Paul Millsap em Denver: O melhor companheiro para Nikola Jokic

O ex-ala-pivô do Atlanta Hawks traz experiência ao promissor Nuggets

Sua chegada confere todo um novo leque de possibilidades ao padrão tático da franquia

Em uma Free Agency bastante ativa e cheia de grandes movimentos, um dos mais recentes foi o protagonizado por Paul Millsap. O último titular remanescente do Atlanta Hawks que conquistou a primeira seed da conferência Leste na temporada 2014–15, definiu seu destino em um dos bons times jovens da NBA.

Desde a saída de Kyle Korver no decorrer da temporada que acabou de terminar, ele era o sobrevivente de um verdadeiro desmanche. Jeff Teague, Al Horford e DeMarre Carroll já haviam ido buscar melhor sorte em outros times do Leste. Por um ano, o ala-pivô foi o elo que manteve vivas as energias de uma franquia que não perde a ida aos playoffs desde a temporada 2006–07.

Os antigos companheiros de Millsap, todos foram atrás de desafiar a conferência por times diferentes (Foto: Brett Davis/USA Today)

O novo contrato, de 90 milhões de dólares em três anos, é agora no Denver Nuggets. O que marca a ida de mais uma estrela para o Oeste.

Suprindo necessidades

O time de Mile High City vem procurando uma estrela já há umas boas temporadas. A cada pós-temporada era uma tentativa frustrada. Com a chegada do ala-pivô algumas preces foram atendidas, não com a mesma pompa que um Kevin Durant, mas finalmente alguém de alto nível pra mentorear os mais inexperientes e completar o jogo de Nikola Jokic.

Danilo Gallinari já tem destino garantido em outra franquia, e já tinha seu divórcio com o Nuggets prenunciado. A chegada de Millsap, serviu também para selar essa separação. Eles não estariam dispostos a bancar um iminente salário alto de alguém no qual não previam resultados satisfatórios.

Um ponto, de certa maneira, negativo sobre o novo contratado é que sua posição está superlotada. Kenneth Faried, Wilson Chandler, Trey Lyles, Darrell Arthur, Juancho Hernangomez e o próprio Jokic são os homens de garrafão. E não esqueçamos de Tyler Lydon, escolhido na 24ª posição no draft.

Ou seja, é esperado que se façam algumas negociações para liberar espaço. Os únicos que aparentam ser intocáveis são os dois últimos, afinal Jokic é o pilar da reconstrução e Hernangomez ainda tem lenha para queimar e é uma aposta da equipe. Lydon deve ter algum respiro entre idas para a G-League. Já Chandler até tem seu valor com produção de pontos saindo do banco, mas deve ver os minutos diminuindo se não for trocado.

Pra quê adicionar mais um no bolo do garrafão? Em primeiro lugar, Paul Millsap não é o tipo de jogador que se deixa passar, se desapegar de alguns for necessário, então que se faça! Mas, o determinante mesmo é a caixa de ferramentas que ele traz ao time. Dentre os nomes citados acima temos muitos especialistas, jogadores participam do jogo, normalmente, cumprindo funções muito específicas, ou são jovens que precisam de polimento.

Já o Âncora — apelido dado pelo narrador do Hawks — é completo, muito mais do que vocês esperaria de uma 47ª escolha de draft. Ao longo de 11 anos atuando como profissional ele refinou todas as suas habilidades, tornando-se não apenas um defensor de primeira, capaz de marcar qualquer posição, mas também um chutador de longa distância bastante confiável. Um exímio two-way, exatamente o que Jokic precisa ao seu lado, seja na ala ou na ala de força.

Jogo e estatísticas servindo ao armador de 2,11m

Muitos podem achar que Gallinari era um dos parceiros ideais para Nikola Jokic. Ter um cara de 2,08m, saindo de um corta-luz, e ficando livre para chutar parece essencialmente complementar às capacidades de passar e à visão de jogo do pivô sérvio, certo?

Porém, Gallo na verdade trazia diversas limitações ao time. Algo que ia desde sua incrível lentidão ao fato de ser um ala limitado defensivamente. Muito por isso, Jokic prendia-se a tentar contestar chutes no garrafão, e havia uma taxa de minutos obrigatória para Kenneth Faried, para suprir as transições defensivas lentas do pivô e do ala. Ficava assim uma necessidade imensa de rotação das peças no banco, todos especialistas com prazo de validade no jogo, pois uma hora a marcação adversária se acertava.

Não quer dizer que Gallo não tenha seu valor, teve algumas de suas melhores marcas da carreira. E o próprio Denver somou 40 vitórias, bem melhor do que as 33 da temporada 2015–16. Mas faltava um molho nesse Nuggets para ficar ideal.

E Millsap é justamente esse molho. Antes de causar alguma interpretação errada, não, Millsap não é o homem que levará esse time à final de conferência em dois anos. Ele já tem 32 anos, terá 35 ao final do contrato. Mas, dependendo do desenvolvimento das peças jovens e a possível adição de mais algum jogador confiável, pode existir um futuro brilhante.

O rol de habilidades trazido pelo ala-pivô é bem maior do que um simples stretch-four, ou seja, um cara grande que chuta além do garrafão. Se alguns podem considerá-lo um pouco baixo para a posição ele compensa com um jogo completo em diversos setores.

A começar Millsap é um monstro fazendo pick-and-rolls, sendo o homem do pick claro. Tanto na bola, quanto para jogadores se livrando de marcadores. O segundo por sinal é um deleite para os passes afiados de Jokic, dono de 5 assistências por jogo em 2016–17.

Ele obteve 2.8 screen assistis por jogo — cortas-luz que dão direto para um arremesso convertido — , o número a bem da verdade está longe dos líderes da liga, o próprio Jokic tem mais que ele, 3.5. Mas esse já é um número maior do que os 0.3 por certame de Gallinari poderiam sonhar.

Outro fator a se comemorar sobre a chegada dele, é que Millsap não precisa da bola nas mãos para operar. Sua grande mobilidade para um jogador de 2,03 o possibilita encontrar espaços. Mesmo num Atlanta limitado em talentos, ele se resumiu a apenas 64.9 toques na bola por jogo, menos do que muitos outros pivôs, como Vucevic ou Karl Anthony-Towns.

Ainda na parte ofensiva, muitos de seus 18.1 pontos por jogo — melhor marca da carreira — vieram de pull-up jumpers, que são arremessos efetuados quando um jogador avança, para subitamente e arremessa. Ele foi responsável pelo 11º melhor aproveitamento da liga nesse tipo de chute, convertendo 43.9%, dentre os alas-pivôs, apenas Tobias Harris teve melhor aproveitamento. Uma prova de que apesar de ser um mestre no off-ball, também é uma grande segunda opção para driblar e definir.

O que ele realmente traz ao Denver é a combinação de todas essas completudes ofensivas, com um dos melhores defensores da liga.

Millsap é um carrapato, não larga o osso na marcação, seja no perímetro ou segurando um cara mais alto. Possui músculos e agilidade o bastante para segurar a retaguarda da equipe em todas as posições. Bastaria dizer que ele foi 11º melhor colocado em defensive win shares, uma estatística que expressa numericamente a contribuição defensiva de um jogador para a vitória. Mas há mais.

Ele foi o segundo jogador que mais contestou arremessos na temporada passada. Foram 15.9 por jogo, empatado com Draymond Green e atrás apenas de Kristaps Porzingis. Ele segurava seus adversários a 47.2% dos arremessos. A porcentagem em si não muito expressiva perto dos líderes, mas devemos lembrar que os líderes são atletas que marcavam primordialmente o garrafão ou o perímetro, enquanto Millsap dividiu sua atenção entre os dois.

As estatísticas apresentadas até aqui são apenas um marco comprobatório do quão completo é Millsap em ambos os lados do jogo. Seja no ataque, seja na defesa, seja nos rebotes, seja roubando… Há uma quilometragem de habilidades que podemos falar sobre ele, pode não ser o melhor da liga nelas, mas está lá bem realizando elas.

Tudo numa maneira que só tende a completar as capacidades de Jokic quando pega na bola. Isso na hora de um passe para alguém livre que o ala-pivô ajudou fazendo um screen, ou até ele próprio chutando. Isso quando for necessário outro jogador de excelência para controlar a bola. Isso com a cobertura nos espaços da defesa que não permitem Jokic se afastar muito do garrafão devido sua falta de velocidade e atleticismo.

Paul Millsap é ideal, mais do que Gallinari eu garanto!

Like what you read? Give Felipe Haguehara a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.