3 Nações que (Quase) não existem

O conceito de Micronações existe a um bom tempo, vide o Vaticano e o Principado de Mônaco, mas esses três listados aqui tem uma existência tão complexa que muita gente nem os enxerga como Nação.

Bitnation

A Bitnation é um FrameWork para a criação de nações descentralizadas 100% virtual e sem território onde toda a sua legislação, registros civis e comerciais estão registradas em uma estrutura de Blockchain.

Trocando em miúdos, é uma plataforma que proporciona que pessoas façam negócios e se organizem de forma descentralizada e de comum acordo sem que existe a intervenção estatal de nenhum dos países onde as pessoas vivam de fato.

Tudo fica registrado lá, sua população, assim como acordos comerciais, registros de casamento, nascimento, vendas de imóveis e tudo mais que seja considerado “burocrático” para a existência e manutenção de uma nação organizada.

Como a Bitnation não tem um território, qualquer pessoa em qualquer lugar pode se registrar e se tornar membro de uma destas nações, começar a viver, interagir e fazer negócios como um “cidadão” na Bitnation.

Os Ancap fica feliz.


Argardia

Esta nação quer ter um território e ele é o Espaço, sim esse mesmo, a “Fronteira Final”. O objetivo dos criadores de Asgardia é criar uma legislação que garanta paz e conhecimento para a humanidade no espaço. Pois é, já tem gente querendo Estatizar o espaço, os “Ancap” chora.

E parece que a coisa é séria, pois eles tem Bandeira Oficial, Brasão, Hino e tudo mais. Começaram enviando um satélite com todas as informações sobre a nação e seus cidadãos, e a intenção é ir progredindo no avanço desta nação até o dia em que seja contruído um Stanford Torus pra essa galera em órbita geoestacionária.

Não se sabe de onde vai sair o financiamento para mandar gente para viver no espaço, alias, porque mandar gente para viver na órbita da Terra e não na Terra onde a possibilidade de sucesso é maior? Se for para escapar, que seja para outro sistema, mas enfim.

Uma curiosidade, as imagem de divulgação de como seria a vida fora da terra lembram muito aqueles folhetos de Testemunha de Jeová!


Sealand

O Principado de Sealand é o auto-entitulado menor país do mundo, o que gera controvérsias, uma vez que quase nenhuma nação reconhece a soberania da Sealand.

O território do país consiste em uma Base Naval (sim, você leu direito) que foi construída pelo Reino Unido durante a Segunda Guerra Mundial e que posteriormente foi abandonada. Como a base está situada em Águas Internacionais e longe da legislação de qualquer país, ele foi ocupado por seu fundador e familiares, e ninguém pode fazer nada a respeito.

Uma das maneiras com que Sealand consegue sobreviver financeiramente, é vendendo títulos de Nobreza entre outras coisas.

Sealand possui uma população de aproximadamente 30 pessoas, tem seleção de futebol, e inclusive já sediou uma Meia Maratona. True Story!

Recentemente o Príncipe Herdeiro do país demonstrou interesse em vende-lo, afinal imagino que seja difícil administrar um país por menos que seja. Houve até um interesse de compra pelo Pirate Bay, porque…bem, sem legislação, sem problemas, certo?

E se você pensa que essa coisa de Micronações é coisa de uma meia dúzia de gente maluca que não tem o que fazer, dá só uma olhada nessa “Listinha”.

BlogdoPlastico

Scientific guy, IT guy, Evernote Ninja, BuJo Evangelist, Husband, Father, Photographer, Filmmaker, Runner

Plastico

Written by

Plastico

Nullius in Verba

BlogdoPlastico

Scientific guy, IT guy, Evernote Ninja, BuJo Evangelist, Husband, Father, Photographer, Filmmaker, Runner

Welcome to a place where words matter. On Medium, smart voices and original ideas take center stage - with no ads in sight. Watch
Follow all the topics you care about, and we’ll deliver the best stories for you to your homepage and inbox. Explore
Get unlimited access to the best stories on Medium — and support writers while you’re at it. Just $5/month. Upgrade