A culpa de ser feliz

Eu tenho me sentido um pouco culpado.

Sim, culpado.

Não me sinto merecedor da paz que saboreio, do sono que abraço sem demora, da alegria de ser quem eu sou, nesse mundo de meu Deus.

Estou na melhor fase da minha vida.

O mundo exterior silenciou, para mim. Hoje apenas sou.

Olha que maravilha… me desapeguei de títulos, de sobrenomes empresarias, da obrigação de amar.

Sou livre.

Estou pronto, vida.

Pode mandar.

Porém, quando olho para a minha vida, só vejo escombros. Tudo por reconstruir, algum dia. Nada está nem próximo de algo que se parecesse, minimamente, com o que nos acostumamos a chamar de zona de conforto. Vivo um caos tão sem precedentes quanto a atual crise econômica/política/institucional do nosso Brasil.

E eu lá… felizão!

Daí a culpa.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.