O Caboclo e a árvore

“Por favor, o senhor precisa me ajudar. Eu realmente não sei o que fazer”.

O Caboclo olhou aquele homem e sentia a verdade por trás das palavras. Nos olhos dele havia mais que um pedido de ajuda: era como se solicitasse ao índio espiritual, incorporado no médium, pegasse do arco e atirasse uma flecha na direção que deveria seguir.

“Me pediram para demitir algumas pessoas da empresa em que trabalho”, continuou o homem. “Mas eu não sei como agir. Como posso fazer isso? Como posso mandar embora pessoas que são colegas? É muito difícil. Por favor…o que eu faço?”.

O Caboclo o olhou com seriedade e respondeu:

“Moço, ‘exe’ Caboclo vai lhe contar história. Preste muita atenção.”

O homem concordou. O guia espiritual então prosseguiu:

“Há muito tempo atrás, quando ‘exe’ Caboclo cá era encarnado, vivia em uma tribo na mata, onde tinha muitas árvores bonitas, cheias de galhos e folhas, que davam sombras formosas. Mas um dia veio um tempo de seca e as árvores começaram a morrer, porque não tinham de onde tirar água. Então Cacique chamou ‘exe’ Caboclo e disse que era preciso cortar alguns galhos das árvores, porque se não fosse feito assim, se não cortasse alguns galhos, ‘exe’ árvore ia morrer toda”.

O homem ouvia atentamente e o Caboclo continuou:

“‘Exe’ Caboclo ficou muito triste com ‘exe’ decisão, porque gostava muito das árvores e não queria cortar galho nenhum, sabia que era difícil pra elas. Mas Cacique deu a espada pra Caboclo e mandou fazer. E Caboclo teve que fazer, mesmo com dor no coração, mesmo sabendo que ‘exe’ era coisa muito difícil de fazer. E assim fez, meu filho, e aprendeu que ‘exe’ às vezes é necessário, mesmo que seja muito difícil, muito doloroso.”

Depois de uma pausa o guia emendou:

“E o que ‘exe’ história tem a ver com vida ‘dexe’ filho?”

O homem respondeu:

“Que preciso decidir…mesmo que seja muito complicado, não é? Eu acho que entendi, meu Caboclo. Mas como tomar essa decisão?”

“Faz como Caboclo com os galhos, meu filho: começa pelos que estão mais firmes. Observa com cuidado cada pessoa ‘dexe’ trabalhador. Faz ‘exe’ organizador, e aos poucos ‘exe’ filho vai ver na frente dele quem vai ficar e quem vai sair. Não é fácil, meu filho, mas lhe deram a espada e mandaram cortar, ‘exe’ filho não tem escolha, então ‘exe’ precisa tomar a melhor decisão. Lembre sempre que é doloroso para árvore perder os galhos, mas às vezes não tem outro jeito. Se não perder agora, morre a árvore toda. Pense nisso”.

E o consulente foi embora refletindo e compreendendo melhor a própria situação, pronto para tomar a decisão que viria a seguir.