Vendo a vida com novos olhos

Não, nada de um post metafísico ou filosófico. É sobre enxergar mesmo. Mas isso exige uma volta no tempo. Quando acabei o tratamento do Linfoma eu decidi que iria tirar um mês de férias de médicos (tirando as visitas de rotina) e ia começar uma maratona: todo mês um médico diferente, para checar o status do corpo inteiro.

E daí pensei cá com meus botões: vou começar pelo oftalmologista. O primeiro motivo era o fato de fazer anos que não visitava um. E o segundo era o fato de sempre enxergar muito bem, então queria um médico que eu saísse sem nada, para dar uma animada, sabe? RISOS!

Consultório, pupila dilatada, vamos ao atendimento. Na primeira máquina eu já ouço um “é, seu olho direito tá um pouco pior que o esquerdo. Vem aqui nessa outra”.

A outra em questão era para ver as letrinhas. Aqui eu tive certeza que eu ia arrasar. E arrasei na primeira linha. Na terceira, já bombei na primeira letra.

Muita informação depois, saio com uma receita de astigmatismo leve nos dois olhos, especialmente no direito. Dia seguinte, receita em mãos eu fui comprar os óculos. E eis que acontece a cena a seguir:

E foi assim que eu descobri em uma consulta de rotina uma miopia, uma hipermetropia e dois astigmatismos. Tá bom para vocês?

Agora estou aqui, de óculos, me adaptando e descobrindo essa nova fase da vida. E como o Linfoma ensinou: otimismo sempre. O repertório de piadas auto-depreciativas só vai crescer.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.