Prévia das finais: Golden State Warriors x San Antonio Spurs

A constelação de Oakland contra os pupílos de Pop: quem leva a melhor?

Finalmente, depois de dois anos, a tão esperada final entre Warriors e Spurs (Divulgação/NBA)

Golden State Warriors e San Antonio Spurs vão se enfrentar pela primeira vez numa final de conferência. Finalmente chega o dia da final que há 3 temporadas todo mundo imagina. São inegáveis os 2 melhores times do Oeste (e nas fases regulares também os com melhor recorde em toda a NBA).

Do lado do Golden State, todo mundo já sabe. Elenco estrelar (quatro All-Stars numa mesma equipe não é para qualquer um não), melhor plus minus da liga, melhor defensor (e por incrível que pareça também a melhor defesa de toda a NBA). Mas novidade é: nos playoffs, desde que ascendeu ao estrelato, o Golden State Warriors nunca foi tão bom. São duas varridas seguidas, contra times bem arrumados. O Portland nem tanto, mas o Utah apresentava uma coordenação tanto ofensiva quanto defensiva impecáveis.

Qual é o trunfo para isso? O time de Steve Kerr tem mais opções para decidir jogo. Se antes ficava tudo nas costas de Curry, nesse ano adicionaram Kevin Durant, Klay Thompson e Draymond Green deu um passo a frente em sua evolução como jogador. Muitos vêem nele apenas o aspecto defensivo — ninguém defende mais que ele na NBA hoje em dia, nem mesmo seu adversário Kawhi Leonard — mas Draymond é um dos melhores playmakers de toda a liga. Ele é o pacote completo, pega o rebote, sai armando e da a assistência. Muitos dizem que Curry não é armador, mas poucos sabem que essa percepção é muito pelo fato de Draymond armar.

Isso faz o quê? Que o contra-ataque da equipe de Oakland seja fulminante. Entre os 4 times com maior número de pontos em transições, apenas o Warriors tem 8 jogos — todos os outros tem 2. Mas, sabe quem está também entre os times com maior número de pontos em transições? O San Antonio Spurs, adversário do Warriors nessa peleja.

O Spurs vem de uma série de 6 jogos apertadíssima contra o Houston Rockets. Com isso sempre vem o lado bom e o lado ruim. O bom? O time conseguiu fechar a série antes do sétimo jogo contra um adversário difícil, depois de perder o primeiro jogo em casa. Ou seja, a confiança está lá em cima. Mas, tem o lado ruim. O time está devidamente cansado após essa série difícil. Perdeu Kawhi Leonard por lesão — o que aliás não pareceu fazer falta no jogo 6 contra o Houston -, e finalmente a rotação do elenco de Popovich está sendo testada.

A questão é que sem Kawhi, o Spurs fica com mais cara de Spurs da última década. Não tem o jogador mais completo dos dois lados da quadra da NBA na atualidade faz com que o resto do time passe mais tempo com a bola na mão e que ela circule mais em jogo. Com Kawhi a equipe acaba dependendo mais dele — o que não é ruim, já que ele realmente corresponde a essa dependência. No geral, contra o Houston, talvez muito por conta do fator surpresa, isso conseguir gerar a classificação e na melhor atuação da equipe na série — e sem seu principal jogador. Ao que aparente isso poderá ser sentido um pouco durante o Warriors, já que o time como um todo tem mais recursos e está mais pronto que o Houston.

Palpite: Warriors passa para final. Mas não varre. A varrida é mais zebra do que Spurs passar. É um confronto muito parelho que deve ser decidido após 6 jogos no minimo.