Capítulo 35 — Robert Stephenson and Company

robert-stephenson-and-company-l

Robert Stephenson and Company foi a primeira empresa fundada especificamente para construir locomotivas. Em 1829 a companhia desenvolveu a Rocket, a locomotiva mais moderna nos seus dias e que virou modelo para todos as máquinas a vapor nos 150 anos seguintes. Quase a totalidade do dinheiro necessário para desenvolver e fabricar a Rocket foi obtida em trials (algo equivalente às competições de startups de hoje em dia) promovidos pelas empresas ferroviárias. Mas para expandir os negócios e construir as mais de 3,000 locomotivas produzidas até 1899, os Stephensons tiveram que vender ações da empresa para investidores privados. A dificuldade que Robert tinha em negociar o preço das ações de sua empresa era o seu tamanho; ele costumava dizer que era mais fácil inventar uma das máquinas de maior impacto para o desenvolvimento humano, do que negociar o valor de sua empresa.

Quase dois séculos depois, definir o preço da ação de uma startup ainda é mais arte do que ciência, mas ao menos investidores e empreendedores podem contar com modelos que permitem nortear a discussão. Enquanto o mundo das grandes empresas aprendeu a avaliar ativos baseado no Fluxo de Caixa Descontado, levando em conta a geração de caixa atual, o crescimento desse fluxo, e a qualidade desse crescimento; o mundo das startups aprendeu que nos estágios iniciais não existe uma empresa (ou um ativo), mas sim a “opcionalidade” de que esse ativo possa um dia vir a existir.

Para precificar uma startup, empreendedores e investidores levam em conta o estágio de desenvolvimento o qual ela se encontra (o quão longe ela está de gerar caixa), indicadores técnicos que indiquem a evolução (a famosa tração), o momento de mercado, os termos e condições do investimento, o montante de investimento, e principalmente quanto os investidores das possíveis rodadas seguintes estariam dispostos a pagar na próxima etapa da jornada.

Em um exercício de engenharia reversa, investidores buscam estimar o momento e o valor pelo qual uma startup seria vendida no futuro, levando em consideração as probabilidades de que a empresa possa não conseguir chegar lá, bem como a quantidade de capital a ser levantado em outras rodadas de investimento para criar o sonho grande, cabeludo e audacioso.

Assim, baseado na sua experiência e dados de rodadas de investimento similares (os tais dos múltiplos de mercado), anjos precificam a expectativa de quando seed investors irão precificar, que por sua vez precificam quanto investidores Series A irão precificar, e assim sucessivamente.

Ficou claro agora?