Por que devo preocupar-me com burnout?

Guilherme Menezes
Jul 15 · 5 min read

Olá, amigos, gostaria de compartilhar com vocês algo muito importante. Não é nenhum tutorial ou plugin para qualquer coisa, mas é algo que precisa ser falado. Antes de tudo, deixa eu apresentar-me: sou o Guilherme, trabalho com design há 10 anos e já vivi muitos projetos e espero viver mais tantos, mas à algo que me incomoda muito e que preciso compartilhar com você. Em minha carreira sempre fui hard work, trabalhei de domingo a domingo. Sempre fui muito empolgado com cada projeto e satisfeito com cada resultado, mas tudo mudou. Em 2018 a minha criatividade desapareceu. Como um designer pode viver sem criatividade? E uma tempestade de novos pensamentos estranhos estavam na minha mente. Eu sentia que a minha cabeça queimava.

Image for post
Image for post
Autor: Vlad

Por que a minha cabeça estava queimando?

Essa pergunta foi a mais dolorosa, a mais difícil de responder. Talvez posso dizer que foi a que custou mais caro, não só financeiramente, mas profissional, pessoalmente e biologicamente. Quando a mente queima, os nossos neurónios morrem e não há volta. O sentimento de fracasso e falta de esperança destroem-lhe dia após dia. É como abrir uma tela em branco no início do dia e chegar ao final do mesmo e ela ainda permanecer em branco. Para mim isso foi o famoso Apocalipse, tão temido, tão cruel. O que fazer? Eu questionava-me isso todos os dias e a resposta ainda era uma tela em branco. Foi aí que eu pedi ajuda e fui diagnosticado com burnout.

O que é burnout?

É uma síndrome que não escolhe a vítima. Pode-se dizer que é um inimigo invisível atacando como um serial killer. Ela não escolhe cor, status social, profissão nem nada, ela ataca quando ultrapassamos os nossos limites. Ultrapassei os meus limites e não quero que você ultrapasse os seus. A síndrome de Burnout ou também conhecida como síndrome do esgotamento profissional é um distúrbio emocional. Este distúrbio é resultado de trabalho desgastante, que demandam muito mais do que a nossa capacidade. Sabe aquele projeto que é para ontem? Então, ele precisa mesmo ser para ontem? Muitos profissionais sofrem disso, sendo médicos, enfermeiros, jornalistas e também designers entre tantos outros. Qualquer pessoa pode ter. Tenho e espero que você não tenha. Essa síndrome pode criar uma depressão profunda e levar a casos extremos e até inimagináveis. Tive esta dor e acredite, não há colo que a acalente.

Quais são os sintomas?

Para mim tudo começou em 2014. Final de faculdade, trabalho de conclusão de curso. Eu com a brilhante ideia de abrir uma agência de design e ainda eu era o presidente do diretório central dos estudantes. Ou seja, muito trabalho sem nenhuma necessidade. A minha rotina era muito intensa, tinha início às 7h da manhã, mas sempre terminava na madrugada do próximo dia, ou seja, eu dormia pouco, umas 4 a 5 horas por dia e aí está o primeiro sintoma o meu sono estava desregulado. Com 22 anos não sentia diferença nenhuma entre dormir 4 horas ou 8 horas. Para mim, mais tempo acordado, mais coisas eu poderia fazer. Essa era a lógica Agora imagina o resultado disso depois de alguns anos? Outro sintoma que tive foi alteração no apetite, sim, num ano engordei 20 kg e ultrapassei a casa dos 3 dígitos na balança. Tudo normal, eu pensava: “adiciona uma atividade física, uma dieta nova e os 20 kg vão embora”. Continuava a trabalhar de manhã, à tarde, à noite e às vezes de madrugada. Chegou um certo período que as 4 horas de sono se tornaram 3, depois 2, às vezes eu nem dormia e aí a insónia ganhou força. Eu deitava na cama, fazia o ritual todinho para dormir, mas minha mente não parava. A atividade cerebral era tanta que eu via a tela do photoshop aberta numa projeção mental e eu interagia com ela. Quando eu não dormia uma noite, no outro dia estava tudo bem, mas quando era duas noites seguidas tinha dores de cabeça muito fortes e muita dificuldade em concentrar-me em qualquer coisa. Adivinha qual era o pensamento para responder estes sintomas? “Só preciso dormir e tudo passa”, mas novamente estava deitado na minha cama e não conseguia dormir. Aí começou o sentimento de derrota, de fracasso e insegurança, pois os meus projetos começaram a atrasar. Fiquei negativo, muito cansado. Não tinha força para ir buscar um copo de café. Comecei alterar o meu humor e a isolar-me. Tudo no começo eram sintomas leves, fáceis de serem contornados, mas chegou uma hora que não tinha mais como vencê-los. Estes foram alguns dos meus sintomas, existem outros que deixarei no seguinte link: https://saude.gov.br/saude-de-a-z/saude-mental/sindrome-de-burnou (todos os sintomas segundo o ministério da saúde).

Como eu disse, ignorei os primeiros sinais do burnout , pois, achava que não era nada. É como uma pequena bola de neve descendo uma linda montanha que aos poucos cresce, sem você perceber e quando chega a base da montanha já se transformou numa avalanche. Se você, ou um amigo seu, seja qualquer um tiver qualquer um dos sintomas que comentei, procure ajuda e não espere a avalanche chegar. Quanto mais cedo for diagnosticado, mais fácil será a cura. Se você chegou até aqui e não tem nenhum sintoma, nada mesmo, confira a sua rotina mesmo assim. Confira o seu trabalho e previna-se. Isso vai trazer muito mais qualidade de vida para você.

Diagnostico e tratamento

Este post não vai dizer que você tem ou não burnout, ou em que nível ele está. Somente um profissional da área da saúde como psiquiatras, psicanalistas e psicólogos podem de fato fazer o diagnóstico. Se você tem dúvidas, procure ajuda, mas procure ajuda especializada e que realmente entenda de burnout. Lembro ainda hoje do dia em que recebi o meu diagnóstico, para mim, foi o pior dia. Eu já estava consolidado no mercado e a minha psicológica foi clara: “você tem até domingo para pedir demissão e entrar de férias forçadas por tempo indeterminado”. Cada caso é um caso, alguns ainda conseguem trabalhar e precisam de semanas de pausa e está tudo bem, já no meu caso a multa foi maior. O meu corpo e a minha mente cobraram-me quase um ano e meio de férias forçadas, sem poder trabalhar, sem poder se designer. Foi doloroso, confesso, mas era isso ou nunca mais poderia trabalhar no que mais amava. Como digo, cada caso é um caso, cada paciente tem uma resposta diferente e precisa de um tratamento diferente. O meu foi parar de trabalhar, parar o meu mestrado, parar tudo e mudar completamente a minha vida. Tive que mudar hábitos, tomar medicações, fazer inúmeras terapias, meditações e muito mais.

O burnout quase destruiu-me, quase matou-me. Fui salvo nos últimos minutos, poderia ter morrido com isso. Tudo aconteceu, pois, eu era alguém que tinha um sonho como qualquer um, mas passei dos limites do meu corpo e ainda o ignorei todas as vezes em que ele chamou a minha atenção. Este post é um alerta de quem já sentiu a dor de ter a mente queimando. Quero compartilhar com você este alerta. Cuide-se. Se você já tem algum sintoma, peça ajuda! Se não os tem: monitore, veja a sua rotina. Compartilhe isso com o seu team leader, amigos e qualquer um. Não vamos deixar o burnout matar a nossa criatividade, não vamos deixar o burnout matar ninguém.

OutStress

Stress e burnout

Medium is an open platform where 170 million readers come to find insightful and dynamic thinking. Here, expert and undiscovered voices alike dive into the heart of any topic and bring new ideas to the surface. Learn more

Follow the writers, publications, and topics that matter to you, and you’ll see them on your homepage and in your inbox. Explore

If you have a story to tell, knowledge to share, or a perspective to offer — welcome home. It’s easy and free to post your thinking on any topic. Write on Medium

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store