Sua startup está correndo atrás do próprio rabo?


Foco e profissionalismo

Muitos empreendedores, especialmente aqueles com perfil “mão na massa” ou aqueles iniciando sua primeira startup, se perguntam se realmente há necessidade de criar um plano de ação e mobilizar recursos externos logo de início.

A princípio, muitos encaram o processo de estruturação e investimento como um ato isolado de convencimento e tomada de capital, ao contrário de uma oportunidade de financiar a operação de forma eficiente e criar uma aliança estratégica com profissionais mais experientes. O aprendizado “solo” é importante mas tem limites.

O sucesso de uma startup está menos relacionado ao capital em si, embora seja necessário em muitos casos, e mais à estruturação da ideia e do modelo de negócios como um todo, evitando o que o empreendedor perca tempo correndo atrás do próprio rabo.

Isso acontece quando a startup, na ânsia de validar seu modelo de negócios e gerar tração, não se estrutura de forma consistente a ponto de gerar ciclos rápidos de aprendizado e crescimento.

Sua startup está correndo atrás do próprio rabo?

Muitas startups com ótimos projetos e boas equipes passam meses e anos sem que percebam ou consigam vencer este ciclo — e acabam morrendo antes mesmo de validar suas premissas de geração de valor e crescimento.

Obviamente, cada etapa do ciclo de vida de uma startup — descoberta, validação, eficiência e escala — possuí sua especificidade. Entretanto, o ponto levantado aqui é que, para cada uma pode haver nível mínimo de recursos necessários para dar sequência ao desenvolvimento da empresa. Este fato é particularmente verdadeiro para setores que requerem recursos substanciais em P&D, como biotecnologia, robótica, desenvolvimento de sistemas corporativos, serviços e produtos de infraestrutura computacional, entre outros tantos.

Em qual estágio está sua Startup?

Assim sendo, mesmo com a dramática queda no custo de criação de uma startup, como empreendedor é necessário se preocupar com a estruturação da startup desde o princípio, permitindo assim a mobilização dos recursos necessários — seja capital, novos sócios, bens de capital, parceiros, etc, já que serão eles os catalisadores de cada ciclo de desenvolvimento.

Sua startup correndo para o sucesso (ciclo virtuoso)

Entender e articular os recursos que catalisam o negócio não é uma tarefa fácil e envolve uma grande dedicação nas frentes de planejamento estratégico, captação de recursos e relacionamento com investidores. Recursos em excesso podem tirar o foco da equipe e gerar uma expectativa de retorno que não condiz com o momento da empresa. Por outro lado, a falta de recursos pode ocasionar ciclos demasiadamente longos, muitas vezes levando a startup ao estol.

O estudo realizado pela Startup Genome em 2012 traz um indicativo interessante da quantidade de recursos necessários — tempo, capital e equipe — para o desenvolvimento da startup ao longo de seus estágios. Neste estudo, as startups foram classificadas conforme sua natureza, que são:

TIPO 1a — Automatizadores

Características comuns: aquisição de clientes self-service, plataforma focada no consumidor, centrada no produto, de execução rápida, voltada muitas vezes para a automatização de um processo manual.Exemplos: Google, Dropbox, Eventbrite, Slideshare, Mint, Pandora, Kickstarter, Hunch, Zynga, Playdom, Modcloth, Box.net, Basecamp, Hipmunk, etc.

TIPO 1b — Os transformadores sociais

Características comuns: aquisição de clientes self-service, massa crítica, tende a concentração (“vencedor ganha tudo”), UX complexo, efeito de rede, tipicamente criam novas maneiras para que as pessoas interajam. Exemplos: Ebay, OkCupid, Skype, Airbnb, Craigslist, Etsy, IMVU, Flickr, LinkedIn, Yelp, Aardvark, Facebook, Twitter, Foursquare, Youtube, Dailybooth, Mechanical Turk, MyYearbook, Prosper, Paypal, Quora, etc.

TIPO 2 — Integrador

Características comuns: geração de clientes por meio de vendedores, alta segurança, centrado no produto, monetização rápida, focado em PME, mercados menores, muitas vezes inovações ficadas no consumidor e as reconstrói em empresas menores.Exemplos: PBworks, Uservoice, KISSmetrics, Mixpanel, Dimdim, HubSpot, Marketo, Xignite, Zendesk, GetSatisfaction, Flowtown, etc.

TIPO 3 — Desafiador

As características comuns: as vendas da empresa, dependência de clientes elevados, mercados complexos e rígidos, processo de vendas repetível.Exemplos: Oracle, Salesforce, MySQL, Redhat, Jive, Ariba, Rapleaf, Involver, Bazaarvoice, Atlassian, BuddyMedia, Palantir, Netsuite, Passkey, jornada de trabalho, Apptio, Zuora, Cloudera, Splunk, SuccessFactor, Yammer, Postini, etc.

Compartilho da opinião defendida pela Startup Genome de que segmentar as startups entre B2C e B2B é insuficiente dada a complexidade e interdependência entre públicos modelos de negócios. Portanto, a segmentação com base na aquisição de clientes, produto, mercado e da equipe, entre outros, me parece fazer total sentido.

Resultado Consolidado do Estudo

Resultado por estágio de desenvolvimento

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.