“Alô águaaa!” Sobre a privatização da CEDAE

É verão, temperatura nas alturas e a cidade que remete a água até no seu nome, mais uma vez recorre a ela. Seja nas praias, nas cachoeiras e rios ou até mesmo naquele chuveirão do terraço e no banho de mangueira da calçada, contra o calor ou o próprio fogo: água. Toda criança sabe disso e o governo do Estado do Rio de Janeiro também. Este anunciou nas ultimas semanas uma medida contra o incêndio que tomou conta das obscuras contas do Estado do Rio de Janeiro, a privatização da companhia estadual de abastecimento de água e esgoto, a CEDAE, boato que vinha sendo negado desde os tempos de Cabral (não o navegador, mas o governador-presidiário).

A promessa de venda colocaria em ordem as contas do estado, pois servirá de garantia como empréstimo para quitar duas folhas de pagamento dos servidores, e depois? Não interessa, o objetivo é fazer caixa para ganhar tempo. A resposta ao anúncio veio com tanta força que foi capaz de unir políticos tidos como rivais pelos seus respectivos fãs clubes, Freixo e Bolsonaro (o Flávio), por exemplo, se uniram contra a privatização para o deleite do seu eleitorado. Em relação ao posicionamento do Freixo, nenhuma novidade, mas com relação ao Flávio, que muito embora seja um individuo a parte é visto como uma figura só (junto com seus pai e irmãos), cabe um porém. Vez ou outra “Bolsonaro” é visto como “conservador-liberal”, um dos integrantes do clã posa de conselheiro aos demais sobre os preceitos liberais da economia e ao se posicionarem contra a privatização foram vistos como traidores do movimento pelos que ainda acreditam em papai Noel. Já seus seguidores conservadores ficaram na mesma. Ironias a parte, vale a pena privatizar? Como funcionaria? Haveria concorrência ou a oligarquia de sempre?

“O Sistema é foda.” (Capitão Nascimento)

Como seria a privatização?

Se o anuncio da privatização gerou tamanho rebuliço, temos tempos sombrios pela frente. O modelo adotado para a privatização só será definido ao final de 2017 ou meados de 2018, após a definição do valor estimado da companhia. Segundo o movimento Baía viva, a CEDAE vale no mínimo 14 bilhões de dólares. Estamos falando da empresa que conseguiu sozinha um empréstimo de 3,4 bilhões de dólares em 2015 para obras do complexo Guandu2. Lembrando que o estado do Rio está colocando a sua privatização como garantia para um empréstimo de 3,5 bilhões. Pelo balanço de 2015 faturou 4,4 bilhões com lucro liquido de 249 milhões e até o terceiro trimestre de 2016, teve receita de R$ 3,448 bilhões e lucro líquido de R$ 165 milhões. Acumulando quase uma década em lucro.

Municipalização: Niterói, um capitulo feliz

O município de Niterói teve seu sistema de saneamento privatizado em 1999, na ocasião 30% da população não recebia uma gota d’água do sistema de abastecimento e viviam à custa da extração de água de poços artesianos. Segundo a CEDAE, na época, não havia como abastecer esta população, pois Niterói não dispõe de fonte de água. Pois bem, após a privatização houve a chamada multiplicação das águas e essa parte da população não atendida, passou a receber. Milagre? Não, apenas gerência. A redução do desperdício de 40% naquele momento para atualmente algo em torno de 12% a 15%, contra a média nacional de 37% faz com que em Niterói 100% das pessoas recebam água tratada e 93% sejam atendidas pela rede de esgoto. É de dar orgulho a qualquer liberal.

Seguindo parte deste raciocínio, ou simplesmente para colocar água no chopp do Pezão, o prefeito eleito do Rio, Marcelo Crivella, tem interesse em abocanhar uma fatia da CEDAE criando uma companhia municipal de águas e esgoto, porém caso se confirme, o Governador ficará a ver navios com seu acordo junto ao governo federal, pois a capital corresponde ao faturamento de 70% do bruto arrecadado pela CEDAE, o Rio financia sozinho outras 63 cidades do estado, enquanto que na capital este retorno não é visto, ou melhor, pode ser bem visto com o esgoto não tratado liberado na Baía de Guanabara, na baixada de Jacarepaguá e Barra da Tijuca.

Foi apenas dado o Start sobre este assunto, muita água ainda vai rolar até que haja alguma definição, uso politico está sendo feito de ambos os lados, então seja qual for sua posição politica, acho que vale a pena adicionar as considerações que estamos falando do Rio de Janeiro, um estado que está afundado em denuncias comprovadas de corrupção tendo inclusive o atual governador com varias denuncias, o ex, preso e mais um que cumpre prisão domiciliar! Como diria o carioquíssimo Tom Jobim, “o Brasil não é para principiantes.”

Ler mais:

http://odia.ig.com.br/economia/2017-02-21/com-venda-aprovada-na-alerj-cedae-e-a-unica-estatal-que-da-lucro.html

http://exame.abril.com.br/revista-exame/milagre-nao-gestao/

http://extra.globo.com/noticias/extra-extra/crivella-quer-criar-cedae-municipal-pode-frustrar-planos-do-estado-20873069.html


* O conteúdo do artigo, é de inteira responsabilidade do autor.