Qualidade de Vida | Como resistir às tentações?

Decidi fazer esse post para falar como comidas e tentações. Sabe aquele desejo por um chocolate no meio da tarde? E aquele dia que tudo que você quer é comer pizza até não aguentar mais? Como lidar com esses momentos?

Com 12 quilos já perdidos (pelo menos quando estou escrevendo esse post) eu cheguei a uma conclusão sobre isso que VALE PARA MIM. Repito: VALE PARA MIM. Não sou nutricionista, nutrólogo, a Pugliesi, a Bela Gil, nenhuma dessas pessoas. Eu estou falando o que funciona para mim, uma pessoa em busca de qualidade de vida e não de #ForçaFocoFé.

Mas a conclusão é: Não resista à tentação. Ou melhor, resista com parcimônia. Explico: comer, sempre foi um ato de prazer. E por prazer, leia-se, comer excessos. Um almoço cotidiano precisava ter muito molho, queijo, carnes e tudo mais que eu pudesse. Quando estava feliz, comemorava comendo gordice. Quando estava triste, descarregava em gordice. Tudo era desculpa para eu comer coisas nada saudáveis.

Desde que decidi mudar meus hábitos, essa foi a primeira questão: eu como para me alimentar bem. Independente do meu estado de espírito. E isso significa comer menos– e não ficar caindo de sono — e alimentos mais saudáveis. Descarrego minhas variações de humor de outras maneiras, cantando alto, por exemplo.

Ah, mas você não disse ainda das tentações! De fato. Para começar, se não tem, a gente não come. Simples. Se está no restaurante, passe reto pelas sobremesas, pela geladeira de sorvete, pela fileira de chocolates. Nada de um pequeno apenas. Eu nunca consigo manter esse autocontrole.

Mas nem tudo é sacrifício. Vou a um bar com os amigos? Tomo minha cerveja com porção sim. Final de semana quero hambúrguer? Ok, vou comer. Pizza? De vez em quando pode sim. Mas tenta associar essas delícias não a dias cotidianos, triviais, mas sim a eventos legais. Assim, você acaba comendo com frequência menor essas coisas (agora se sua vida seja uma grande festa, me convida!).

Uma mudança simples que eu assumo, no começo foi bem chata, mas hoje é bem tranquila. E os resultados aparecem.


Originally published at andresobreiro.com.br.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.