A ciclovia da vida

Imagem: Internet

Estamos vivendo um momento bem estranho. Esta estranheza se faz individualmente, como nação, mundialmente, espiritualmente, filosoficamente, ideologicamente, enfim… a vida está muito estranha.

Não dá para saber o que vem pela frente, mas podemos parar para tentar entender os reflexos do momento atual em nossa realidade e psique.

Não dá pra negar que o momento em que vivemos atualmente gera uma série de sentimentos confusos em cada um de nós. Pessoalmente o que sinto é um misto de síndrome de pânico com alterações de humor e ânimo, típicos de um diagnóstico de transtorno de personalidade.

Tenho idade suficiente para ter lembranças de outros momentos delicados no Brasil e no mundo. No Brasil vivi diversas crises políticas e econômicas em meus quarenta e seis anos de idade, mas nada comparável ao momento atual. Estou sem jurisprudência para lidar com a realidade de hoje.

No mundo, o período de insegurança mais próximo ao atual que eu tenha presenciado, talvez tenha sido a fase que se sucedeu ao 11 de setembro de 2001. Foi um período de pânico, de ausência de sentido e de onipresença midiática. Lembro-me de que eu estava na faculdade quando as torres gêmeas caíram e fiquei alí, assistindo tudo pela televisão, com perplexidade e distanciamento crítico, pensando se tratar de um trailer do mais novo filme de Spielberg. Mas, nada se compara aos vídeos cinematográficos postados atualmente pelo estado islâmico, em qualidade HD.

Alguns esotéricos acreditam e propagam que tudo ainda irá piorar antes de melhorar. Os espiritualistas tendem a afirmar que o que estamos vivendo é um período de limpeza espiritual que culminará em um mundo habitado por seres humanos melhores e mais justos. Um período em que o portal se estreita permitindo que (muito) poucos o ultrapassem. Mas, é difícil acreditar nisso em meio ao caos que vivemos. O futuro já não nos serve de consolo.

A verdade é que precisamos seguir em frente, apesar das incertezas, e sem garantias de que a ciclovia de nossas vidas resistirá aos humores da rainha do mar.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.