Botafogo de Futebol e…

“Noutros esportes tua fibra está presente”, diz trecho do hino do Botafogo de Futebol e Regatas. O hino alude à tradição do Botafogo de sempre se destacar em outros esportes, chegando ao ápice em 1962, quando sagrou-se campeão de terra, mar e ar, vide o excelente texto de Rui Moura no blog Mundo Botafogo, O campeão de terra, mar e ar e dos pés à cabeça. O Club de Regatas Botafogo, fundado em 1894, faz o Botafogo o clube mais antigo do Rio e nos deu a Estrela Solitária. Parte dessa bela história pode ser novamente no Mundo Botafogo, Club de Regatas Botafogo, os anos mágicos do remo.

Remo do Club de Regatas Botafogo
O basquete está na história do Botafogo de Futebol e Regatas, pois foi a morte do jogador Armando Albano, do Botafogo Football Club, faleceu em quadra durante jogo contra o Club de Regatas Botafogo, ensejando a fusão dos dois clubes em 1942, como contou em 2012 o Globoesporte.com em Unidos pela dor: fusão do remo e futebol do Botafogo completa 70 anos.

Foto tirada na partida da fusãoO Botafogo também tem belas páginas no vôlei de Bebeto de Freitas, no pólo aquático, na natação e até no atletismo, com a lendária Aída dos Santos, dentre outros.

Aída dos Santos saltando pelo Botafogo

A Realidade Atual

Entretanto, tudo isso numa época em que os esportes olímpicos eram praticamente amadores, e que mesmo o futebol ainda movimentava recursos relativamente modestos. Atualmente, manter esportes olímpicos, que hoje são mais caros e geram alto custo anual mesmo quando não competitivos, torna-se proibitivo.

Em 2015, de janeiro a outubro, o remo do Botafogo gastou R$ 1.448.126 e teve receita de R$ 201.816, enquanto os demais esportes (esportes gerais) gastaram R$ 1.747.740 e tiveram receita de R$ 1.235.485. O déficit total do remo e dos esportes gerais nos dez primeiros meses de 2015 foi de R$ 1.758.565. Se contabilizarmos novembro, dezembro e o décimo-terceiro dessas áreas, teremos grande parte do valor necessário para evitar o atraso de salários ocorrido no final de 2015, que obrigou o clube a buscar recursos no mercado, aumentando as perdas.

Fonte: torcedores.com
O futebol foi, é, e sempre será a atividade principal do Botafogo. É o que faz do Botafogo um grande clube nacional. Nos dias de hoje, endividado, pressionado por todos lados (fiscal, trabalhista, cível), num futebol que envolve valores astronômicos, com concorrentes diretos com maior poder econômico, está muito difícil para o Botafogo manter o futebol em condição competitiva e sustentável.

Na situação por que passa o Botafogo, o clube deve fazer como qualquer empresa que atravesse uma grave crise, que é abrir mão de todas as atividades secundárias e dedicar absolutamente todos os seus recursos (humanos, materiais, administrativos, patrimoniais, tempo, etc.) exclusivamente para o futebol. Nesse contexto, precisamos abrir mão até do remo, aproveitando a reforma estatutária para retirar a obrigatoriedade das regatas. Uma vez saneado o futebol, pode voltar a diversificar em outros esportes.

Ainda que alguém com verba para financiar pontualmente alguma modalidade esportiva, não seria interessante para o clube, pois ainda demandaríamos pessoas, tempo, recursos patrimoniais e administrativos para tal esporte. E qualquer recurso dedicado a outro esporte é recurso a menos dedicado ao futebol. A desativação dos outros esportes extinguiria duas vice-presidências, a de Remo e a de Esportes Gerais, enxugando a estrutura administrativa do clube.

O ex-presidente do Supremo Tribunal Federal Carlos Ayres Britto certa vez argumentou contra a transposição do rio São Francisco dizendo que “paciente terminal não doa sangue”. O futebol do Botafogo, e por consequência o próprio Botafogo como clube relevante, é um paciente terminal que não pode doar o que não tem para os outros esportes.

O Botafogo precisa tomar decisões importantes, embora nem sempre populares, se quiser voltar a ser protagonista em nível nacional e internacional. Uma delas, urgente, é que o Regatas seja apenas parte do nome, pela tradição, mas que na prática o clube seja Botafogo de Futebol e… Futebol.