ontem

Ontem reli todas as nossas conversas com a esperança de encontrar o motivo pelo qual minha noite foi fria, vazia e sozinha.

Ontem tentei te dizer que eu amo você e isso tudo é verdade.

Ontem a vi lentamente saindo de um abraço meu.

Ontem pela primeira vez não entendi tudo o que você quis dizer.

Se eu guardo algo? Agora? Não. Ainda preciso olhar no seus olhos para acreditar que tudo isso é verdade.

Tudo aconteceu nos últimos minutos do segundo tempo quando (ansioso) estava preparando nossa comemoração. Afinal um ano (realmente) é um ano.

E meus últimos trezentos e sessenta e quatro dias foram os melhores.

Já perguntei pra Deus o porquê que uma pessoa que te faz tão bem sai da cena principal tentando não ser notada? Como não notar o brilho de um estrela? Como não perceber que o sol vai embora todos os dias? Ontem se foi.

Eu ainda não sei o que fazer e não tenho respostas para tantas perguntas.

Não vou descrever exatamente como me sinto (embora isso seja uma tentativa) porque isso seria crueldade e embora eu não possa mais ver, eu desejo que esse sorriso sempre possa ser visto, porque como já disse anteriormente: Você continua sendo a cena mais linda que Hollywood nunca gravou.

Trágico tempo. Trágico costumes, Trágicas regras. Quando foi que começamos a complicar tudo? Porque começamos isso mesmo?

Conversaria com seu coração se ainda tivesse acesso, afinal, ele deve-se lembrar de tudo.

Ontem você você me pegou de surpresa.

Ontem vi algo despedaçar.

Ontem vi o meu melhor pote de esperança (e você sabe disso) cair até o chão em cacos quebrados.

Mas ainda quero acreditar que tudo vai ficar tudo bem.

Como eu sei que vai? É porque sempre vou estar esperando aqui pra ver seu melhor sorriso.

Se ontem vi lágrimas, hoje pretendo imaginar tudo isso indo embora.

Se ontem o dia terminou mal, que esse mal no futuro venha ser apenas uma lembrança de uma boa história.

Pois se ontem eu ouvi um não, hoje prefiro dizer a mim mesmo que nada mudará, porque você continua linda do mesmo jeito.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.