Voluntários mobilizam mutirão em um dos maiores centros de abrigo da América Latina

Foto: Karol Coelho

Os voluntários do Criadores de Atos enfrentaram dois desafios: planejar o mutirão de revitalização do Complexo Prates e conter a curiosidade de saber se alguém iria aparecer no sábado, 3/12, para ajudar.

O Complexo Prates é um centro de apoio e acolhida de homens em situação de rua que fica na Armênia, região norte de São Paulo, um dos maiores da América Latina.

O Criadores de Atos é um projeto do Atados em que voluntários são estimulados a tirarem um projeto do papel em alguma de suas ONGs parceiras. Dividido em 5 grupos, os voluntários apoiaram diversas iniciativas ao longo do segundo semestre, entre eles a Revitaliza Prates e o Refúgio Cultural.

Com uma área externa bastante ampla, a missão deste grupo era de transformá-la em um espaço que pudesse ser melhor aproveitado pelos usuários. Além de terem acesso à alimentação e abrigo temporário, no Prates eles participam de atividades de auxílio de reinserção no mercado de trabalho e que ajudam no restabelecimento de seu estado emocional e psicológico.

Foto: Karol Coelho

Era muito trabalho para um dia só: montagem de um jardim vertical com garrafas pets; oficina de banquinhos de pneus; oficina de espreguiçadeiras de pallets de madeira; pintura de mesas feitas de carreteis; grafite; plantio de mudas; pintura da quadra… ufa! E os Criadores foram surpreendidos!

“A gente idealizou este projeto há três meses com uma ideia, e a gente foi atrás e conseguiu um monte de doação, ajuda de pessoas que a gente nem imaginava que conseguiria”, conta Ana Luisa Mendes Nogueira, 23, voluntária do Criadores de Atos. “Eu aprendi como as pessoas são muito boas, porque eu não esperava vir tanta gente e de uma forma voluntária”, conclui.

Foto: Karol Coelho

Uma destas pessoas que compareceu ao mutirão e colocou a mão na massa foi o vestibulando Matheus da Cunha Soares, 18. Ele já foi voluntário em outras ações antes, mas não em um mutirão.

“Eu trabalho numa ONG que cozinha para pessoas que vivem em situação de rua. Fiquei sabendo sobre hoje pelo Atados. Eu nunca tinha participado de mutirão assim e achei bem diferente”, relata Matheus. “Não sabia nada de jardinagem, estou seguindo as instruções”, comenta sobre a atividade que se empenhou a realizar.

Entre os atendidos, que caminhavam livremente entre os voluntários durante todo o dia, surgiram cores, plantas, bancos e mesas. O planejamento deu certo, a curiosidade foi sanada — dezenas de pessoas compareceram para ajudar — e mais um grupo do Criadores de Atos cumpriu sua missão. “Obrigado, hein”, gritou um homem na entrada do Complexo Prates.

Veja um pouco o resultado:

Parte dos voluntários que colocaram a mão na massa (Fotos: Arquivo Pessoal)