20 passos para fazer um manual de identidade visual completo!

Olá caro leitor e leitora, tudo certo? Aqui é o Gregory!

Estava aqui trabalhando e finalizando alguns projetos e em algum momento me veio em mente a seguinte idéia: Fazer de maneira simples e fácil o entendimento e produção de um manual de identidade visual completo. Mas por quê? Bom, infelizmente não são todos os clientes que pedem manuais e, contudo não são todos os designers que se propõem a fazer. E é justamente essa a questão, além da importância de explicar o comportamento da ID (Identidade Visual) é necessário entender coisas como: Quais passos são necessários para fazer um manual de ID completo? Por onde começo e por onde termino? Quais são os principais pontos que devem ter neste manual? Vou explicar todas essas questões em 20 passos para deixar os seus próximos manuais bem completos!

Antes de iniciar, vou lembrar de alguns pontos:

  • São 20 passos e não necessariamente 20 páginas. Dependendo do conteúdo da marca o manual pode ser gigante ou bem raso. A questão é ter esses 20 passos em mente antes de construí-lo.
  • Esse artigo tem como foco a parte visual do Manual como um todo, ou seja, entende-se que uma manual completo é um manual de marca, que é diferente do manual de identidade visual. Lá se encontra a personalidade, visão, missão, valores e tudo mais que envolva a marca, não é isso que você vai encontrar aqui, vai ser direto no visual.
  • Um ponto interessante é que se você não tem conhecimento sobre manuais ou apenas falta de tópicos para que seu trabalho fique mais completo, cada passo aqui pode ser um bom auxílio. Esse é um método que eu sigo, não é uma regra absoluta, existem vários outros meios de produzir um manual de ID, cada profissional tem o seu ok?

Tudo certo? Então vamos lá:


1. Capa e contra capa

Como é um manual, nada mais apresentativo do que ter uma capa e contra capa bem feita e caprichada para a ID não é? Então aqui é sem segredos, na capa brinque com mockups, por exemplo, daqueles com logo onde mostra o volume e tudo mais, é um ótimo jeito para fazer a primeira apresentação do logo..

2. Inicio

Certo, o manual foi aberto. Nessa etapa ocorre uma breve apresentação do profissional que criou a ID e alguns contatos, coloque detalhes de versionamento da ID e data de quando esse projeto foi feito, para quem foi destinado, propósito etc…

3. Resumo do briefing

A ideia desse projeto veio de algum briefing certo? Costumo ter um pequeno resumo com alguns detalhes que me fizeram ter o insight para fechar o modelo dessa ID, com o resultado agradando tanto a mim quanto ao cliente. Pode ser apenas um trecho com algumas linhas, em uma página apresentável nada muito complexo.

4. Apresentação da marca

Vamos falar sobre o logo agora! Aqui é o primeiro contato, mostrando a versão completa, com as cores principais. Realmente uma pagina tipo “PÁ! O logo é este!”

5. Versões principais

Nesse tópico você especificará em detalhes o porquê esse é o modelo principal, quais as características, e quais as regras de composição. Em todo o caso você pode até mostrar a construção aqui, porém prefiro fazer isso em uma sessão separada.

6. Versões responsivas

Sem muitos detalhes por aqui. Apresentação da versão responsiva da marca, o comportamento em lugares menores e porque o logo age dessa maneira. É interessante também criar modelos criativos e que faça sentido eles estarem se comportando daquela forma, referencia é tudo pessoal.

7. Composição (guide-line)

Essa etapa prefiro separada, como havia comentado no tópico 5. Aqui defino o como e o porquê construí o logo desta maneira, e na maioria das vezes quero mostrar alguma coisa que está dentro do ícone por exemplo, para quem ler o manual sacar 100% a ideia do momento que construí o logo.

8. Margens de segurança

Todos os modelos de logo e variantes precisam da margem de segurança em qualquer peça que for usado. Nesse ponto é bom especificar as margens em detalhes e os motivos daquele espaço de segurança na exibição de qualquer modelo.

9. Paleta de cor primária

Apresentação da paleta de cor principal da identidade visual, demonstrada em RGB ou popularmente Hexadecimal (web color).

10. Paleta de cor secundária

Demonstração da paleta de cor secundaria da identidade visual em RGB ou popularmente Hexadecimal (web color). Tem como objetivo mostrar, complementar ou destacar as cores da paleta principal, por exemplo, usando harmonia em teoria das cores.

11. Paleta de cor em CMYK

Na formação CMYK faremos a demonstração de todas as cores, para peças impressas e físicas, assim respeitando as cores da identidade visual. Uma dica interessante para este passo é olhar os livros Pantone que lançam anualmente.

12. Versões variantes de cor

As variantes têm o objetivo de demonstrar a aplicação das cores e como a identidade se comporta dentro da paleta de cor própria.

13. Versões monocromáticas

Versões em preto e branco ou cores chapadas, exibidas com o modelo principal do logo, porém sem meios termos em questão de cor. O objetivo é instruir caso haja necessidade de usar a identidade visual nessa situação.

14. Tipografía da marca

Demonstração do uso de como foi criada a marca baseada em uma tipografia. Quais fontes foram utilizadas, qual estilo aplicou e como você chegou nesse resultado.

15. Tipografía para convencional ou para Web

Essa etapa tem como objetivo mostrar toda a familia de fontes destinadas a esta identidade visual, como usar as fontes no estilo normal, texto corrido, citações, titulos e subtitulos por exemplo.

16. Features

Esse é o passo que mais vai variar de ID para ID, porque nele que vai ser inserido os pontos onde algumas IDs têm que outras não, por exemplo, uma biblioteca de icones (Iconografía), patterns, ilustrações, alguns estilos pré-definidos e por aí vai. A questão é que não tem como prever exatamente a dimensão e a quantidade de conteúdo que essa etapa pode ter, então é apenas ir acrescentando, explicando e organizando da forma que foi definida e aprovada.

17. Como não usar a marca

Na minha opinião o passo mais difícil e divertida de se fazer, porque aqui tem como objetivo fazer alguns modelos e definir bem claramente o que NÃO FAZER COM A MARCA! O objetivo é respeitar todas as regras de composição, mas para isso tem que desrespeita-las, ou seja, cometa todos os erros mais absurdos aqui propositalmente, para deixar claro o que não fazer, como: esticar o logo, mudar a cor, usar fontes diferentes, tamanhos diferentes, versões antigas, desalinhar os shapes e tudo mais…

18. Como usar a marca

Aqui eu gosto de fazer em duas etapas, a primeira uma pagina simples onde eu exibo todos os logos com todas as variantes, e depois nas paginas seguintes eu so coloco mockups usando como exemplos e referencias de como usar a marca corretamente. Em alguns topicos também, dependendo eu falo um pouco de regras de composição

19. Conclusão

Um texto explicativo que poderia suas experiências ou aprendizados ao desenvolver esse projeto, mas também pode ser uma conclusão e agradecimentos ao cliente ou empresa pela oportunidade e tudo mais.

20. Fechamento do manual

É como fechar o manual, coloco mma pagina em branco, data do projeto, assinatura com alguns links que preferir deixar e por fim capa de tráz do manual e pronto.


Obrigado por ler até aqui! É um prazer te-lo como como leitor dos meus artigos de design. Manual de Identidade Visual é um fator importante na hora de finalizar algum modelo para alguma marca, espero ter ajudado e orientado a evoluir seu trabalho para um nivel cada vez mais profissional nesses 20 passos.

Tem algum ponto que eu esqueci? Algo que seria interessante acrescentar? Mandem feedbacks por favor :)

BÔNUS: Separei aqui um manual de uma ID que finalizei recentemente, e com a devida autorização do cliente, está aqui de referência nesse artigo, espero que gostem.

Nos vemos na próxima, valeu!