Construa Chatbots para pessoas, não para máquinas

Bruno Brandes
May 16, 2017 · 3 min read

Se você está desenvolvendo seu chatbot, provavelmente você espera que muitas pessoas o utilizem e que elas prefiram a experiência de utilizá-lo, ao invés de outras interfaces.

Apesar de ser essa a intenção dos botmakers, muitas vezes, isso não acontece na prática.

Pessoas utilizando chatbots.

Na última semana, escrevi sobre a importância de definir metas para seu chatbot, e isso inclui, ter claro qual o propósito dele, ou seja, qual o problema do usuário você espera resolver?

Te convido a refletir, na perspectiva da experiencia dos usuários, se o chatbot que você conhece ou desenvolve, está sendo desenvolvido para pessoas.

Design de conversa #1:

design de conversa para máquinas

Design de conversa #2:

design de conversa para pessoas

A primeira interação entre o usuário e o chatbot é determinante para uma boa experiência do usuário.

Se você inicia a interação com seu usuário, como no primeiro (#1) exemplo de design de conversa , enviando uma pergunta aberta, e o seu chatbot tem várias opções do que fazer, as chances dos usuário adivinha-las é quase zero.

Você precisa fornecer pistas importantes de navegação, assim como no segundo (#2) exemplo de design de conversa, para que os usuários entendam intuitivamente como ele “funciona”.

Como assim? Claro que não, eu utilizo inteligência artificial!

Essa é a resposta que tenho ouvido com frequência quando questiono se o chatbot esta sendo feito para pessoas ou para máquinas.

Tem muitos botmakers preocupados com o quão inteligente é seu chatbot, qual a capacidade dele em processar linguagem natural,

Pergunta enviada a @aliceseguros.

se ele utiliza aprendizado de máquina ou qual linguagem de programação foi usada para desenvolve-lo.

Naturalmente, um chatbot pode incluir esses recursos se eles são necessários para resolver os problemas para o qual ele é projetado.

Se essas “features” são as prioridades do seu chatbot, tenho uma notícia pra você, seu chatbot esta sendo desenvolvido para máquinas e não para pessoas.

Quem gosta de código é máquina.

Os usuários não se preocupam com nenhuma dessas coisas. Portanto, garantir uma grande experiência do usuário deve ser a sua prioridade número um.

Não desconsidere as lições aprendidas com décadas de criação de UI e entrega de UX para aplicativos e sites.

Sempre que estiver na dúvida se você está colocando a experiência do usuário em primeiro lugar, dê um passo a trás e pergunte a si mesmo as seguinte perguntas:

  • O chatbot resolve o problema do usuário com o número mínimo de etapas❔
  • O chatbot resolve o problema do usuário de uma forma mais fácil e rápida do que outras interfaces alternativas❔
  • O chatbot é executado nos canais e plataformas que seu usuário está presente❔
  • Os usuários sabem de forma natural, o que fazer quando interagem com o seu chatbot

Então lembre-se: seu chatbot pode ser bom de papo, pode até fazer boas piadas e utilizar as tecnologias e frameworks mais avançados do mercado mas, a menos que ele resolva os problemas que seus usuários precisam resolver, esses recursos podem contribuir muito pouco para que ele seja “adotado” pelas pessoas 👥.

E você, está fazendo seu chatbot para pessoas ou para máquinas?

Curtiu esse conteúdo?
Recomende ele para que outras pessoas tenham acesso 💚.

Thanks to Rafael Pacheco

Bruno Brandes

Written by

Software & Product Developer

Bots Brasil

Conectamos pessoas e compartilhamos conteúdos relacionados à Bots, Inteligência Artificial e Interfaces Conversacionais em Português.

Welcome to a place where words matter. On Medium, smart voices and original ideas take center stage - with no ads in sight. Watch
Follow all the topics you care about, and we’ll deliver the best stories for you to your homepage and inbox. Explore
Get unlimited access to the best stories on Medium — and support writers while you’re at it. Just $5/month. Upgrade