Quando a disrupção atinge os veículos em cheio — e o melhor: como eles reagem — AAAA’s TRANSFORMATION 2016

O CEO da, talvez, marca jornalística mais famosa do mundo — Mark Anderson — fez uma apresentação interessantíssima, navegando entre as idiossincrasias do tempo atual, onde o respeito a uma marca secular tem de conviver e explorar todo o potencial das novas tecnologias.

Perguntado sobre como manter um grupo de mídia em momentos como hoje, ele não titubeou:

“Não há receita. Mas, uma boa dica é, em primeiro lugar, mantendo um absoluto respeito e apreço por nossa Missão de sempre, nossa velha tradição de profundidade, nossa reputação de seriedade, reforçando uma marca de credibilidade absoluta, tão importante em tempos em que qualquer um diz qualquer coisa para qualquer outro.

Ao mesmo tempo, experimentar tudo, todas as novas tecnologias, o quanto antes, tudo ao mesmo tempo agora, fazer todo o possível para distribuir conteúdo das mais diversas formas.”

E enfatizou:

“Estamos experimentando. Testando. Refazendo tudo o tempo todo. Nunca imaginamos o quanto engenheiros, especialistas em UX e criativos digitais poderiam acrescentar em nosso negócio. E essa surpresa, em meio a jornalistas tradicionais, ainda tem muito a crescer e a gerar resultados.”

Falando sobre como explorar a publicidade em seus veículos, foi bastante claro:

“A publicidade não está se movendo na velocidade certa. O consumidor está muito mais rápido em sua transformação. Hoje há nitidamente um déficit de criatividade no mercado, baseado em métodos tradicionais de sequestrar a audiência e o interesse, com mensagens interruptivas, indesejadas e impositivas.”

Enfatizou:

“Isso não funciona mais. O negócio agora é fisgar o interesse explorando o que se pode gerar de conteúdo relevante em torno de uma marca, inclusive mixando com aquele que o próprio veículo produz. Ou seja, se quero vender seguros-saúde, uma matéria sobre o novo estilo de vida daqueles que tem mais de 60 anos pode ser uma superplataforma de relevância.”

Pra concluir:

“Explore a tecnologia. Explore os meios. Use o poder eletromagnetizador que só uma grande ideia, um grande conteúdo de marca tem.”


Luciano Vignoli é Diretor-Presidente e Planejamento da e21
luciano@e21.com.br

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.