A faculdade, o último semestre e o que tudo isso tem de bom

Hoje começa o semestre letivo na Feevale, universidade onde eu faço meu Doutorado. É lá, também, que a minha sobrinha faz faculdade.

Ontem, compartilhei no mural dela (sim, no Facebook, um dia desses eu conto como — e porque — voltei pra rede maldita) esse post:

Quando dei o share, pensei em milhares de coisas que eu poderia dizer pra Gabi sobre esse momento, só que não fiz isso lá pra não parecer a ~tiazona velha~.

Só que como sou a tia velha mesmo, faço aqui.

Chegou o último semestre e ele deve ser aproveitado porque:

  • é o último. Depois, não tem mais. A gente pode voltar pra faculdade, fazer outro curso, uma pós, qualquer coisa, mas não será mais a mesma coisa.
  • o diploma é praticamente um atestado de “adulto de verdade”. Embora durante a faculdade a gente tenha responsabilidades, trabalho, prazos, a gente se sente mais teen do que adulto. Depois, isso passa. O mundo faz passar. O mercado faz passar.
  • pessoas especiais estão ao nosso lado. Depois, não tem como saber. A rotina de aulas, de Campus 3, de biblioteca e café mantem pessoas legais ao nosso lado, o tempo todo. Elas dividem as tensões e os prazeres da faculdade com a gente. E depois cada um vai pro seu lado. Por isso, preservar essas relações é uma arte que precisamos aprender.

Por isso, eu recomendo:

  • aproveita ao máximo o ambiente e as pessoas.
  • tu vai ser a oradora. Tu sabe o que isso representa, né? Tu vai falar por todos. Então, apesar das diferenças, te aproxima bem das pessoas. Pra entender os anseios, os sonhos dela, as dificuldades e facilidades vividas até aqui. Cada um tem sua realidade e, de certa forma, tudo isso vai aparecer nos teus três minutos no microfone. E vai ser lindo, eu sei!
  • curte bem os eventos especiais desse semestre. Prova de toga, festa dos 100 dias (ou algo que o valha), brindes no C3. Tudo vai ficar pra sempre na memória. E aproveita que tu não depende apenas da produtora pra ter registros disso e faz todas as fotos que quiser — e não quiser também, depois é só deletar. Tudo que eu tenho da minha formatura veio da produtora (é, em 2001 a vida era bem diferente nesse sentido).
  • sim, estuda! Agora e depois — porque as leis, suas interpretações e as jurisprudências não param apenas porque tu tem um diploma embaixo do braço.
  • Trata teu TCC como um filho, mesmo que depois, daqui uns anos, tu olhe pra ele e pense “nossa, que merda foi essa que eu escrevi!”. Se na vida nós temos repetidamente essa visão sobre fatos do passado, com ele não seria diferente. Apesar disso, ele é único e é TEU!
  • ok, passou tudo. Então, segue a vida. Coloca todos esses aprendizados — os formais, da sala, e os da “rua” (porque é fato que a gente aprende muito nos corredores) — na prática, pra ser a melhor profissional que tu puder.

Acho que era isso. Talvez eu tenha mais a dizer, mas não agora. Deixa o tempo passar que as sugestões vem com ele. Mas, apesar disso tudo, o principal é:

Aproveita e vive bem esse teu momento, que é bem maior do que aquela noite de agosto no Teatro Feevale!

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Poli Lopes’s story.