Um amor que ultrapassa quatro rodinhas

Entre crianças e jovens, atletas são exemplos de superação e coragem

Professor Davi e suas alunas. (Foto: Stephany Foscarini/Beta Redação)

“Ergue bem o braço”, “Pega velocidade” e “Abre o quadril” são algumas das frases que as meninas de 11 a 15 anos escutam em uma tarde ensolarada durante a aula de patinação. O treino é feito ao som de música internacional. Cada aluna anda uma por vez, depois são todas juntas. O professor está atento a cada movimento.

Davi David Donário Bitello, 36 anos, é o responsável por ensinar, além desse grupo, garotas de todas as idades na Sociedade Ginástica de Novo Hamburgo (SGNH). Ele é cinco vezes campeão brasileiro e sete vezes campeão gaúcho de patinação. Sua paixão pelo esporte começou aos 12 anos, quando assistiu a um show de patinação de final de ano em Sapiranga. Durante essa apresentação, foi anunciado que abriria uma nova turma na SGNH e ele decidiu participar.

Há cerca de 13 anos atuando como professor de patinação, ele explica que as alunas já sabem os elementos que precisam treinar para participar dos campeonatos. O treino então é focado em cima do que elas precisam para aquele ano. “Conforme elas vão treinando e vai ficando fácil, começam a treinar passos pensando no próximo ano, níveis e categorias”, relata Davi.

“Como é um esporte mais aeróbico, é bom para o sistema cardiovascular e músculo esquelético, porque faz muita força nas pernas. Auxilia também na coordenação motora, melhora muito a percepção do espaço e autoestima, desenvolve as partes de danças e artísticas”, afirma Davi sobre os benefícios que a patinação traz à saúde.

De acordo com o professor, as meninas começam na escolinha a partir dos quatro anos a aprender a fazer o básico da patinação, que é andar de frente e de costas. Após isso, se elas têm interesse em competir, as aulas começam a ser feitas com foco no que os campeonatos exigem.

Todos os anos participam de duas a três copas internas dentro do Estado, nos campeonatos gaúchos e brasileiros. Algumas atletas têm a oportunidade de ir para o campeonato Sul Americano e Mundial. A premiação é individual, e às vezes em quarteto. Também há uma competição interna, dentro do próprio local onde treinam, na qual, é realizada em mini grupos, com doze meninas. Além disso, elas também são avaliadas por sua performance individual.

Saiba mais sobre o esporte na Sociedade Ginástica de Novo Hamburgo

A patinação na SGNH surgiu na década de 80, com um professor Argentino chamado Salvador. Segundo a gerente de esportes, Isla Krüger, o esporte é um dos mais importantes no local e é reconhecido nacionalmente como um pólo de formação de grandes atletas. “Temos a patinadora Talitha Haas, medalhista em dois Pan-Americanos, México 2011 e Toronto 2015. É a única medalhista feminina no campeonato mundial de 2009”, destaca Isla.

Para ela, da mesma maneira que todo esporte necessita de incentivo, a patinação também, visto que é um esporte não olímpico e com um custo elevado.

O evento “Magia sobre Rodas”

Esse espetáculo ocorre uma vez por ano, encerrando a temporada. Depois do show, ainda tem uma ou duas semanas de aula. “Somente alunos da Ginástica podem participar. O elenco infantil começou a ensaiar desde junho. Os adultos começaram em agosto”, conta o professor. Os figurinos são pagos com o valor da venda de ingressos. Cada atleta recebe 25 ingressos e todos eles precisam ser vendidos.

Uma paixão que vem desde criança

Manoela Di Maio, 14 anos, estudante do nono ano e moradora de Porto Alegre, é campeã Pan-Americana de 2016. Ela conta que se encantou pelo esporte aos quatro anos de idade. Nessa época, a adolescente patinava na escola. Desde os nove anos, é aluna da Sociedade Ginástica e já participou duas vezes da apresentação “Magia sobre Rodas”.

Ela conta que o interesse pelo esporte despertou através de uma amiga que patinava junto com a mãe. Manoela então convenceu a mãe a deixá-la praticar também. “Quando eu vi, nunca queria tirar os patins dos pés, chegava em casa e ia colocar eles. É a minha vida, é o que eu faço todos os dias. Nem sei explicar direito o porquê eu faço, sei que é um amor incondicional”, diz a atleta.

No futuro, a garota pretende cursar Fisioterapia ou Educação Física para tornar-se professora de patinação. O que não quer é sair da área da saúde e do esporte. Ela também releva que seu desejo é patinar até os 22 anos e ganhar mais prêmios na área.

Descubra como participar

As aulas são abertas ao público e tem as modalidades: Livre Individual, Solo Dance, Free Dance e Quarteto. Para quem tiver interesse ou quiser assistir é possível acompanhar os treinos nos dias e horários abaixo:

Segunda-feira: 13h30min às 16h30min

Terça-feira: 18h às 19h, das 19h às 20h30min (ensaio do show)

Quarta-feira: 09h30min às 11h30min, 13h30min às 18h

Quinta-feira: 20h às 21h

Sexta-feira: 09h30min às 11h30min, 13h30min às 18h

Para maiores informações, acesse o site: www.sgnh.com.br ou ligue para (51) 3584.3900.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.