Startup Weekend Women

O que é, como é, por que eu participei, por que eu resolvi organizar um.
Imagem retirada da pesquisa no google imagens referente a outro Startup Weekend Women — que aconteceu simultaneamente ao que organizamos aqui em Belém/Pará.

O Startup Weekend é um movimento global de empreendedorismo, definido mais formalmente como:

“Evento mundial organizado pela Techstars, apoiado por empresas como o Google for Entrepreneurs, Coca-Cola, e a Fundação Kauffman, cuja missão é ensinar e promover o empreendedorismo nas comunidades locais. O evento é uma competição de startups que ocorre em 54 horas de muita ação. Ao longo de três dias de competição os participantes são encorajados a ter boas ideias, validá-las, construir um modelo de negócio, desenvolver um protótipo e realizar uma apresentação para uma banca avaliadora.”

Se fosse contar a um amigo diria que é um evento de um fim de semana onde você se junta à vários desconhecidos para criar uma startup, que resolva algum problema da sua cidade ou, com mais sorte, do mundo. De maneira que isso seja replicável e repetível — duas premissas que estão bem ligadas aos diversos conceitos de startups.

O grande triunfo do fim de semana de produção, não está centrado somente nas divagações sobre você se tornar um novo Mark Zuckberg. Aliás, gera uma certa desconfiança a tal confiança extrema de que sua ideia é o novo Facebook ou a nova rede Airbnb. Nenhuma ideia já nasce realmente redonda o suficiente para isso. O atrativo deste evento não está exatamente aí.

Você vai ver que é possível criar, desenvolver, testar, receber feedbacks, odiar e amar sua equipe em rápidas 54 horas de evento. Verá que de uma sexta feira a noite até o fim do domingo será possível desenvolver o protótipo, o planejamento, mudar completamente a ideia inicial ou quem sabe fazer funcionar um aplicativo com futuro potencial de mercado ou, animadamente, já funcionando e captando clientes.

Precisa de disposição, paciência, empatia, humildade, saber ceder, saber ouvir, saber a hora de falar, ter desapego com as ideias que inicialmente pareceram brilhantes.

É um evento de criação e criar depende de tudo isso.

Participei por curiosidade. Aguçada pela ideia de entender como funcionava as tão faladas startups. Resolvi organizar uma outra edição na minha cidade, por realmente ter sentido o significado positivo do fim de semana do Startup Weekend Change Makers.

Sim. Há diversas categorias de Startup Weekend. O evento pode ser ou não focado em alguma área específica. As classificações funcionam como norte para os negócios que serão criados. Participei de uma edição “Change Makers”, organizei uma edição “Women”.

O Startup Weekend Women é uma versão do evento focado no empreendedorismo feminino. O que se busca é integrar mulheres aos processos criativos no âmbito da tecnologia, design e negócios. É, também, sobre representatividade feminina. Como organizadoras, recebemos a missão de que pelo menos 75% dxs inscritxs sejam mulheres e, que, preferencialmente, escolhamos palestrantes e mentoras mulheres.

Precisamos falar sobre mulheres. Não podemos esquecer que somente em 1962, nós, mulheres brasileiras, passamos a ter autorização legal para trabalhar sem anuência do marido (!!!). Foi o Estatuto da Mulher casada (1962) que também reconheceu que “o marido é o chefe da sociedade conjugal, função que exerce com a colaboração da mulher”. Vejam bem, avanço era ser promovida pela legislação e pelos tribunais superiores ao patamar de “colaboradoras” dos “chefes” homens.

Essa é uma pequeníssima reflexão dentro das diferentes possibilidades de adentrar nas discussões sobre direitos da mulher. Serve aqui somente para chamar atenção do quão recentes são os marcos do passado.

A Constituição Federal de 1988 assegurou expressamente o direito à igualdade e estabeleceu como objetivo fundamental do Estado promover o bem de todos, sem preconceito de sexo.

Avançamos.

Mas, isso não significa que abolimos nossos fantasmas (que são bem reais) de uma sociedade essencialmente patriarcal. Absolutamente não.

A luta pela igualdade de gênero, contra a diferença salarial entre homens e mulheres, contra as chamadas de emprego especificando vagas a serem preenchidas preferencialmente por homens, contra o preconceito e a descrença do potencial de mulheres enquanto lideranças políticas, empreendedoras, gestoras, programadoras, é urgente.

Assim como é urgente tornar os ambientes públicos cada vez menos nocivos às mulheres e aos seus corpos. Tudo isso circula em torno da representatividade feminina. Os espaços precisam ser ocupados, liderados, encabeçados também por nós, não para preencher a “quota” feminina e sim porque temos milhões de mulheres competentíssimas no mundo todo.

Estejamos sempre compromissadas com esse propósito.

Somos capazes. Somos fortes e competentes o suficiente.

Se Startup Weekend já é ótimo, Startup Weekend Women é uma maravilha. É sobre nós,

Sobre força, luta e resistência. ❤