SEMINÁRIO | Os rumos da agroecologia na Região Metropolitana de Curitiba

[Fotos: Henrique Kugler]

Quem são os agricultores responsáveis pelos alimentos orgânicos que chegam em nossas mesas? Que desafios eles enfrentam no dia a dia? E que estratégias podem ser adotadas para aprimorarmos as boas práticas no setor? Essas foram algumas das questões debatidas no último dois de agosto — durante o seminário Produção em Base Agroecológica na Região Metropolitana de Curitiba, sediado no Centro Paranaense de Referência em Agroecologia (CPRA), em Pinhais (PR).

Desde novembro passado, a equipe do CPRA tem feito um levantamento sistemático de 22 propriedades rurais localizadas nos arredores da capital paranaense. “São agricultores que já produzem alimentos orgânicos certificados ou, em alguns casos, ainda em fase de certificação”, contextualiza o engenheiro agrônomo Márcio Miranda, líder do projeto e diretor-adjunto do CPRA. “No encontro de hoje, queremos construir propostas para a melhoria dos sistemas produtivos, e para isso gostaríamos de ouvir opiniões e sugestões dos próprios agricultores e dos técnicos que atuam na região”, diz Miranda.

Assim, um dos objetivos do projeto — financiado pela Secretaria da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (SETI) — é construir um diagnóstico técnico para levantar informações sobre a qualidade de vida desses produtores rurais; a qualidade ambiental de suas propriedades; e também entender suas rotinas de produção; os desafios econômicos; e as eventuais dificuldades da comercialização que os agricultores agroecológicos encontram nessa região do estado.

Agricultores agroecológicos em evento organizado pelo CPRA [Fotos: Henrique Kugler]

Tecnologia, assistência e comercialização

Uma das principais demandas apresentadas pelos agricultores foi o desenvolvimento e disponibilidade de tecnologias de baixo custo para a produção em pequena escala. “Gostaríamos de encontrar estratégias para aumentar nossa renda e, ao mesmo tempo, reduzir a penosidade do trabalho no campo”, comenta o agricultor Adair Andrade de Souza, de Campo Largo.

Assistência técnica especializada em produção orgânica também foi uma demanda recorrente durante o evento. “Existem técnicos e técnicos: alguns são muito bons e engajados na agroecologia, mas outros dizem que isso não funciona e são inclusive sócios de lojas de insumos convencionais”, critica o agricultor Mauro Passos, de Mandirituba.

Outra preocupação comum entre os agricultores é o fato de muitas propriedades agroecológicas serem altamente dependentes de insumos externos — principalmente adubos, mudas e sementes. “Essa alta dependência de insumos produzidos fora da propriedade acaba sendo uma característica comum na região”, comenta Valter Bianchini, oficial nacional da FAO no Brasil. “Infelizmente, isso vai contra os próprios princípios da agroecologia e precisamos encontrar soluções para melhorar esse cenário.”

Além disso, estratégias de comercialização também foram um assunto bastante discutido no evento do CPRA. Segundo os agricultores, um dos caminhos promissores é tornar a cadeia de comercialização cada vez mais curta e eficiente. O setor pode se beneficiar, dizem eles, do contato direto entre agricultores e grupos organizados de consumidores de produtos orgânicos — a exemplo do que tem sido feito no âmbito do projeto Cestas Solidárias, conduzido pelo CPRA.

Bolsitas do CPRA apresentam resultados do projeto [Fotos: Henrique Kugler]

Mapeamento digital

O seminário Produção em Base Agroecológica na Região Metropolitana de Curitiba também apresentou ao público uma nova ferramenta: o mapeamento digital das propriedades rurais que integram o projeto. Trata-se de uma plataforma que espacializa os dados coletados ao longo dos últimos dez meses — com informações detalhadas sobre cada uma das propriedades, cobrindo desde aspectos quantitativos da produção até dados qualitativos relacionados às relações sociais de cada um dos agricultores.

Captura de tela do mapa digital das propriedades agroecológicas inegrantes do projeto. Para acessar, acesse o link https://cpra.carto.com/builder/4019a5ea-4a38-4e88-9f24-7d4dcf69c51b/embed

O mapeamento ainda está em estágio embrionário. Mas espera-se que ao longo dos próximos meses — com a provável renovação do projeto por mais dois anos — ele seja concluído. Será uma importante base de dados para que gestores, acadêmicos, técnicos, agricultores e mesmo consumidores possam compreender em maior profundidade os desafios e oportunidades da produção de alimentos orgânicos na região.

Agroecologia e políticas públicas

Segundo o diretor-presidente do CPRA, João Carlos Zandoná, a produção de alimentos orgânicos gera qualidade de vida, preserva os ecossistemas e ainda pode garantir boa renda aos agricultores. Aliás, a ideia de produzir alimentos sem agrotóxicos ganha especial importância em áreas sensíveis — como é o caso da Área de Preservação Ambiental (APP) do Iraí, em Pinhais, onde está localizada a sede do CPRA.

“Praticamente toda a agricultura praticada na Região Metropolitana de Curitiba acontece sobre áreas de mananciais”, lembra Zandoná. Ele reforça, por isso, a importância de métodos mais responsáveis do ponto de vista ambiental.

Para o diretor-geral da SETI, Decio Sperandio, a produção orgânica deve ser uma área prioritária para investimentos públicos. “Além dos ganhos em preservação ambiental, esse conjunto de práticas também resulta em mais saúde para nossa população”, diz. Segundo Sperandio, a agroecologia é tema estratégico para a SETI — a intenção, portanto, é dar continuidade ao projeto.

“Nosso horizonte deve ser, sempre, o de incentivar uma agricultura mais equilibrada do ponto de vista químico e biológico”, afirma o secretário Norberto Ortigara, da Secretaria de Agricultura e do Abastecimento (SEAB). A agroecologia, diz ele, ganha cada vez mais espaço nas consciências e também nos mercados. “Eu mesmo sou consumidor de alimentos orgânicos e reconheço que devemos valorizar o esforço de democratizar o acesso a uma alimentação mais saudável.”

Henrique Kugler


  • Confira a seguir a galeria de imagens do evento:
[Fotos: Henrique Kugler]