Tabaco no Brasil: quanto custa o consumo diário

Dados de pesquisa da Vigitel apontam para o perfil do fumante brasileiro e quanto ele gasta com o vício

Por Fernanda Salla e Mariana Dambrós

Tendência no século passado, quando era visto como charme, o uso do tabaco diminuiu nas últimas décadas. Seja por meio de campanhas publicitárias, preocupação com a saúde ou status financeiro, o glamour de fumar, que era influenciado por meio do cinema, conquista cada vez menos adeptos.

O fato é que a compra de tabacos tem peso no bolso do usuário. Se colocarmos no papel os gastos de quem fuma e compararmos com o orçamento de uma pessoa que parou de fumar, qual é o valor economizado? Para responder a essa questão, reunimos marcas de cigarro conhecidas e que são vendidas (e muitas produzidas) no país. Os dados têm base em uma pesquisa feita em 2015 e atualizada em 2016 pela Receita Federal. Nela, 13 empresas de tabagismo mostram o preço de venda a varejo nos estados brasileiros.

Vamos nos reter a algumas marcas mais conhecidas, com predomínio da Souza Cruz. Para analisar os resultados, levaremos em consideração que uma pessoa fume um maço de cigarro por dia. A base será o preço de varejo do Rio Grande do Sul, um dos estados de preço mais baixo. Isso porque há variação de preço entre as regiões, podendo chegar a R$ 2 de diferença.

(Fonte: Receita Federal)

Com isso, é possível perceber que o gasto mensal varia de R$ 150 a R$ 225. Já o anual varia de R$ 1800 a 3060, levando em consideração que o cigarro mais caro custa R$ 8,50, e os mais baratos, R$ 5. Se escolhermos um cigarro de valor mediano, como, por exemplo, R$ 7,50, obtemos os seguintes resultados:

Vale ressaltar que selecionamos marcas regulamentadas pela lei. De acordo com o Instituto de Desenvolvimento Econômico e Social de Fronteiras (Idesf), a cada 10 cigarros vendidos no Brasil, 4,5 são ilegais. Os preços chegam à metade do valor em relação aos comercializados legalmente. A maioria provém do Paraguai, e o fator principal que acarreta na diminuição do preço se deve à taxa de impostos. Enquanto no Brasil há variação de 72% a 80%, no vizinho latino-americano, a taxa é de apenas 16%.

(Foto: José Fernandes Jr./Flickr)

Consumo do tabaco no Brasil

O número de fumantes no mundo tem diminuído a cada ano. No Brasil não é diferente. De acordo com uma pesquisa da Vigilância de Fatores de Riscos e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel), do Ministério da Saúde, em 2014, o percentual total de adultos fumantes no país era de 10,8%. Em relação aos nove anos anteriores, o número de usuários caiu 30,7%.

Conforme a pesquisa, o hábito de fumar é mais frequente entre os homens (12,8%) do que entre as mulheres (9,0%).

(Fonte: Vigitel)

As 26 capitais do país e o Distrito Federal foram analisadas. A capital com o maior percentual de fumantes homens é Porto Alegre, que soma 17,9%, seguida por Belo Horizonte (MG) e Cuiabá (MT).

(Fonte: Vigitel)

A capital gaúcha também possui o maior número de fumantes do gênero feminino, com 15,1%. O segundo e o terceiro lugar são ocupados, respectivamente, por São Paulo (SP) e Curitiba (PR).

Fonte: Vigitel

O levantamento mostrou ainda que a frequência do hábito de fumar foi particularmente alta entre homens (16,4%) e mulheres (12,1%) com até oito anos de escolaridade.

(Fonte: Vigitel)

Uma ajuda para quem deseja parar de fumar

Entre diversos softwares disponíveis nas lojas de aplicativos para smartphones, o QuitNow! é considerado a ferramenta mais completa disponível no mercado para quem precisa de um incentivo para parar de fumar. Na loja da Google Play, o aplicativo possui avaliação alta e está entre os mais recomendados.

(Imagem: Reprodução/Play Store)

O QuitNow! é gratuito e permite ao usuário ter acesso a diversas informações: tempo exato desde que parou de fumar, quanto dinheiro poupou e quais são as mudanças no seu corpo. O aplicativo também fornece indicadores baseados na Organização Mundial da Saúde (OMS) sobre os processos de melhorias da saúde.

(Imagem: Reprodução/Play Store)

Em tempo real, é possível acessar estatísticas sobre quanto tempo o indivíduo fumou pela última vez (dias, horas e minutos), mostrando a quantidade de cigarros evitados, dinheiro economizado e o tempo de vida “salvo”. Além de todas as atribuições, a plataforma ainda possibilita que uma rede de usuários troque informações e se ajude por meio de conversas e dicas para um melhor desempenho para se afastar do vício.