‘Harry Potter’ faz 20 anos! Veja 11 momentos do bruxinho best-seller e o que vem por aí

Por Jacob Paes.

Em 1997, ‘Harry Potter e a Pedra Filosofal’ era publicado no Reino Unido, após seis anos de escrita de J. K. Rowling. Pouco acreditado a princípio, o livro — uma mistura de fantasia, drama, ficção, romance — conquistou um público cativo e crescente, tornando-se um sucesso grandioso e inigualável. Hoje em dia, conta com filmes, jogos, peças de teatro e atrações em parques de diversão.

De acordo com Rowling, a sua obra é sobre a morte, uma vez que a autora perdeu sua mãe dias após ter concebido a história, quando ficou presa em um trem atrasado entre Manchester e Londres. Na mesma noite, em 1990, começou a escrever a história. “Os sentimentos de Harry sobre a perda dos pais ficaram muito mais profundos, mais reais”, disse ela. Porém, Harry Potter acabou levantando uma série de questões, como preconceito, corrupção e loucura — tudo em uma obra supostamente voltada para o público infantojuvenil. E sem deixar de ser atraente para esses “jovens adultos”, que logo abraçaram a escrita mais profunda de Rowling.

Para dar início às comemorações de 20 anos da obra, o Book4You selecionou alguns momentos e curiosidades que marcaram a sua produção, comercialização e contemplação. Ok, talvez, este post deixe um mais evidente que estejamos ficando velhos, mas vale a pena conferir esses momentos e aguardar pelas novidades já anunciadas que virão por aí, mostradas aqui. Além disso, podemos esperar por mais surpresas ao longo do ano.

1. A primeira sinopse

“Harry Potter é um garoto cujos pais, feiticeiros, foram assassinados por um poderosíssimo bruxo quando ele ainda era um bebê. Ele foi levado, então, para a casa dos tios que nada tinham a ver com o sobrenatural. Pelo contrário. Até os 10 anos, Harry foi uma espécie de gata borralheira: maltratado pelos tios, herdava roupas velhas do primo gorducho, tinha óculos remendados e era tratado como um estorvo. No dia de seu aniversário de 11 anos, entretanto, ele parece deslizar por um buraco sem fundo, como o de Alice no país das maravilhas, que o conduz a um mundo mágico. Descobre sua verdadeira história e seu destino: ser um aprendiz de feiticeiro até o dia em que terá que enfrentar a pior força do mal, o homem que assassinou seus pais. O menino de olhos verdes, magricela e desengonçado, tão habituado à rejeição, descobre, também, que é um herói no universo dos magos. Potter fica sabendo que é a única pessoa a ter sobrevivido a um ataque do tal bruxo do mal e essa é a causa da marca em forma de raio que ele carrega na testa. Ele não é um garoto qualquer, ele sequer é um feiticeiro qualquer; ele é Harry Potter, símbolo de poder, resistência e um líder natural entre os sobrenaturais”. Ficou com vontade de rever a sinopse inteira? É compreensível, por isso temos um link aqui.

2. A mente que lhe deu origem

J. K. Rowling nasceu nos arredores de Bristol, na Inglaterra, em 31 de julho de 1965 — ou seja, ela e seu personagem mais famoso, Harry Potter, compartilham o dia de aniversário. A autora é formada em Letras Clássicas e Francês pela Universidade de Exeter. Em 1992, morando em Portugal, se casa e passa a dar aulas de inglês. Após se divorciar, em 1994, volta para o Reino Unido e começa a lapidar seu manuscrito, cujas primeiras ideias surgiram em 1990. O livro estaria pronto em 1995, quando é avisada por seu agente literário: “Você tem noção que não irá ganhar dinheiro escrevendo livros para crianças, certo?”. Depois da publicação da saga de fantasia do bruxo, Rowling ganhou, entre outros prêmios, o Nestlé Smarties Book Prize Gold Medal, o FCBC Children’s Book Prize, o Birmingham Cable Children’s Book Award e o British Book Awards Children’s Book of the Year. E, claro, muito dinheiro. Para ser mais preciso, estima-se que a escritora já recebeu cerca de US$ 950 milhões.

3. O sucesso do primeiro livro…

Lançado em 30 de junho de 1997, ‘Harry Potter e a Pedra Filosofal’ revolucionou o mercado editorial porque abriu precedentes para a criação de uma geração de leitores como nunca antes visto, dando origem a um verdadeiro fenômeno. Traduzido para mais de 73 idiomas, o livro teve uma tiragem inicial de apenas 500 exemplares na Inglaterra, dos quais cerca de 350 foram distribuídos entre as livrarias pela Bloomsbury. Porém, com o sucesso de crítica (que comparava a originalidade da história aos trabalhos de Roald Dahl) e de público, o livro conseguiu bater a marca de 300 mil exemplares vendidos em apenas dois anos só em seu país de origem. Um verdadeiro best-seller (conheça outros nesta lista do B4Y).

4. …Contrariando todas as expectativas

Na verdade, as editoras não apostaram muito no sucesso de Harry Potter. O livro foi oferecido a 12 editores antes de a Bloomsbury aceitar a publicação com a baixa tiragem citada no item anterior. Além disso, Rowling recebeu um adiantamento de apenas cerca de US$ 2.500 — para se ter uma ideia, após o sucesso do primeiro livro, a Scholastic, editora responsável pela publicação da série nos Estados Unidos, subiu esse valor para US$ 100 mil, uma quantia considerada rara e um recorde para livros infantis. A tiragem de 50 mil cópias também revela que os americanos levaram a coisa mais a sério.

5. No Brasil, também

Reza a lenda que a história do pequeno bruxo chegou a ser recusada pelas maiores casas editoriais do país, pois seus editores não a consideraram um sucesso a ser explorado. Para eles, a obra de Rowling era muito diferente do que o público juvenil brasileiro estava acostumado a ler, em que pese o número de páginas elevado para esse público (o primeiro volume brasileiro acabou sendo publicado com 224 páginas). Quem se deu bem foi a Rocco, uma editora pequenina à época e que acabou publicando toda a série. Muitos dos editores que tiveram os originais em mãos já confessaram o arrependimento de não ter dado crédito àquela história, e correram para para procurar o “próximo Harry Potter” — uma tarefa não muito fácil, já que quase nenhuma outra série teve o mesmo impacto.

6. Ok, com algumas artimanhas

Antes de ser publicado, o livro passou por todo o processo de produção editorial, é claro. Mas duas mudanças solicitadas pelas editoras chamam atenção: a primeira no próprio nome da autora, e a segunda, no próprio título. É que os editores ingleses aconselharam Rowling a permanecer o mais neutra possível em relação a gêneros, por isso pediram que assinasse a autoria do livro com suas iniciais, pois tinham medo de que os leitores infantis do sexo masculino não quisessem ler uma história escrita por uma mulher (mas se você quer sim ver obras escritas apenas por elas, recomendamos esta lista do B4Y). Foi então que Joanne Rowling decidiu adicionar o nome de sua avó, Kathleen, já que não possuía um segundo nome — resultando, assim, em J. K. Rowling. A outra adaptação foi feita no título da versão americana: em vez de ‘A Pedra Filosofal’, por lá o primeiro volume é chamado de ‘Harry Potter e a Pedra do Feiticeiro’, pois acreditava-se que a primeira opção poderia dar a entender que seria um livro ligado à filosofia.

7. Aliás, Nicolau Flamel não é um personagem fictício

Muito pelo contrário, ele já apareceu até mesmo em outras obras, como em ‘O Código Da Vinci’, de Dan Brown. Mencionado várias vezes no primeiro livro como o bruxo e alquimista que descobriu a pedra, Flamel foi um escritor francês que viveu em Paris no século 14 e se tornou famoso justamente por rumores de que ele teria encontrado uma pedra mítica.

8. Números mágicos

Em junho de 1999 foi lançado na Inglaterra o segundo volume da série, ‘Harry Potter e a Câmara Secreta’. A tiragem subiu dos 500 exemplares do primeiro livro para 250 mil cópias (!). A editora americana marcou o lançamento de sua versão para setembro, mas descobriu que a ansiedade dos fãs era tanta que eles estavam comprando as versões em inglês britânico mesmo. Desde então os números se tornaram cada vez mais impressionantes: ‘Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban’ vendeu 68 mil cópias em apenas dois (!) dias e só no Reino Unido; nos Estados Unidos, a tiragem foi de 500 mil exemplares. Em 2000, ‘Harry Potter e o Cálice de Fogo’ é lançado simultaneamente nos Estados Unidos e na Inglaterra, chegando a uma tiragem conjunta de 5 milhões de cópias. Em 2003, ‘Harry Potter a Ordem da Fênix’ passa dos 6 milhões de exemplares contando apenas os Estados Unidos, número que cresce para quase 11 milhões com a sequência, ‘Harry Potter e o Enigma do Príncipe’. O último título da saga, ‘Harry Potter e as Relíquias da Morte’, vendeu 11 milhões de exemplares no Reino Unido e nos Estados Unidos só no primeiro dia de vendas. No total, estima-se que a série tenha vendido mais de 450 milhões de exemplares no mundo todo e a marca Harry Potter valha US$ 15 bilhões.

9. No cinema…

Em 2001 foi lançada a primeira adaptação cinematográfica de Harry Potter, após os direitos da obra terem sido vendidos já em 1999. Rowling conseguiu negociar um papel ativo na produção dos filmes e acordos como o que obrigava a Warner Bros. a escalar apenas atores britânicos — com algumas exceções permitidas por ela. O filme foi um sucesso: no mundo todo foram quase US$ 975 milhões de arrecadação, o que lhe rendeu, na época, o segundo lugar na lista dos dez filmes com maior bilheteria. Hoje em dia a franquia tem diversos filmes nessa lista.

Esta é uma foto da coletiva que anunciou os nomes de Daniel Radcliffe, Emma Watson e Rupert Grint para os papéis principais, após uma longa procura:

E aqui, o trio na noite de estreia do primeiro filme:

Perguntados sobre o que comprariam com o primeiro pagamento, os astros mirins permaneceram fiéis a seus personagens: Watson declarou que iria guardar o dinheiro até completar 21 anos; Radcliffe disse que não tinha ideia do que fazer com o dinheiro; e Grint acabou encomendando um caminhão de sorvete para dividir com todo o elenco, apesar de ter recebido o pagamento em “dinheiro de trouxa” e não saber o que fazer com isso inicialmente, já que era um bruxo.

No Brasil, em 23 de novembro de 2001, leitores fanáticos pela série fizeram fila para assistir à estreia do filme no cinema do Shopping Paulista:

E, no fim, todo mundo cresceu e ficou assim:

10. …E em muitos outros lugares

Mas a franquia Harry Potter gerou muitos outros derivados, como a série de spin-offs ‘Animais Fantásticos e Onde Habitam’ e livros escritos especialmente por Rowling para arrecadar dinheiro a instituições de caridade. Audiolivros também foram lançados, bem como versões especiais dos livros tradicionais. Por exemplo, este livro ilustrado, baseado no primeiro volume da série:

E este jogo de videogame, um dos onze lançados sobre o universo (a maioria pela Eletronic Arts):

E até uma peça de teatro foi criada, que acabou dando origem ao livro mais recente do universo, ‘Harry Potter e a Criança Amaldiçoada’, mostrando os protagonistas já adultos e com filhos. Também não podemos nos esquecer do Pottermore, um site que foi lançado para que os fãs se aprofundem no universo, e uma atração (‘The Wizarding World of Harry Potter’) nos parques da Universal, que você pode conhecer melhor nesta página:

11. E vem novidade por aí

“Depois de ‘Harry Potter e a Pedra Filosofal’, ‘Harry Potter e a Câmara Secreta’ chega às prateleiras em edição ilustrada e capa dura. Cenas de tirar o fôlego, momentos tensos da trama e personagens inesquecíveis esperam os leitores nesta edição mágica que

traz o texto integral de J.K. Rowling e desenhos do premiado Jim Kay. Com tinta, papel e pixels, o ilustrador britânico cria um mundo encantado como nunca antes visto para acompanhar o segundo ano de Harry Potter na Escola de Magia de Hogwarts. O jovem aluno começa a ser atormentado por vozes estranhas, que parecem sair de dentro da sua cabeça. Ele descobre ser ofidioglota, característica rara entre os bruxos, o que levanta suspeitas dele ter sido o responsável por abrir a Câmara Secreta, que guarda o terrível monstro Basilisco. Manipulada por Voldemort, Gina Weasley, irmã de Rony, é capturada e levada à Câmara — e somente Harry pode salvá-la. Até Hermione, amiga querida de Potter, é atacada pelo monstro e se transforma numa estátua. Só resta ao nosso herói tentar resolver o mistério por conta própria”. Chega às livrarias em março. Saiba mais aqui.

“Os três livros que compõem a Biblioteca Hogwarts, usados pelos alunos da Escola de Magia e Bruxaria na série Harry Potter — Animais Fantásticos e Onde Habitam, Quadribol Através dos Séculos e Os contos de Beedle, o Bardo — ganham novas edições que não poderão faltar na estante dos fãs. Animais Fantásticos e Onde Habitam, que foi adaptado para o cinema, volta às prateleiras atualizado com prefácio assinado pelo protagonista, o Magizoologista Newt Scamander, e ilustrações de Tomislav Tomic. Os livros, em versão capa dura com novas imagens de capa e miolo, serão vendidos separadamente, e também num box contendo a Biblioteca Hogwarts completa. Chega às livrarias em maio. Saiba mais aqui.

E estas maravilhosas edições comemorativas de 20 anos inspiradas nas casas de Hogwarts:

Por enquanto, elas ainda não estão confirmadas para o Brasil, mas já podemos ir preparando o bolso (caso cheguem aqui ou você decida importá-las), afinal, a editora Bloomsbury anunciou que as novas edições serão publicadas com capa dura, com a borda do papel imitando as estampas das casas, conteúdo extra sobre Hogwarts e ilustrações. As vendas começam em junho na Inglaterra. E esta é apenas uma das ações comemorativas que a editora prepara.

O que você gostaria de ver no Brasil para comemorar esses 20 anos de ‘Harry Potter’?

Com informações de O Estado de São Paulo, BuzzFeed, The Richest, Time, The Bookseller e Rocco