem equipamento e como o comitê não nos fornece absolutamente nada, toda precaução é compreensível.

“Eu não sou nenhuma dama”, repete ela com frequência e até certo orgulho. Não que ela seja um “homenzinho”. Não é isso. Na verdade, o que ela faz é encarnar, com raro talento dramatúrgico, a personagem Letícia.

Sexo frágil passa longe da pessoa de Letícia. “Eu não sou nenhuma dama”, repete ela com frequência e até certo orgulho. Não que ela seja um “homenzinho”. Não é isso. Na verdade, o que ela faz é encarnar, com raro talento dramatúrgico, a personagem Letícia. Uma mulher independente, forte e destemida. De personalidade irreverente e poucos pudores. Talvez eu seja desmentido nesta teoria, mas, o que eu vejo nesse seu comportamento é uma forma de se defender. Uma mulher que mora “sozinha” e trabalha como jornalista tem mesmo que ter seus meios de defesa pessoal. O mundo costuma não ser muito agradável para com as mulheres que desafiam a lógica do sistema. Lógica essa que minha pequena companheira de labuta faz questão de ignorar. Mas, é bom não forçar muita intimidade. Ela do tipo que não hesita em devolver com um bom bicudo na canela uma provocação recebida. Se quiser ficar de bem com ela, nunca a chame de gatinha. É a coisa que Letícia mais odeia. E não é exagero dizer isso. Ela fica possessa a cada vez que lhe dirigem tal “elogio”.

Nos menores frascos é que estão os melhores perfumes. A analogia entre este dito e a presença de Letícia no comitê, e por que não, nas nossas vidas, não poderia ser mais pertinente. Embora desfile uma “macheza” invejável, olho para Letícia e vislumbro uma flor. Uma pequena flor que encheu nossa atmosfera com seu perfume. Um perfume sofisticado, tão suave que as notas de seu doce aroma não podem ser sentidas pelo nariz. Somente a alma é capaz de captar esse perfume e traduzir todas as suas nuances.

Poesia barata à parte, Letícia é uma presença cativante. Por mais que não haja uma proximidade tão grande entre nós, como entre ela e os demais, não há como não querer estar com ela por perto. Não há como não se divertir com sua espontaneidade e seu bom humor. Mesmo havendo alguns momentos, por assim dizer, “espinhosos”. Não creio que ela seja o tipo que tem dramas de consciência, mas, sou capaz de apostar que ela ficou imaginando se eu não fiquei chateado com ela por ter falando um pouquinho mais grosso comigo. Pelo sim, pelo não, digo que pode ficar tranquila Letícia. É evidente que ninguém gosta de ouvir críticas, mas, não é do meu feitio guardar rancor. Conviver com Letícia é como ter uma roseira em flor no jardim. Seus espinhos requerem cuidado, porém, a beleza de sua presença compensa tudo isso.