Canoagem: muito mais do que um esporte

Projeto reforça a valorização da prática esportiva e incentiva a preservação do meio ambiente

(Foto: Arquivo Pessoal)

Há quem desconheça, mas a canoagem é um dos esportes mais antigos e praticados pela sociedade. Na antiguidade já havia indícios de canoas e caiaques utilizadas pelos egípcios como transporte de pesca e trabalho. Mais tarde, os povos da América do Norte e os ingleses se apropriaram da ideia, nascendo, assim, as primeiras canoas.

De acordo com a Confederação Brasileira de Canoagem (CBCa), o esporte ganhou destaque após a participação nos jogos olímpicos de Berlim, na Alemanha, em 1936. No Brasil, surgiu em 1943 através de um imigrante alemão, o Sr. José Wingen, mas somente entre as décadas de 70 e 80 é que as atividades se tornaram evidentes no país.

Em Guaíba, na região metropolitana de Porto Alegre, a prática do esporte vem sido desenvolvida desde 1991, quando um grupo, formado por seis amigos, já praticantes da canoagem decidiram, por dificuldades para o transporte dos caiaques e remos, fundar a Guahyba Associação de Canoagem. O projeto, que começou de uma brincadeira para guardar as canoas, foi se desenvolvendo e tomando maiores proporções, até que no ano 2000, aprovado pela prefeitura municipal de Guaíba, tornou-se um programa socioambiental voltado para crianças e adolescentes de 10 a 17 anos.

Caio Daniel Schmitt, educador físico e responsável pela coordenação da Associação, comenta que, além das aulas de canoagem, o projeto desenvolve outras atividades dentro do esporte. “Investimos em aulas de educação ambiental para os alunos, com o objetivo de incentivá-los na preservação do local da prática. Ações ambientais são realizadas ao entorno, fazemos coletas na Ilha do Presídio e coletas de resíduos nas margens do rio Guaíba, fazendo com que alunos e a comunidade ao todo tenham essa consciência”, comenta o coordenador.

Além disso, o esporte oportuniza à crianças e adolescentes a possibilidade de viajar através dos Campeonatos de Canoagem. “A partir da canoagem, eles têm a oportunidade de conhecer outras cidades, além do Brasil e do mundo, participando de competições. Eles vão ali, frequentam, vão se desenvolvendo, se tornam atletas, daqui a pouco estão no ápice do esporte”, ressalta Schmitt.

Com o tempo foram surgindo as equipes de competições, formadas por alunos que passaram pelas aulas da Escola de Canoagem e que hoje são atletas profissionais. “Tivemos alguns atletas que se revelaram e foram para um patamar nacional e internacional, os quais representaram a seleção brasileira em competições internacionais, que é o caso do Edinho (Edson da Silva) e Hans Mallmann. São atletas que com o tempo foram se destacando e se desenvolvendo, chegando no ápice do esporte, com participação nas Olimpíadas”, complementa Schmitt.

Da esquerda para a direita: Edson da Silva, Caio Schmitt e Hans Mallmann na participação dos Jogos Olímpicos de 2016. (Foto: Arquivo Pessoal)

Hans Mallmann, atual presidente da Guahyba Associação de Canoagem, é um dos exemplos de atletas que se desenvolveram no projeto. Ele relata que ingressou na canoagem aos 10 anos, por intermédio dos irmãos e que hoje não vê o município de Guaíba sem o esporte. “Em 2001, surgiu a oportunidade de realizar alguns treinos com a equipe de competição da Guahyba, onde fui me dedicando, e fiquei fixo na equipe de competidores, na qual me mantive até meus 16 anos, quando conquistei a vaga para seleção brasileira Júnior e fui morar em São Paulo”, lembra.

Hans Mallmann nas competições de canoagem mundo afora. (Foto: Arquivo Pessoal)

Mallmann já participou de muitos campeonatos e relata que, quando mais novo, participava de todas as distâncias na canoagem velocidade, mas que com a evolução do esporte, optou por se especializar apenas em uma só distância, de 200 metros, onde teve os melhores resultados como atleta. “Minha primeira competição foi no Campeonato Sul Americano, no Uruguai, em 2003. Participei de copas do mundo, mundiais, jogos pan americanos, jogos sul americanos, campeonatos brasileiros, Copas do Brasil, campeonatos gaúchos e paulistas”, comenta o atleta.

Além de Mallmann, outros atletas se revelaram no trajeto e foram destaques em muitos campeonatos, como é o Caso de Wellington de Lima Sampaio. O jovem de 21 anos, hoje ex-atleta, enobrece a canoagem. “É um esporte lindo e muito mais complexo e interessante do que parece, porém, as pessoas, por não terem acesso direto, desconhecem”, afirma.

Wellington Sampaio na participação do Campeonato Brasileiro de Canoagem no ano de 2011, em São Paulo. (Foto: Arquivo Pessoal)

A rotina de treinos exige disciplina para quem tem o sonho de tornar-se um atleta profissional. Wellington conta que durante os quatro anos de atletismo, remava cerca de 10 km a cada treino. “Com o passar do tempo, fui demonstrando certa habilidade. Temos uma técnica para poder remar, com exercício de pernas, tórax, tronco e rotação, na qual treinamos ao longo do ano para participar das competições”, comenta.

Medalhas conquistadas pelo ex-atleta Wellington Sampaio durante sua participação em campeonatos. (Foto: Arquivo Pessoal)

Em cerca de três meses sob a rotina de treinamentos, Wellington foi campeão gaúcho, competindo também no campeonato brasileiro de canoagem, em São Paulo. “Fiquei como 6º colocado no campeonato brasileiro, na categoria K2, junto com outro colega. No ano seguinte, participei novamente na edição que se realizou em Curitiba, e fiquei na quarta colocação”, conta o ex-atleta.

Nos próximos dias, a equipe de competição da Guahyba viaja rumo à Curitiba, com 10 atletas, para competir no Campeonato Brasileiro de Canoagem.

Se interessou? Saiba como participar: Para os interessados em ingressar na Escola de Canoagem, basta entrar em contato com o presidente da Guahyba Associação de Canoagem, Hans Mallmann, pelo fone 51 98513–2980. As aulas são totalmente gratuitas para crianças e adolescentes na faixa de 10 a 17 anos e que frequentem regularmente a Escola e acontecem nas terças, quintas e sábados, manhã e tarde. Para os adultos, é cobrado uma taxa no valor de 40,00 reais mensais, com aulas nas quartas, sextas e sábados.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.