O Candomblé agoniza

Uma religião destinada ao extermínio?

O Candomblé sofre, agoniza, grita de dor.

Como se não bastasse o crescimento desenfreado das cidades que sufocam os terreiros, os evangélicos radicais, a ignorância, a intolerância, a política tomada por bancadas religiosas, agora sofremos com ataques de destroem — literalmente — os terreiros, sejam de candomblé ou umbanda.

Segundo as autoridades, pseudo igrejas neopentecostais estão “convertendo” traficantes e orientando-os a destruírem os nossos espaços e nosso sagrado.

Bandidos e traficantes convertidos invadem, quebram, depredam completamente os terreiros, abordam pais e mais de santo e, sob ameaça, obrigam os mesmos a destruírem suas casas.

Pergunto-me onde estão os artistas que fazem parte da religião e que têm visibilidade para lançar campanhas contra isso…Onde estão as autoridades que não lançam seus olhos para essa perseguição? Onde está a união dos povos de terreiro? Onde estão as políticas públicas para garantir o direito constitucional de culto? Cadê a polícia, a lei?

Nós “incomodamos” por causa do barulho, dos despachos, pela maneira com que nos vestimos, pela maneira como encaramos a fé, por cultuar nossos deuses a nossa maneira, porque não seguimos a Bíblia, pelo abate de animais que alimenta quem passa fome…

Tenho certeza que os verdadeiros evangélicos não permitem nem pregam essa violência, mas onde estão eles? Para sua maioria, tudo isso é muito cômodo e veio a calhar, não é mesmo?

É uma guerra santa. Voltamos aos tempos da inquisição e não vai demorar para sermos queimados em fogueiras nas praças públicas.

Se as religiões de matrizes africanas não reagirem, estaremos fadados ao extermínio em nome desse deus louco e desse jesus tirano que habita nas mentes doentias.

O que será de nós e do nosso futuro?

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.