Janot partirá para sua última denúncia contra Temer


Rodrigo Janot deve apresentar nova denúncia contra o presidente Michel Temer hoje, até o final do dia. O documento, de acordo com a apuração da repórter Talita Fernandes, tem mais de 200 páginas e se baseia tanto nas delações da JBS quanto na do doleiro Lúcio Funaro. Temer será acusado de obstrução de Justiça por ter dado o aval a Joesley Batista para comprar o silêncio de Funaro e Eduardo Cunha, presos. E de participar de uma organização criminosa — a “quadrilha do PMDB da Câmara”. É a própria Câmara que decidirá se a denúncia pode ser tratada ou não pelo Supremo, pelo voto de 342 deputados. (Folha)

Segundo Vera Magalhães, Joesley será incluído na denúncia por obstrução de Justiça. “É evidente que essa inclusão é, na verdade, uma reação de Janot à saraivada de críticas de que tem sido alvo desde que vieram à tona as irregularidades e suspeitas de ilegalidades cometidas na gênese do acordo de colaboração do núcleo da J&F.” (Estadão)

A denúncia virá após uma grande vitória de Janot no plenário do Supremo. Por 9 votos a 0, os ministros derrubaram o pedido da defesa do presidente de considerar o procurador-geral suspeito e afastá-lo de casos envolvendo Temer. “O presidente quer trabalhar”, reclamou o advogado Antônio Cláudio Mariz. “Deixem-no em paz.” Ricardo Lewandowski foi um dos que reagiram. “Não há ninguém no país inimputável.” Luiz Fux, também. “Janot é o único integrante do Ministério Público que pode processar o presidente. É da sua atribuição.” Não votaram Luís Roberto Barroso, que estava viajando, e Gilmar Mendes, que preferiu assistir à sessão pela TV em seu gabinete. (Jota)

A defesa de Temer tentou ainda um último recurso: que o STF segure qualquer denúncia enquanto as investigações sobre o acordo de delação da JBS não se encerram. “Pela primeira vez em 27 anos me defronto com o pedido de o Supremo obstaculizar a oferta de uma denúncia do MP”, criticou Marco Aurélio Mello. Não houve tempo de concluir a votação, que foi jogada para a semana que vem. E, até lá, já será Raquel Dodge no comando da Procuradoria-Geral da República. (Estadão)

E… Uma série de mensagens encontradas no celular do irmão de Joesley, Wesley Batista reforçam a convicção da Polícia Federal de que o procurador Marcello Miller ajudou os irmãos a negociar melhor sua delação. Ao menos um trecho levanta a suspeita de que outros dois procuradores estavam informados, talvez parcialmente, da relação dos empresários com Miller. São Eduardo Pelella, chefe de gabinete de Janot, e Sérgio Bruno, do grupo da Lava Jato. (Folha)

Frase do dia: “Dando dinheiro, o Moreira faz qualquer coisa.” De Lúcio Funaro, doleiro, em delação a respeito do ministro Wellington Moreira Franco. (Estadão)

O empresário Wesley Batista foi preso suspeito de usar informações privilegiadas para manipular o mercado financeiro. Ele e o irmão, Joesley, venderam ações de sua JBS e compraram dólares antes de a delação ser divulgada, apostando na queda das ações e subida do dólar. Sua prisão é preventiva — sem data para terminar. Joesley, que estava em prisão temporária, também passou a preventiva.

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) está igualmente prestes a condenar os irmãos por manipulação do mercado. (Globo)

O ex-presidente Lula mostrou-se mais agressivo no segundo depoimento ao juiz Sérgio Moro do que no anterior. “Eu poderia ficar zangado, nervoso, mas quero enfrentar o Ministério Público para provar minha inocência”, afirmou. Foram duas horas e dez minutos respondendo à acusação de ter recebido propina da Odebrecht na forma de um terreno para a construção da nova sede do Instituto Lula e de um apartamento, vizinho ao do ex-presidente, em São Bernardo. Lula queixou-se, ainda, de seu ex-ministro. “Eu vi o Palocci mentir aqui essa semana”, falou. “Fiquei com pena disso.” Segundo ele, as denúncias são todas falsas e os procuradores baseiam-se apenas em ilações. As acusações de Palocci ocorreram pelo desespero de ver-se livre da prisão. Para Lula, o político é “calculista e frio”.

Para o advogado de Palocci, “enquanto ele mantinha o silêncio, era inteligente e virtuoso; depois que resolveu falar a verdade, passou a ser tido como calculista e dissimulado”, falou. “Dissimulado é Lula, que nega tudo o que lhe contraria e teve a pachorra de dizer que se encontrava raramente com o Palocci a cada oito meses.”

Aliás… Moro repreendeu Lula ao usar ‘querida’ para dirigir-se à procuradora Isabel Groba Vieira. Pediu-lhe que fosse mais formal, preferindo ‘doutora’ ou ‘procuradora’. (Globo)

Assista a trechos do depoimento em vídeo.

Enquanto isso… O julgamento em segunda instância de José Dirceu não foi à frente. Condenado por Moro a 20 anos e 10 meses, o ex-ministro pode ver sua pena aumentar. O relator pediu 41 anos e 4 meses. O revisor, 27 anos e 4 meses. Mas um terceiro desembargador pediu vistas. (Estadão)

Os deputados ficaram ontem mais de 11 horas em plenário tentando chegar a um acordo a respeito da reforma política. O relógio está correndo — têm até os primeiros dias de outubro para aprovar na Câmara e no Senado. PT, PSDB, DEM e PP defendem que se aprove o Distritão e o fundo eleitoral para financiamento de campanhas. PCdoB e PR, entre outras legendas pequenas, são contra.

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, recebeu em casa 23 deputados do seu PSD. Eles o convidaram a candidatar-se à Presidência. Meirelles, segundo o Poder 360, sorriu. Mas tão logo a matéria foi publicada, correu ao Twitter para dizer que não é candidato.

A Polícia Federal prendeu o ex-governador fluminense Anthony Garotinho na porta da Rádio Tupi, onde apresenta um programa diário. Ele foi condenado pela Justiça Eleitoral por compra de votos e cumprirá a pena em regime domiciliar, com tornozeleira eletrônica, proibido de utilizar celulares. O único contato permitido é com familiares próximos. Ouça o improviso do jornalista Cristiano Santos, que assumiu o microfone quando Garotinho não pode entrar no estúdio. (Globo)

Cultura

A segunda maior feira de arte do país, ArtRio, abriu ontem na Marina da Glória. Com protestos. Galeristas e curadores organizaram um ato de repúdio ao cancelamento da exposição Queermuseu, no Santander Cultural de Porto Alegre. “Acredito que todos os artistas tenham de defender a liberdade na cultura, é justamente para isso que desempenhamos nossa função”, afirmou a pintora Beatriz Milhazes. “Perdeu-se uma excelente oportunidade para discutir questões importantes, como sexualidade, normatividade e direito à diferença”, concordou Rodrigo Moura, curador de arte brasileira do Masp. (Globo)

Pois é… A polêmica em torno da mostra espirrou justamente no Masp. O museu foi acusado de autocensura ao cobrir com uma pequena cortina preta os desenhos eróticos da mostra do artista Pedro Correia de Araújo. Os responsáveis negam que tenha sido este o motivo. O tecido em frente às obras, dizem, foi usado para proteger os desenhos da luz. (Estadão)

E nessa toada… Voltou ao ar o Tumblr Criança Viada. Criado por Iran Giusti, o blog publica fotografias que os leitores enviam — sempre registros de suas próprias infâncias. Cenas nas quais, sugere Iran e os fotografados, há um revelar precoce da sexualidade futura. Ou já presente. “Eu gay assumido olho pra todas as crianças viadas como semelhantes”, diz Iran. Foi baseado nas fotos de lá que a artista plástica Bia Leite criou as telas que terminaram acusadas de incitar pedofilia, na mostra Queermuseu, encerrada antes da hora após protestos conservadores. O Tumblr estava desativado desde 2014. “Ele vai funcionar até 8 de outubro, a data em que ficaria em cartaz a exposição.” via Pioneiros

O documentário No Intenso Agora, de João Moreira Salles, será acompanhado de uma série de entrevistas, como parte do pré-lançamento, no site e no Facebook do filme. Entre os convidados, estão Fernando Henrique Cardoso, Fernando Haddad, a economista Alessandra Orofino. Vão debater momentos de catarse política. O doc também divulgou seu trailer. (Folha)

Prêmio literário de maior prestígio do Reino Unido, o Man Booker Prize anunciou os seis finalistas deste ano. Entre eles, lembra o Estadão, concorre Paul Auster, com seu novo romance 4321.

Viver

Conhecido por ter sido preso com uma garrafa de desinfetante nas manifestações de 2013 e, depois, em 2016, por tráfico de drogas, Rafael Braga teve agora a prisão domiciliar concedida pelo STJ. Na sentença, o ministro afirmou que o jovem está “extremamente debilitado em razão de tuberculose adquirida dentro do sistema penitenciário”. Pelo porte do desinfetante, recebeu pena de 4 anos e 8 meses de prisão. Pelo de drogas (0,6g de maconha e 9g de cocaína), mais 11 anos.

O Conselho Nacional de Educação decidiu que as escolas terão de aceitar o nome social de crianças e adolescentes, ou seja, aquele pelo qual se reconhecem, e não o que consta de seus documentos de identificação. Se aprovada pelo MEC, a medida vai gerar uma normatização a ser seguida pelas escolas quanto ao uso do nome social de travestis e transexuais. (Globo)

Para ler com calma: O psiquiatra espanhol Diego Figuera sugere um raio-x do apego, no El País. Premiado pela prefeitura de Madri, ele explica que existem os apegos seguros e os inseguros, os saudáveis e os insanos. “O apego é uma necessidade básica determinada pela espécie”, diz. “Precisamos de carinho, apoio e comida. Dependendo de como sejam esses cuidados, saímos com resistência à adversidade ou com vulnerabilidade. O mais tóxico de tudo é a ausência das relações de apego. O que chamamos de apego desorganizado. Maus-tratos, abusos, violência física, orfanatos rígidos.”

Cotidiano Digital

A Netflix divulgou o ranking dos melhores provedores de banda larga do país de acordo com o que seus servidores medem durante as transmissões de filmes e séries. Em agosto, manteve a liderança a Live TIM, com velocidade média de 3,15 Mbps, seguido do Net Virtua, 3,02 Mbps, e Vivo Fibra, 2,91 Mbps.

Um cabo submarino de 10,8 mil quilômetros ligou, ontem, São Paulo a Nova York pela internet. Saiu por US$ 500 milhões e permite o tráfego de 72 terabytes por segundo. Será usado, primordialmente, para ligar os mercados financeiros de Brasil e EUA permitindo operações em alta velocidade. (Folha)

Para ler com calma: e se o preço de US$ 1.000 do iPhone X for um erro sério? O veterano jornalista Steven Levy faz a pergunta. Em 1984, lembra, havia também uma corrida de plataformas. Quem seria o primeiro a levar ao mercado um computador com ícones e janelas. A Apple venceu a Microsoft por vários anos. Mas seu Macintosh era tão caro que os consumidores esperaram o MS-DOS virar Windows. O iPhone tem usuários fiéis e certamente filas se formarão no primeiro dia para compra do modelo. Mas, depois, talvez não seja assim. Caso o preço do iPhone se descole muito do valor médio dos modelos topo de linha, pode se iniciar uma lenta migração. Levy, diga-se, conhece a história. Ele não conta no texto, mas foi o primeiro jornalista a ver um Macintosh e escrever sobre o computador.

O sexo com robôs pode ser perigoso. São máquinas, ligam-se à internet e, muito provavelmente, rodarão os mesmos sistemas encontrados em celulares e computadores. Ou seja, informa o pesquisador Nick Patterson da Universidade Deakin, seu robô sexual pode ser hackeado e matá-lo. via Pioneiros

Like what you read? Give Meio a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.