Aliado de Cunha é o novo ministro da Justiça

Paranaense, o peemedebista Osmar Serraglio está no quinto mandato como deputado federal e tem 68 anos. Entre 2005 e 2006, ganhou destaque ao relatar a CPMI dos Correios, que terminou investigando o Mensalão. Aliado do ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha, presidia a Comissão de Constituição e Justiça no período de sua cassação. Manobrou o quanto pode para evitar qualquer pena a seu correligionário e defendeu abertamente que Cunha fosse anistiado. Votou a favor da emenda que pune juízes e procuradores por abuso de autoridade assim como quis urgência para o projeto que tira poderes do Tribunal Superior Eleitoral. O novo ministro declarou que não tocará nas investigações ligadas à Lava Jato. “Não cabe a mim interferir em algo que é conduzido por outro Poder, o Judiciário”, disse. A Polícia Federal está sob comando de seu ministério. (Globo)

A escolha não pacificou o PMDB. O primeiro-vice-presidente da Câmara, Fábio Ramalho, rompeu com o governo porque reivindicava o cargo para o braço mineiro do partido. Outros se queixam de que Serraglio não tem influência real sobre a bancada e, por isso, não poderia garantir seus votos. (Estadão)

O presidente Michel Temer destituiu André Moura (PSC) do cargo de líder do governo. Aguinaldo Ribeiro, do PP, assume a função. A troca havia sido negociada para que o PP votasse em Rodrigo Maia para a presidência da Casa. (Folha)

Ninguém ficará sem cargo ou um naco de poder. O PSDB seguirá na chancelaria, apesar do pedido de demissão de José Serra. O novo ministro das Relações Exteriores deverá mesmo ser o senador Aloysio Nunes Ferreira. E Temer segue com sua maioria parlamentar cambaleante. (Estadão)

Serra, por sua vez, vê no retorno ao Senado uma chance de reavivar seu potencial eleitoral em São Paulo. No Itamaraty, envolvia-se demais com a política do mundo, sem poder frequentar a política no estado. Até pelas dores na coluna, considerava que o custo físico do cargo não valia os poucos frutos que colhia. (Folha)

E no jogo jogado dos votos por cargo, sobram também ameaças. O PMDB mineiro, que comanda Furnas, pode ficar sem nada pela ameaça de infidelidade. (Estadão)

Enquanto isso… José Yunes, que foi assessor especial de Temer até dezembro, disse ao Ministério Público que recebeu ‘documentos’ do doleiro Lucio Funaro a pedido do ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, em 2014. De acordo com a delação Odebrecht, o que ele recebeu foram R$ 4 milhões. O ex-assessor e amigo do presidente esteve com Temer para uma conversa, ontem à tarde.

Mario Vargas Llosa: “Algum dia teremos de erigir um monumento em homenagem à Odebrecht. Nenhum governo ou partido fez tanto desvelando a corrupção que corrói os países da América Latina.” (Estadão)

O ex-presidente uruguaio Pepe Mujica tornou-se colunista de vídeo da Deutsche Welle. Nos 11 filmetes até aqui, apresenta sua visão de mundo.

Conheça Mar-a-Lago, a Casa Branca paralela de Donald Trump.

Tony de Marco
 NASA protesta, mas Senado sabatina e aprova um oitavo planeta.

Cultura

Em São Paulo, as indicações culturais da Bravo! contemplam foliões e os que fogem do Carnaval. Hoje, ocorre o desfile do bloco Ilú Obá de Min, na Praça da República, e, no sábado, Tulipa e Céu, entre outros, se revezam nos bailes de Carnaval do Largo da Batata. No Itaú Cultural, tem início a Ocupação Laura Cardoso, que conta os 75 anos de carreira da atriz.

No Rio, os destaques incluem o eclético baile de Carnaval do Circo Voador, no domingo, e o Samba do Trabalhador, na segunda, no Renascença Clube do Andaraí. Para os não foliões, o Ateliê da Imagem, na Urca, apresenta individual de Monica Barki.

Encontre o seu bloco: o G1 disponibilizou um bom guia para pesquisar blocos no Rio e em São Paulo. E o Google está prometendo mostrar os percursos e interdições no Google Maps.

Ainda o Carnaval: às vésperas da folia, Lira Neto lança Uma História do Samba — As Origens, primeiro de uma série de volumes dedicados ao gênero. Neste, o autor vai da formação do samba urbano, no Rio do fim do século 19, ao início década de 30, quando surgiram os primeiros desfiles de escolas. Em entrevista, ele conta que o samba é uma criação “essencialmente coletiva, produzida ao longo de gerações” e defende: “O samba se reinventa. Agoniza, mas não morre”.

Nos cinemas, estreiam A Grande Muralha (trailer), com Matt Damon, e o drama Moonlight (trailer), com oito indicações ao Oscar. Veja mais estreias do fim de semana.

O palco do Oscar já serviu para muitos discursos políticos — desde a Grande Depressão até, provavelmente, esta edição, marcada para domingo. Com o passar dos anos, a cerimônia se tornou cada vez mais politizada e serviu de palanque para cineastas e atores marcarem seus posicionamentos. O Washington Post conta como o Oscar, desde 1930, responde à política fora das telas.

Vídeo: uma compilação de discursos políticos do Oscar desde 1973, quando Marlon Brando mandou uma ativista indígena para discursar em seu lugar.

A cerimônia, aliás, não será transmitida pela Globo, que vai apresentar os desfiles das escolas de samba na Sapucaí. Na TV a cabo, a TNT fará a transmissão ao vivo, a partir de 21h30 de domingo.

Ainda o Oscar: para quem quer se refugiar da folia no cinema, veja onde ver aos filmes indicados. Para quem quer assistir à cerimônia, as emissoras que vão transmitir.

E para quem quer ficar em casa no Carnaval, 21 séries do Netflix para fazer binge.

Viver

Quando começa a trabalhar para o Uber, o funcionário deve abraçar 14 valores essenciais da empresa, entre eles, ser “obcecado” com o cliente e acreditar que o esforço leva ao crescimento — mesmo que, para isso, seja preciso pisar em companheiros de trabalho. Os valores eram restritos ao Vale do Silício até que uma funcionária os descreveu num site, em detalhes, e disparou uma crise na empresa nesta semana. O New York Times conta que o ambiente de trabalho é, de fato, pautado pela agressividade.

Mais de 30% dos presos no Brasil são provisórios. A pesquisa do Conselho Nacional de Justiça foi elaborada a pedido da presidente do STF, Cármen Lúcia, após a crise carcerária que marcou o início do ano no país. Dos 654.372 detentos no Brasil, 34% são provisórios. Do total de presos, 13% respondem por homicídio. O crime mais frequentemente imputado aos réus detidos é o tráfico de drogas.

Não à toa… relatório da ONG Human Rights Watch aponta a necessidade de uma revisão da Lei de Drogas, que endureceu as penas para traficantes, mas não descriminalizou o usuário. Anteontem, na sabatina de Alexandre de Moraes, o novo ministro do STF afirmou que a lei só aumenta as prisões.

Vídeo: na China, uma reserva de tigres siberianos usa drones para que os animais se exercitem.

Cotidiano Digital

Enquanto o Brasil pula o Carnaval, a indústria de celulares se reúne em Barcelona para o Mobile World Congress. É a maior feira de celulares do mundo e palco de lançamento dos novos modelos para quase todas as fabricantes. A feira começa na próxima segunda e vai até quinta. O Engadget listou alguns dos aparelhos que devem ser apresentados. LG, Sony e Huawey estão prometendo grandes novidades. A Lenovo deve anunciar um sucessor para o Moto G. Já Nokia e Blackberry tentam voltar ao jogo. A Samsung focará nos tablets, e não deve anunciar celular novo.

Falando em Nokia, há algumas semanas rolam boatos de que, além de uma nova linha de celular Android, a empresa finlandesa vai relançar seu aparelho mais bem sucedido de todos os tempos, o Nokia 3310. Será?

E, falando em saudosismo, um dos editores do Boing Boing colocou no ar o txt.fyi, uma plataforma de publicação de textos totalmente minimalista, remontando aos primórdios da web. Sem layout, sem anúncios, sem estatísticas. É só escrever e publicar.

Ainda não é assinante do Meio? Faça sua inscrição no nosso site.
 Não custa nada: www.canalmeio.com.br

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Meio’s story.