O Descobrimento do Brasil

Crônica de Toinho Castro para a Blooks Livraria

Como descobrir o Brasil? Porque descobrir o Brasil é uma tarefa cotidiana. Um país, uma nação, não é uma coisa congelada, imutável. Está em constante transformação e movimento, muitas vezes mesmo em ebulição. Para descobrir o Brasil a cada dia há muitos caminhos. Um deles, sem dúvida é a leitura.

Os livros, e nem falo dos livros didáticos, são o registro dessas transformações. Cada pessoa que escreve, traz um recorte, muitas vezes particular, mas também coletivo da vida que o cerca. Mesmo sua vida interior é iluminada por tudo que acontece ao seu redor. Escrever é interpretar o mundo, os anseios multiplicados das gentes, é traduzir sentimentos e fazer perguntas. Questionar os modelos que vão se estabelecendo e propor outras direções. Quando a gente lê um livro, está exposto a tudo isso. Os livros nos ajudam a expandir o sentido de Brasil, de país. Virando as páginas de um Guimarães Rosa enveredamos sertões sem fim, chegando às plantações de cacau da Bahia de Jorge Amado para, por fim, abrir a porta do quarto de despejo de Carolina Maria de Jesus; dos escritores das mais profundas tradições aos jovens que despontam suas ousadias literária, reinventando as mesmas tradições, reconfigurando a língua e o estar no mundo; tudo isso sem sair do Brasil, na verdade entrando cada vez mais profundamente nisso que chamamos de país. Como se as ondas de Ipanema quebrassem em Taperoá.

Um país que não é meu, nem seu, mas de um pertencimento plural.

Está nos livros o sinal dessa diversidade. Vá numa livraria, na Blooks, e procure escutar as tantas vozes falando num português que você pode reconhecer, dos mais variados pontos do país, do Acre, de Pernambuco, do Paraná… por meio da literatura. Homens, mulheres, crianças, adolescentes, com suas vivências e perspectivas espalhadas nas páginas. gente que nasceu na mesma cidade que você, no seu bairro, gente errante que não tem pouso, mas todos com essa voz que nos é familiar. O conjunto dessas vozes é o Brasil.

Então, pelo instrumento da leitura, a gente se encontrar e se reencontrar com o que parecia perdido, o Brasil brumoso dos nossos avós e a utopia. Ler o Brasil é como abrir uma caixa e dentro encontrar outra caixa, com mais uma caixa dentro e assim indefinidamente, sempre nos surpreendendo e ensinando.

Esse texto foi escrito no dia do descobrimento do Brasil. Que é todo dia.