NBA — Semana 17: Balanço do período de trocas

Toronto Raptors, Dallas Mavericks e Oklahoma City Thunder são os grandes vencedores

Montagem: Heitor Facini/Buzzer Beater

É meus amigos! O período das trocas está fechado na NBA. Quem fez fez, quem não fez não faz mais. Mas quem ganhou com isso tudo? Vou tentar dar uma analisada em que efeito a troca pode ter nos times que a fez.

As novas duas torres

Sacramento Kings recebe: Buddy Hield (SG), (SF) Tyreke Evans, (PG) Langston Galloway, escolha de primeira rodada de 2017 do Pelicans e escolha de segunda rodada de 2017 do pelicans
New Orleans Pelicans recebe: DeMarcus Cousins (C ), Omri Casspi (PF)

Quais os motivos para o Kings fazer essa troca? Olha, aqui o interessante é fazer um exercício de imaginação. O que Vlade Divac tinha na cabeça quando trocou seu melhor jogador,que queria renovar com a equipe, por um punhado de balas e três brigadeiros.

Analisando estritamente os jogadores. Langston Galloway não é um jogador que pode fazer diferença na equipe e no futuro. Tyreke Evans teve seu momento de maior brilho quando jogava pelo Sacramento e foi rookie do ano com 20.1 pontos, 5.3 rebotes e 5.1 assistências. Mas, foi só na primeira temporada. Ele é mais um dos casos de rookie que não continua a jogar o mesmo. Além do fato dele ser de vidro.

Buddy Hield, que segundo o dono do Kings, Vivek Ranadive, é um novo Stephen Curry, é talvez o mais interessante no pacote. É novo, tem um bom potencial realmente e tendo mais responsabilidades pode vir a crescer. Mas, vem decepcionando (como aliás toda a classe de rookies deste ano). Tido como um excelente shooter na última temporada do college (ressalto que apenas na última temporada ele virou), ele tem média de apenas 8.6 pontos e porcentagem de field goal de apenas 39% e 36% da linha de três. Mas, ainda tem o valor de potencial.

Quanto às picks, temos um dos melhores drafts dos últimos anos (ou pelo menos é o que dizem), ou seja, são sempre um bom valor. Mas, o que motivou a troca com certeza foi dar uma resetada na bagunça que o Kings vem sendo. Se continuassem com Demarcus Cousins, provavelmente renovariam com ele. Com o novo CBA, existe uma regra que permite a equipe renovar com um atleta que foi formado lá por um valor excepcionalmente alto e acima do que era permitido. Cousins seria um dos primeiros a poder receber esse valor. E com certeza ele pediria para renovar com esse valor. Vlade Divac, o GM da equipe, pensou que não seria interessante renovar com o pivô por uma boa porcentagem do Cap e comprometer o futuro da franquia por quase uma década.

Quais os motivos para o Pelicans fazer essa troca? Isso é meio óbvio: unir os dois melhores homens de frente da NBA no mesmo time. Não tem segredo. Eles sabem que tem a estrela que uma equipe sempre busca em todo lugar com Anthony Davis. Cousins chega para somar a isso. Forma, pelo menos em teoria, o melhor garrafão de toda a NBA (e talvez o melhor desde David Robinson e Tim Duncan). Perder nesse caso um rookie com potencial, um cara errante e um reserva não são algo tremendamente grande. As escolhas podem fazer falta, mas, no fim, ter um cara como Cousins pode ser útil.

Pensando em como eles poderiam funcionar, acredito que Anthony Davis, como já declarou preferir, será o Ala Pivô e Cousins o Pivô. Mas, em geral, vejo que como ambos podem jogar dentro e fora do garrafão, a troca de posições seja constante. Ambos serão ala-pivô e pivô. Conforme a necessidade de jogo isso pode mudar. E é isso que transforma o jogo deles em algo tão interessante.

Óbvio que isso é tudo teoria, os dois vão ter de ceder no jogo com a bola nas mãos para funcionar e ao redor temos apenas Jrue Holiday como algo interessante. Mas já é um ganho.

Quem venceu? Olha, eu tentei entender o que passou pela cabeça de Divac e isso faz sentido, mas, obviamente quem se deu melhor foi o Pelicans. Você tem os dois melhores homens de garrafão na liga, dois all-stars. Pode ser que Cousins não renove pra frente, que ele no fim não dê tão certo como se imaginava, que ele seja o “câncer” no vestiário do Kings, mas vale e muito a tentativa. O que se perdeu, a princípio não pareceu que chegasse perto ao que recebeu.

Para ver como as coisas são problemáticas, Buddy Hield e Tyreke não são confiáveis, Galloway menos ainda. Tudo bem, você recebe picks num draft bem interessante, mas, é bem provável que o Pelicans consiga uma vaga nos playoffs, ou seja, nem picks de loteria serão. E você perde o melhor pivô de toda a liga. Pode ser que Tyreke volte a uma temporada de 20–5–5 e não tenha mais lesões, que Hield seja um novo Curry (o que pode se entender que terá várias lesões nas próximas temporadas até deslanchar) e que o Kings consiga fazer um steal no Draft do ano que vem. Mas, não é provável.

Aliás, quem fica feliz é o Sixers. Sem Cousins provável que o Kings caia muito. E o time de Philadelphia tem o direito de trocar escolhas com o Kings. Pode ser que Embiid e companhia sejam os grandes vencedores dessa escolha.


Raptors derrubando o Cavs?

Toronto Raptors recebe: Serge Ibaka (PF)
Orlando Magic receive: Terrence Ross (SF), escolha de primeira rodada de 2017 do Raptors

Quais os motivos para o Raptors fazer essa troca? No elenco do Toronto, a posição mais fraca de longe era a de ala-pivô. Isso é resolvido com essa troca. Ibaka pode não ser há um bom tempo o excelente pontuador que já foi e não dar mais os tocos adoidados que dava. Mas, mesmo com apenas seis meses de contrato, era uma das melhores opções para conseguir fortalecer ainda mais esse Raptors. Ainda dizem que as possibilidades de renovação são grandes, então ponto positivo para o Raptors nessa. Assim, se parar para analisar, o time consegue melhorar bem seu time principal. Não há mais pontos fracos. Com uma defesa boa e também opção para pontuar, o time fica mais profundo. O elenco também, pois não há a pressão de ser titular para Siakam e Bebê.

Quais os motivos para o Magic fazer essa troca? Basicamente arrumar a cagada que fez na pré temporada. Ibaka é bom, mas não serve para ser a âncora de um time. Nem vale o esforço de trocar Sabonis, Oladipo e Ilyasova. O contrato ia acabar no fim da temporada e não valia a pena renovar. Agora Aaron Gordon, que ainda é a grande aposta da franquia, pode ir para a posição de ala-pivô, que é onde ele rende mais, e Ross assume a posição de ala. O prejuízo foi diminuído.

Quem venceu? Mais uma vez, obviamente o Toronto. Não há mais buracos no seu time principal, com jogadores no mínimo bons em todas as posições. O time pode acabar criando-se como uma força para parar o Cleveland. O Orlando Magic basicamente trocou uma 11ª escolha, Oladipo e Ilyasova por Terrence Ross e uma escolha maior que a décima primeira. Talvez, consigam dar uma amenizada na burrada que fizeram e melhorar a equipe. Mas obviamente, Toronto sai fortalecido.


Toronto Raptors recebe: PJ Tucker (SF)
Phoenix Suns receive: Jared Sullinger (PF), escolha de segunda rodada de 2017 do Raptors e escolha de segunda rodada de 2018 do Raptors

Quais os motivos para o Raptors fazer essa troca? Melhorar o banco obviamente. O dono da posição é DeMarre Carroll, mas, o Rockets perderam com Ross um substituto. Aliás, levando em conta a função defensiva que Carroll tem dentro de quadra, Tucker vai ter uma atuação mais interessante já que é uma excelente força defensivamente e vem tendo um excelente desempenho vindo do banco.

Quais os motivos para o Suns fazer essa troca? Se livrar de um reserva com contrato expirante e ainda conseguir 2 escolhas de segunda rodada do Draft, é simples.

Quem venceu? Empate. Toronto sai melhor porque o time em si já é melhor, nada além disso. O Suns conseguiu duas escolhas em cima de um contrato expirante que já é lucro. O único problema aqui é que o Suns já tem promessas de mais. Dentro desta Free Agency poderia ter sido mais agressivo e buscado algo a mais (assim como Boston e Denver).


Melhoras para o banco

Houston Rockets recebe: Lou Williams (PG)
Los Angeles Lakers receive: Corey Brewer (SF), escolha de primeiro round de 2017 do Rockets

Quais os motivos para o Rockets fazer essa troca? Descansar James Harden e Patrick Beverley. É impossível um momento em que algum dos dois não esteja em quadra e Harden vem jogando 36.6 minutos por jogo. Lou Williams é junto de Eric Gordon, do também Houston Rockets, os melhores sextos homens da temporada. O banco do Houston fica bem mais potente com essa ação. E Lou Williams consegue criar o seu próprio chute, consegue mandar bem de longa distância e também tem um bom drible. Não, ele não é um James Harden, mas, nesse caso tem algumas características que se assimilam e faz com que a unidade e homogeneidade do time. Houston cede sua escolha, mas que na verdade será de fim de primeiro round. A equipe quer vencer agora.

Quais os motivos para o Lakers fazer essa troca? Aumentar o número de escolhas e ao mesmo tempo tentar deixar o time pior. Mas ué, pra que deixar o time pior? O Lakers tinha chance de ficar sem nenhuma escolha para o ano que vem. Isso porque sua escolha é protegida top 3, ou seja, só será do Lakers se tiver entre as três melhores. Ou seja, para aumentar sua chance de ter uma das três melhores escolhas o Lakers precisa estar entre os três piores times. Além disso a equipe pensa no futuro e manter um cara como Lou Williams, no alto dos seus 30 anos não parece algo lá muito vantajoso. Ele vinha tendo uma das melhores temporadas da carreira, o que se tornava um caso de se trocar agora ou nunca mais. Corey Brewer tem mais um ano de contrato e não melhora o time significativamente. Não duvidaria se ele saísse da equipe e fosse colocado como livre para negociar e o transformasse em um agente livre.

Quem venceu? Rockets. Simplesmente porque Lou Williams valeria mais do que uma escolha de final de primeiro round. O Houston consegue melhorar o seu banco que já vinha bem e ao mesmo tempo descansar sua principal estrela. É uma boa e pode fazer com que o desempenho da equipe cresça.


Washington Wizards recebe: Bojan Bogdanovic (SF), Chris McCullough (SF)
Brooklyn Nets recebe: Andrew Nicholson (PG), Marcus Thornton (PG), escolha de primeiro round de 2017

Quais os motivos para o Wizards fazer essa troca? Os mesmos do Rockets. Na verdade o Washington tentou fazer a mesma troca que o próprio Rockets. O objetivo principal era de longe Lou Williams, mas não rolou. Foram atrás do Brooklyn e conseguiram Bogdanovic. O time titular do Wizards é bom e tem peças boas em todas posições. Mas o banco precisa de profundidade. E como escolhas de draft, levando em conta a campanha do time, não serão tão excelentes assim, é uma boa levar um Bogdanovic.

Quais os motivos para o Nets fazer essa troca? Conseguir escolhas de Draft. O Nets está no limbo. Tem um time bem fraco e não tem escolhas interessantes para os próximos anos. Precisa sim de quanto mais escolhas conseguir. Não se assuste se mais uma boa parte do time seja trocada antes do próximo draft.

Quem vence? Empate. O Wizards dá uma escolha melhor que por exemplo o Rockets deu ao Lakers e Bogdanovic não é uma melhora tão boa quanto Lou Williams é. Na verdade aqui os dois conseguiram seus próprios objetivos na troca.


Philadelphia segue o processo

Atlanta Hawks recebe: Ersan Ilyasova (PF)
Philadelphia 76ers recebe: Tiago Splitter (C ), escolha de segundo round de 2017 do Miami e escolha de segundo round de 2017 do Atlanta

Quais os motivos para o Atlanta fazer essa troca? Oportunidade de negócio e se livrar do contrato de Splitter. Trocas de segundo round não vão fazer diferença no Atlanta que o processo de Tank não é tão grande e conseguem um bom reserva por seis meses. Se der certo renova, se não, adeus.

Quais os motivos para o Sixers fazer essa troca? Ilyasova era no início uma boa alternativa a pontuação, mas acabou caindo de produção. O contrato acaba no fim da temporada e o time consegue ainda pegar 2 escolhas de segundo round. Além disso, desafoga o garrafão e libera espaço para Saric evoluir. Quanto à Splitter, bem provável que ele nem seja utilizado e acabe virando agente livre.

Quem venceu? Nessa o Sixers. Se livra de um jogador comum e consegue ainda 2 picks de segunda rodada. Não que o Atlanta tenha perdido, mas, o Sixers leva uma boa vantagem.


Dallas Mavericks recebe: Nerlens Noel (C )
Philadelphia 76ers recebe: Justin Anderson (SG), Andrew Bogut (C ) e escolha de primeira rodada de 2017 (protegida top 18)

Quais os motivos para o Mavericks fazer essa troca? Conseguir um pivô excelente, novo e com muita possibilidade de evoluir. Mark Cuban nunca vai tankar. Nunca. E Nerlens é um jogador que vale a pena na troca feita.

Quais os motivos para o Sixers fazer essa troca? Os mesmos da de cima. Mas, nesse caso receberão um SG (posição carente) e uma escolha de primeira rodada. Absurdamente protegida entre as 18 primeiras posições. Ou seja, olhando o cenário atual, a escolha fica com o Dallas. Ai o Sixers ficaria com duas escolhas de segunda rodada (2017 e 2020). Andrew Bogut será agente livre.

Quem venceu? Mavericks com certeza. O Dallas ganhou um pivô bom, com projeção futura em troca de um que mal jogava. Perdeu Justin Anderson que não era uma peça chave e provavelmente uma escolha de segunda rodada. Negocião. O Sixers perderam um pivô jovem, e, mesmo sem a intenção de pagar uma grande quantia para renovar (já que o contrato expira) receberam muito pouco em troca. Uma troca muito ruim.

O sorriso na cara de Westbrook

Oklahoma City Thunder recebe: Doug McDermott (SF), Taj Gibson, escolha de segunda rodada de 2018
Chicago Bulls recebe: Anthony Morrow (SG), Joffrey Lauvergne (PF), Cameron Payne (PG)

Quais os motivos para o Thunder fazer essa troca? Melhorar os recursos ao redor de Westbrook. Você recebe um jogador extremamente bom nos rebotes com Taj para quando Westbrook errar muitos arremessos ele conseguir recuperar e um bom shooter com Doug para espaçar a quadra para quando Russell conseguir atrair marcação no garrafão. O time tem um jogador muito bom na defesa e um bom no ataque.

Quais os motivos para o Bulls fazer essa troca? É realmente difícil tentar entender o que aconteceu aqui. Bom, todos os contratos podem ser encerrados na próxima temporada. Nenhum dos armadores do Bulls deram certo, mas Payne não tem muita chance de dar também. Olha, diria que o Bulls tá uma bagunça.

Quem venceu? Oklahoma por muito. Não tem nem o que discutir e argumentar aqui.