Rio dos Sinos é cenário para canoagem

Projeto criado há 12 anos leva o esporte para dentro das escolas

As águas do Rio dos Sinos, conhecido por ter sido porta de entrada aos imigrantes que colonizaram toda a região do Vale, também são cenário para a prática de um esporte que ainda luta por mais divulgação — a canoagem. Com cerca de 100 alunos atualmente, o Projeto Canoagem na Escola, de São Leopoldo, ensina aos estudantes que o esporte no Brasil não é feito apenas de futebol.

De segunda a quarta-feira, as águas calmas do rio são tomadas por alunos que colorem o local com seus caiaques, buscando, por meio das remadas, um futuro diferente. Ao longo dos 12 anos do projeto, mais de 4 mil jovens passaram pela escolinha, que ensina mais do que um esporte.

“Eles treinam duas vezes por semana, divididos em turmas de no máximo 40 alunos. Realizamos uma conversa com a escola e os pais, e os alunos aprendem questões ambientais, espírito esportivo e trabalho em equipe. Além disso, eles são responsáveis pela organização do espaço. Limpam toda a sede e os equipamentos que usam, precisam entregá-los para o próximo que vai utilizar da mesma forma que receberam”, explica a coordenadora do projeto, Daniela Maioli.

Além disso, os atletas têm acompanhamento de nutricionistas e psicólogos. Nas primeiras aulas do projeto, os alunos tomam contato com a rotina do esporte através de atividades recreativas. Aprendem como carregar o caiaque, a vestir corretamente o colete salva-vidas, segurar o remo e realizar exercícios de atividades motoras.

Fotos: Daniela Tremarin/Beta Redação

Início

O Projeto Canoagem na Escola foi criado em agosto de 2005, vinculado a uma iniciativa da Companhia de Geração Térmica de Energia Elétrica (CGTEE). Em 2006, os incentivos foram cortados, e as atividades deveriam ser encerradas. A Prefeitura de São Leopoldo decidiu, então, manter o projeto, passando este a ser custeado inteiramente pelo poder público, sob administração da Secretaria Municipal de Educação (SMED) até hoje.

O projeto iniciou como uma forma de retirar do local as crianças que tinham como hábito tomar banho nas águas do Rio dos Sinos. “Era uma forma de ocupar o tempo livre deles, remar por remar. Em 2009 começamos a participar de competições dentro do Estado, sem técnica alguma, a gente ia pra se divertir e pelo lanche”, brinca Daniela.

Criação da Aleca

No ano em que começaram a disputar competições, os atletas foram vinculados à Associação de Canoagem de Gravataí, porque era necessário existir um clube que regulamentasse as equipes, e isso não existia em São Leopoldo. “Mesmo sem termos todo o preparo, estrutura e técnica necessárias nesse ano, dois dos nossos alunos ficaram em 1º e 2º lugar na competição.” Por isso, em 2011 foi tomada a decisão de criar a Associação Leopoldense de Ecologia e Canoagem (Aleca), que poderia regulamentar as equipes em competições de todos os níveis.

Um (dos vários) exemplos

William Gabriel Batista Rodrigues, 17 anos, é uma das jovens para quem o esporte fez toda a diferença. Ia mal na escola, se atrasava e tinha alguns problemas de relacionamento. Mas o amor e dedicação pela atividade foram mais fortes.

Uma das regras do projeto é manter as notas boas na escola, e esse não era o caso dele. William reprovou e não houve jeito, ele não iria mais participar das competições. Ou seja, passaria apenas a frequentar as aulas da escolinha duas vezes por semana e deixaria a equipe de competição que treina todos os dias.

Com medo de que ele desistisse e acabasse sendo levado para um outro caminho, a equipe da ação social fez uma promessa a William: ele poderia voltar para a equipe se melhorasse as notas. Assim, o jovem passou a ter aulas no contraturno escolar. Um tempo depois, ele começou a estudar à noite e ficar na sede do projeto durante o dia. Nunca se atrasava, mesmo que precisasse estar no local às 6h da manhã. “Eu aprendi que temos que lutar pelos nossos sonhos. Quero seguir nesse esporte, é o que mais gosto de fazer”, garante William.

William Gabriel Batista Rodrigues no início do treino. Fotos: Daniela Tremarin/Beta Redação

Rumo a mais uma competição

A delegação de São Leopoldo parte nesta terça-feira (29) para participar do 8º Campeonato Brasileiro de Canoagem Velocidade e Paracanoagem, em Curitiba (PR). No total, a competição conta com 303 largadas dividas em sete categorias. Representando a Aleca de São Leopoldo, os 21 atletas irão competir nas modalidades de velocidade e maratona entre os dias 31 de agosto e 3 de setembro.

Eles são os atuais campeões da Copa Brasil de Canoagem Velocidade e Paracanoagem, realizado em março deste ano também em Curitiba. O evento reuniu atletas de diversos estados do país.

Foto: Daniela Tremarin

Para Daniela, que está à frente do projeto e da Aleca desde o começo, cada medalha é um sonho realizado.“Eles são como filhos. Quando iniciamos, não tínhamos quase nada. Apenas uma salinha onde empilhavam os equipamentos. Quando chovia, eu trabalhava com eles dentro da sala e a gente sempre conversava sobre como seria a nossa futura sede. Tudo o que temos agora é uma evolução. A gente ia nas competições apenas por diversão, os outros riam de nós, não tínhamos estrutura nenhuma. Nós carregávamos os caiaques amarrados no teto dos carros, mas continuamos insistindo porque sabíamos do nosso potencial.”

Como funciona

Atualmente apenas oito escolas do município são contempladas pelo projeto, com vagas distribuídas entre elas — e já existe uma fila de espera.

As aulas da Escolinha de Canoagem ocorrem de segunda a quarta-feira, em dois turnos: das 8h às 12h e das 13h30 às 17h. Os atletas da Aleca treinam todos os dias.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.