“Monstros! Este parece ser o papel que vocês estão determinados a fazer. Então eu tenho que fazer o meu: o homem que para os monstros” 12th Doctor :p

Os monstrinhos do Marketing

Se você diz que “detesta marketing!” é provável que você seja uma vítima dos monstrinhos do marketing.

Os monstrinhos do marketing são aquelas vozes que ecoam na sua cabeça, gritando frases de ordem genéricas:

  • “Você tem que estar nas redes sociais!”-
  • “Tem que ter seu site!”
  • “Tem que se diferenciar!”-
  • “Precisa entregar algo incrível!”
  • “Tem que construir um relacionamento com seus clientes”

Divulgar o próprio negócio pode ser algo intimidador. E os monstrinhos não ajudam em nada. Tanto barulho só faz a gente se sentir perdida e ansiosa, com a sensação de nunca estar fazendo o suficiente.

Para e respira.

A primeira coisa a entender é que, se você vai trabalhar duro para construir o seu negócio, você precisa curtir o processo. Não quer dizer que você só vai fazer coisas que gosta, afinal sabemos que o compromisso para trabalhar para si mesmo requer uma boa dose de resiliência. Mas se você vai calçar os sapatos de empreendedor todos os dias, eles não podem te machucar ou, em breve, você terá dificuldades para andar.

Então, pare de dar atenção aos monstrinhos do marketing e primeiro dê atenção à si mesma e seu negócio.

O negócio é seu. A medida de sucesso é você quem determina. A forma de vender seu negócio, você escolhe. Sim, você precisa estar atento ao mercado e às tendências. Mas pode, e deve, escolher somente aquelas que se encaixam nos seus valores. Assim, o marketing deixa de ser algo estressante para se tornar um movimento natural da empresa.

Eu desenhei a marca do Time Anderson Souza, uma assessoria esportiva. E eu adoro a forma como eles usam o o instagram. Assessorias esportivas, muitas vezes são associadas a performance — “seja o melhor” ou à estética — “perca peso”. Mas ao olhar o instagram do Time Anderson Souza o que você vê são pessoas felizes e unidas.

Ao invés de postar frases de incentivo ou fotos de pessoas com barriga tanquinho, eles postam fotos dos alunos nos começos dos treinos, repostam fotos dos alunos com suas conquistas, colocam fotos dos atletas durante a corrida… Sim, as pessoas das fotos estão em forma. E sim, muitas vezes junto da foto vem uma legenda do tipo “não desista dos seus objetivos”. Mas tudo parece muito real e verdadeiro. E o motivo é simples: é real e verdadeiro. Nada de estratégias mirabolantes, posts com o meme da moda…. Só estórias verdadeiras contadas com um celular e um “pau de selfies”.

Não quero dizer que postar citações ou fotos de barriga tanquinho é um caminho errado. Se isso ressoa com a sua marca, se interessa ao seu público, se parece verdadeiro para você, vá em frente. Mas se são os monstrinhos do marketing dizendo “você precisa fazer isso!”, esqueça. Volte lá para o começo do artigo e lembre-se: o negócio é seu, você gerencia a divulgação dele como achar melhor.

Marketing não é convencer as pessoas a comprarem o seu produto. Não é segurar um megafone, gritando frases de efeito. Marketing é um processo, algo contínuo que deve servir ao propósito do seu negócio. E não uma série de ações randômicas tipo “postar no facebook” ou “criar um site”.

É muito mais fácil pensar em marketing quando você pensa em formas de criar empatia e confiança com o seu público. É isso que o time Anderson Souza faz através das suas fotos e postagens.

Neste mundo conectado, é muito legal que tenhamos tantas oportunidades para interagir com nosso público. Temos tanto para mostrar, tanta gente para conectar. Ninguém precisa mais de uma verba enorme para contratar agências e gravar anúncios de TV. Não é incrível viver no futuro? :)

Mas relaxe. As oportunidades são muitas, mas você não precisa correr atrás de cada uma delas. Para criar empatia e confiança com seu público, antes de mais nada você (e sua empresa) precisam estar focados e tranquilos. Encontre onde estão as boas estórias do seu negócio e então considere então duas questões:

  1. O que você gosta de fazer?
  2. Onde seu público está?

Seu plano de marketing está na interseção das respostas para estas duas perguntas. Se você gosta de escrever, escreva sobre estas estórias em lugares e formatos que seu público irá ler. Se você gosta de fotos, crie imagens destas estórias e publique onde seu público irá olhar. Já deu para entender né? E o melhor de tudo é que quando fazemos algo que gostamos é bem mais fácil ser criativo e produtivo.

Por exemplo: vídeos tem muito impacto hoje em dia. Eu poderia ter um canal no youtube como muitos outros designers tem. Mas eu detesto fazer vídeos.. E me expresso muito melhor escrevendo.

Sim, eu provavelmente perco audiência abrindo mão de fazer vídeos. Mas esta é a minha escolha e estou ok com isso. Nos dias de hoje é possível encontrar diversos caminhos diferentes para o mesmo objetivo.

E por último, mas não menos importante, lembre-se que seu planejamento de marketing precisa incluir formas de medir os resultados. Números nas redes sociais são legais, mas de onde estão vindo suas vendas? Por exemplo: ter 5.000.000 seguidores no facebook não faz muita diferença se quem compra seu produto está interagindo com seu site. Se é o site que vende e você tem muitos seguidores, está na hora de levar estes seguidores a visitar seu site.

Divirta-se. Crie. Teste. Mensure. E depois faça tudo de novo. E deixe os monstrinhos do marketing gritando sozinhos.

Exorcize seus monstrinhos do marketing nos comentários aí embaixo ;)

Dani Lima é profissional independente, especialista em marcas e colaboradora na Abacomm. E não tem medo de monstros não! (só de baratas)

Gostou do texto?
Bata palmas. Compartilhe no facebook. Espalhe a palavra :)

Este texto faz parte das “Cartas Criativas para Otimistas Incuráveis”.
Toda quinta, um artigo inédito sobre gestão de marcas para pequenos negócios.Clique aqui para assinar e ler antes de todo mundo no seu email

Para meu portifólio, processo de trabalho, valores e crenças, visite:
www.danilima.com.br

E continue lendo:

Converter: marca x resultado
Vender ou não vender, eis o negócio
Era uma vez uma estória divertida…
O quão fortes são os elos da sua corrente?