Ponto final.

Adeus. Duvido que exista alguma outra palavra que carrega mais dores do que essa.

A-deus. Te entrego a Deus. Não sou teísta, mas mesmo não acreditando em divindades fabulosas, acreditei no impossível. Acreditei que tudo isso poderia dar certo.

Não deu.

Tentei. Abri meus sentimentos. Talvez tenha sido este meu erro? Não sei.

Só sei que tentei.

Meu coração fica livre com minha tentativa. Livre, mas não como os pássaros que costumeiramente visitam tua janela todas as manhãs. Meu coração fica livre como um ente querido que há muito tempo doente precisou partir para encerrar seu próprio sofrimento.

Me despeço. Dos meus planos, das minhas vontades, do meu desejo. Me despeço da tua pele, dos teus carinhos e das tuas (in)decisões. Me despeço principalmente do sentimento que por muito tempo acreditei não existir dentro de mim e que você me mostrou que eu estava errado — e sim, este sentimento é tão lindo e tão ruim quanto os filmes românticos clichês de Hollywood dos quais você adora.

Hoje preciso me despedir deste sentimento, aos prantos. Não se engane, estou feliz por saber que ele existe e que retornará um dia.

Enterro aqui meu sentimento, queimo minhas palavras de amor que foram ditas sem qualquer preocupação a você. Esqueço dos meus devaneios, assim como sei que você também o fará.

Adeus.