A identificação com Me Chame pelo Seu Nome

Confesso que estava com altas expectativas para assistir Me Chame Pelo Seu Nome. O filme vinha em uma jornada bacana em festivais e tem uma proposta interessante. Eu só não imaginava que ele me tocaria tanto.

E por me tocar não quero dizer que chorei horrores. Ok, eu chorei em algumas cenas, mas a questão toda é a identificação. Nesse vídeo aqui da live do Salada de Cinema eu falo um pouco disso: de como esse filme tem o poder de nos tocar de acordo com nossas experiências.

E em mim foi bem fundo. Me vi em muitas das cenas do Elio (não a do pêssego!). A adolescência, a descoberta, o modo atrapalhado com que ele vai se descobrindo. Tudo ali me lembrava demais de mim mesmo. Ok, eu não tive um Oliver, mas também tive um cara mais velho.

Mas chega de falar aqui: assistam ao filme e ao nosso vídeo, que tá bem legal.