Blue Jay (2016) de Alexandre Lehmann

Solitude

(Oi, Sumido)

Personagens adormecidos,
Cenas refeitas,
Seu nome pisca para mim
- em negrito

No calar da noite, relembro bons tempos
Eu tinha me esquecido de você
Parece que aconteceu em outra vida

Lembrei das mãos dadas,
Nossas conversas,
De quem eu era
De quem eu achava que viria a ser

Eu não sei se toma café,
 — expresso.
Se ainda lê Machado,
Frequenta aquele cinema de rua
E continua a ouvir Mahler

Está tarde, estou nostálgica,
Aqui, em frente a esta tela,
sutilmente, matuto um jeito de falar com você.

Depois de tantos anos
Vou dizer o quê: oi, tudo bem, como vai você?
Ou vou pedir perdão pela última frase dita,
Será que o crime prescreveu?

Amanhã, estaremos a um quarteirão de distância
Vejo pelos seus eventos,
Vou fazer check-in

E assim,
Falará comigo.

Não.
Esquece.
Curtirei todos os seus posts

E assim,
Falará comigo.

Se bem que
Sempre foi meio desligado,
Será que vai notar?

Silenciarei esta ideia,
Sem pé nem cabeça

Insano, achará que estou interessada.
(em minha singeleza)
Só queria conversar
Saber o que achou do filme
Blue Jay

Senti uma certa saudade
de você
da época
e de mim.

Shh…
sussurro

Salvo-me do passado
Segredo de quem foi
De quem fui.

Silenciosamente,
Apago a tela.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Bruna Martins’s story.