Por que devemos levar nossos filhos para uma mini aventura?

Laura em uma trilha na Serra da Canastra

Esta semana eu estava ajudando a Laura, minha filha mais velha, que está com 7 anos a escrever em seu diário “secreto”, e ela não estava conseguindo ler uma frase, e eu li para ela: Minha lembrança mais feliz: Sem hesitar ela escreveu com sua letra mais caprichada — ACAMPAMENTO. Neste momento eu tive certeza que a experiência de acampamento que vivemos no início de janeiro de 2016 foi marcante para ela e para toda a nossa família.

Minha história de amor com o Júlio meu companheiro começou com uma caminhada, acampamos e caminhamos pelo litoral de Alagoas em um grupo de aproximadamente 30 amigos.

No início deste ano, logo depois do réveillon no dia 3 de janeiro, 14 anos depois de nossa primeira caminhada juntos, resolvemos vivenciar um acampamento em família com nossas 2 filhas, Laura e Helena.

Minha mãe “Vovó Telinha” e meus irmãos Marina, Cecília,Gustavo e meu cunhado Silvinho, também curtiram a ideia de acampamento em família e fomos todos para a Serra da Canastra no Camping Pé da Serra em São João Batista do Glória — MG

Ciça, Gustavo, Júlio ,Vovó Telinha, Marina, Silvinho, Helena, Eu e Laura: nossa primeira trilhada viagem

Ritmo e construção de grandes laços

Pertencimento à natureza, encontro com um ritmo de vida pautado pelo amanhecer e o anoitecer.

O ritmo de nosso dia a dia, as obrigações, o trabalho e responsabilidades vão nos distanciando das pessoas que mais amamos. Perdemos o hábito de conversar com profundidade e refletir um pouco mais sobre o que realmente queremos em nossa vida.

Vista de tirar o fôlego

A experiência de acampar com toda a família nos deu a oportunidade de acordar com o nascer do sol, acender a fogueira para fazer o café, a tapioca, o pão com manteiga na frigideira. Minhas filhas também tinham suas funções e eram parte do grupo. Elas não estavam apenas observando, precisavam encontrar gravetos para manter o fogo aceso, lavar a louça e ajudar a montar o sanduíche para a caminhada do dia.

Nosso café da manhã começava com o ritual de ascender o fogo, logo cedinho umas 6:30 da manhã e curtíamos este momento para conversar, dar risada e pensar qual seria nossa aventura do dia: conhecer uma nova trilha, uma cachoeira, apreciar vista … ficávamos tomando café da manhã até umas 10:00. Uma rotina desprovida de compromissos, a experiência de viver o presente e estar presente.

Helena em nosso acampamento

As regras do acampamentos eram simples:

  • Iríamos seguir um ritmo tranquilo, sem grandes planejamentos, decidíamos em conjunto os locais e caminhadas do dia de forma espontânea e fluida;
  • Iríamos comer apenas uma refeição oferecida pelo Camping, normalmente o jantar, as outras refeições iríamos preparar com os recursos que tínhamos em nosso acampamento;
  • O foco era encontrar trilhas que a Laura(6 anos) e a Helena (4 anos) pudessem participar, nosso principal objetivo era conviver;
Trilha em família

Liberdade com atenção

Estamos vivendo um mundo que está preparado para proteger as crianças de acidentes. Locais totalmente esterilizados, bordas arredondadas, espaço kids, monitores, segurança e brinquedos adaptados para entreter nossas crianças sem oferecer nenhum risco.

É claro que nós pais desejamos que nossas crianças estejam protegidas e seguras mas precisamos também entender que muitas vezes é importante oferecer liberdade com atenção em lugares desconhecidos.

Escrevendo o nome no céu com tio Gustavo

Passamos 7 dias sem televisão, e elas brincaram muito. É preciso dar a oportunidade para nossos filhos criarem suas próprias brincadeiras, colherem pedras preciosas pela trilha, colecionar folhas e flores para enfeitar o café da manhã. Descobrir um tobogã na pedra escorregadia, fazer barquinhos com madeira e folhas para navegar no rio.

Vivenciamos muitos desafios e claro estávamos sempre atentos para que elas entendessem os limites dentro da liberdade que tinham em um ambiente natural.

hora de brincar e descansar depois da trilha

O que realmente marcou foi ver minha filha escrever em seu diário que sua lembrança mais feliz foi fazer este acampamento. E respondendo a questão porque devemos fazer mini aventuras com nossos filhos: ter a oportunidade de construir memórias conjuntas com toda a minha família, observar minhas filhas atuando na família como um ser individual, colaborando com o grupo da forma que elas mesmas estabeleciam, nos deixou muito mais próximos e isto nos fortaleceu como família.

Foi um grande aprendizado e já estamos começando a planejar nossa próxima aventura para o ano que vem;

Like what you read? Give Luiza Paterno a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.