Quais os limites da sua relação?

Não sei até que ponto essa questão aí acima no título nasceu de estar revendo Sex And The City ou de ter conversado bastante sobre o tema ultimamente, mas ela vem ecoando na minha cabeça faz um tempinho já. Quais os limites da sua relação?

Por relação, quero falar em relacionamento amoroso. Homem com homem, mulher com mulher, homem com mulher, dois homens e uma mulher, duas mulheres e um homem, e por aí vamos crescendo. E aqui já chegamos a uma primeira questão: você já parou para pensar por que seu limite para uma relação é o de duas pessoas?

Ciúmes? Posse sobre o outro? Desconforto com a ideia de ver sua “cara metade” sentindo prazer com uma pessoa que não você? Não, não estou defendendo aqui a putaria generalizada (apesar de achar ela uma ótima solução).

Isso me leva a uma outra questão: a tal da fidelidade. O que é ser fiel para você? Quais os limites que uma pessoa pode chegar sem que se configure traição? Pensar em outra pessoa? Fantasiar? Se masturbar pensando em outro? Flertar? Se conhecer? Fazer sexo? Qual desses é o seu limite?

Você sabe a resposta para as perguntas acima? Se souber, te pergunto mais uma coisa: esses limites são verdadeiramente seus ou são apenas os valores que a sociedade nos impõe como padrão e a gente aceita sem nem questionar?

O ponto disso tudo é: não há problema algum em ser monogâmico. Nem em ser poligâmico. Desde que seja consensual e entre adultos. Estamos tão habituados a pensar que relação são duas pessoas construindo algo juntos em exclusividade emocional e sexual que poucas vezes realmente pensamos em algo diferente disso.

Por isso eu digo: pense, reflita, discuta com seu (ou seus) parceiro (ou parceiros). Pode não ser a conversa mais simples da história da relação de vocês, mas faça com que seja a mais franca, a mais de peito aberto. Isso evita desgastes futuros. E o ditado sempre vale nessas situações: O combinado não sai caro.

E repito a pergunta: quais os limites da sua relação? Responde nos comentários.


Originally published at andresobreiro.com.br.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.