Suas habilidades como programador.

Como é ser programador: uma comparação cotidiana.

Ou: trabalhar com programação; todo mundo quer mas ninguém sabe exatamente o que vai encontrar quando conseguir.

Vou resumir, de forma cotidiana, como é, mais ou menos, trabalhar no desenvolvimento de software em alguns dos muitos projetos e empresas que existem por aí.

Primeiro, basicamente, você manda o seu currículo para uma empresa — qualquer uma — onde consta que você pode fazer cadeiras usando um martelo, pregos e uma serra manual. O responsável lê esse currículo e acha legal, te chama pra entrevista e você, tentando ser honesto sobre suas qualificações, reforça que faz cadeiras de madeira com pregos e serra manual. A pessoa te explica que ali eles costumam usar uma serra elétrica circular para fazer as cadeiras, e alguns parafusos. Você acha que está tudo bem, afinal só mudou a serra e o modo como fixar as coisas, e aceita o emprego dizendo que apenas precisaria de algumas semanas para aprender, quem sabe, a fazer cadeiras com uma serra circular, o que parece ótimo segundo o gerente.

Você inicia no emprego e no primeiro dia lhe dão uma serra a laser, elásticos e cola, junto de uma documentação de 900 páginas sobre como fazer mesas. Você argumenta que mesas e cadeiras são diferentes e que pode não ser tão simples assim fazer uma mesa. Seu chefe lhe diz que é quase a mesma coisa, tudo é feito de madeira, e o que você só precisa aprender a usar a serra a laser. Para facilitar o processo ele destaca um colega de trabalho para lhe ajudar a entender a sua serra nova. Porém, o colega de trabalho só sabe usar serras tico-tico e reclama que, quando ele iniciou no projeto da mesa, eles usavam essas serras e tudo funcionava. Você desiste da ajuda do colega e começa a ler a documentação sobre mesas. Seu chefe lhe diz que precisa entregar, pelo menos, a mesa e uma cadeira amanhã de tarde e que pra isso vai deslocar toda a equipe para te ajudar. A equipe tem três pessoas, incluindo você, e nenhum sabe fazer mesas com serra a laser. Vocês então fazem uma mesa de centro e uma cadeira com três pernas, as quais entregam pro chefe, e ele acha ótimo, afinal, é quase o que foi prometido. Na próxima semana, porém, o chefe lhe pede que refaça a mesa de centro e a cadeira de três pernas porque agora o novo escopo pede uma mesa de oito lugares e dez cadeira — duas extras — até o final da semana.

Você então corta um braço com a serra a laser, perde três dedos passando cola — coisa que nem você sabe como aconteceu — e fica cego com o elástico. E, no final, só consegue entregar uma mesa de 3 lugares, redonda, e duas cadeiras de três pernas. O chefe fica brabo e diz que, de agora em diante, você precisa entregar o que ele pede, e aproveita pra mudar o projeto pedindo uma mesa de dezoito lugares e nove cadeiras — para ter mais espaço na mesa.

Você então se demite e vai vender sanduíche natural na praia.


Like what you read? Give Paulo Pilotti Duarte a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.