Exposição provoca debate sobre representatividade negra nas artes

‘Arte Negra Parede Branca’ é a primeira exposição individual de Estêvão da Fontoura

Marina Lehmann
May 20, 2018 · 4 min read
(Foto: Maria Lehmann/Beta Redação)

A abertura da exposição Arte Negra Parede Branca, do artista multimídia Estêvão da Fontoura, ocorreu na última quinta-feira (17), no Centro Histórico-Cultural Santa Casa, em Porto Alegre. A primeira mostra individual do artista tem curadoria de Ana Albani de Carvalho e conta com trabalhos que ‘apostam na conexão entre arte e política pelo viés crítico da ironia e do bom humor’, como a própria curadora descreveu no material de apresentação da exposição.

Logo na entrada da galeria, o título da exposição escrito em letras garrafais instiga no mínimo duas reflexões: o que é arte negra e o que significam as obras penduradas em paredes brancas? Arte negra é toda e qualquer arte produzida por artistas negros mesmo que não sejam sobre o tema. A representatividade surge na tentativa de achar uma explicação para tantas paredes brancas. Estêvão da Fontoura é professor e artista negro e quis provocar o racismo estrutural e institucional das artes. Pensou nas paredes brancas para representar as instituições e a dificuldade que artistas negros encontram para expor suas obras nos museus da cidade.

“Participei de várias exposições, mas todas coletivas e a maioria delas em espaços alternativos, não em uma instituição. Com o projeto Casa Grande, eu e mais oito artistas fundamos um espaço alternativo de arte, um espaço negro. Parece que para o artista negro esses são os espaços que restam. Resta buscar espaços alternativos porque os espaços institucionais estão com as portas fechadas”, conta.

Entre as obras, três chamam mais a atenção por dialogarem com o debate proposto. Um “Quadro Negro” informando importantes dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e da Anistia Internacional que denunciam o racismo e as desigualdades sociais no Brasil. Outra é um papel preto escrito com letras brancas a escrita é branca, intitulado “A História do Brasil” . Por fim, “Bala Perdida” insiste em encontrar jovens negros nas periferias das grandes cidades do país.

Estêvão também provoca um debate fundamental com a obra “O Papel do Artista”, onde aplica um adesivo sobre rótulos de embalagens de papel higiênico. “ Eu não estou dizendo que o artista é um papel higiênico ou que o artista vai limpar a sujeira. O que eu estou perguntando é que papel a sociedade dá pro artista hoje”, conclui Estêvão. Para ele, a visibilidade é fundamental para que a sociedade avance no debate das relações étnico-raciais.

A artista carioca Renata Santos Sampaio concorda e relata que a visibilidade negra em exposições de artistas negros quebra o mito de que o Rio Grande do Sul é um estado onde não existem negros e negras e que podem estar aonde quiserem. “Quando um artista negro faz um trabalho como esse e expõe num lugar como a Santa Casa, ele representa muita gente, coloca uma realidade em choque com pessoas que talvez não a conheçam. É muito importante, eu me sinto muito feliz quando entro num lugar desses e me sinto representada no que estou vendo,” conta Renata.

SERVIÇO

ARTE NEGRA PAREDE BRANCA

Artista: Estêvão da Fontoura

Curadoria: Ana Albani de Carvalho

Quando? 18 de maio de 2018 a 15 de julho de 2018

Horários: Terças a sábados, das 9h às 18h, Domingos e feriados, das 14h às 18h

Local: Centro Histórico Cultural Santa Casa — Sala de Múltiplos Usos I — 1º andar (Av. Independência, 75 Bairro Independência Porto Alegre — RS)

Sobre o artista:

Estêvão da Fontoura é artista multimídia, graduado bacharel e licenciado em Artes Visuais, pelo Instituto de Artes da UFRGS (2003 e 2018), e professor de arte no IFRS — Campus Osório. Participou do Projeto Casa Grande, um dos vencedores do Prêmio Funarte de Arte Negra 2012. Tem participado da trienal internacional para jovens artistas Eksperimenta! (Tallinn, Estônia) desde a primeira edição, em 2011, quando integrou o juri internacional, e na segunda e terceira edições, em 2014 e 2017, foi curador da mostra brasileira.

Beta Redação

A Beta Redação integra diferentes atividades acadêmicas do curso de Jornalismo da Unisinos em laboratórios práticos, divididos em cinco editorias. Sob a orientação de professores, os estudantes produzem e publicam aqui conteúdos jornalísticos de diversos gêneros.

Marina Lehmann

Written by

Beta Redação

A Beta Redação integra diferentes atividades acadêmicas do curso de Jornalismo da Unisinos em laboratórios práticos, divididos em cinco editorias. Sob a orientação de professores, os estudantes produzem e publicam aqui conteúdos jornalísticos de diversos gêneros.

Welcome to a place where words matter. On Medium, smart voices and original ideas take center stage - with no ads in sight. Watch
Follow all the topics you care about, and we’ll deliver the best stories for you to your homepage and inbox. Explore
Get unlimited access to the best stories on Medium — and support writers while you’re at it. Just $5/month. Upgrade