Vamos a China?

1. TÍTULO

Seminário de Promoção de Investimento e Cooperação dos Países Lusófonos em 2016 — República Popular da China.

2. OBJETIVOS

Oferecer aos representantes dos países lusófonos uma visão in loco sobre o funcionamento do Mercado, Economia, Produção Industrial, Infraestrutura, do Cotidiano e dos Costumes do povo Chinês.

Promover o Interesse dos países Lusófonos por serem parceiros comerciais daRepública Popular da China.

Oferecer acesso aos fundos de investimentos propostos para desenvolvimento da infraestrutura da nova Rota da Seda que envolve uma séria de países em desenvolvimento que fazem parte do plano estratégico de desenvolvimento Chinês,podendo beneficiar todas as nações envolvidas.-Mostrar os modelos de desenvolvimento econômico das Micro e Macro regiões chinesas.

3. PERÍODO

De (26/05/16) a (15/06/16), sendo:

-De 26/05/16 a 01/06/16 em Fuzhou — Fujian

-Dia 01/06/16 em Quanzhou — Fujian

-De 01/06/16 a 03/06/16 em Xiamen — Fujian

-De 03/06/16 a 06/06/16 em Shenzhen — Fujian

-De 07/06/2016 a 11/06/2016 Nanning — Guangxi

-De 11/06/16 a 14/06/16 em Fuzhou — Fujian

-Dia 15/06/2016 Pequim.

4. PARTICIPANTES

Nome Completo NA/UF Cargo E-mail

Julio César dos Reis Vasconcelos ES/BRA VP juliovasconcelos@conaje.com.br

Rodrigo Dos Santos Oliveira ES/BRA DIR. COM

comunicacao@conaje.com.br


5. JUSTIFICATIVA

Existe um mercado bem estabelecido entre os países da Europa e os estados unidos, sendo assim outras economias acabam sendo oneradas quando tentam participar desses blocos, não havendo muita expectativa de melhora nas taxas e facilidades que impliquem em menos burocracia. Então resta as nações em desenvolvimento se unirem e, entre si, realizarem operações comercias.

A República Popular da China tem por estratégia criar uma zona de comércio exterior que envolva vários países em desenvolvimento, a nova Rota da Seda. O projeto é ambicioso e estratégico, visa preparar tudo que for necessário para para nivelar todos os países membros nos âmbitos de Infraestrutura e Acordos, afim de permitir a todos, vantagens competitivas que oferecem ganhos e sustentabilidade, para isso a China está disposta a investir muito recurso financeiro, focando em regiões que gastem menos para produzir mais. Viver na China por mais de 20 dias nos possibilitou entender, de fato, sobre a realidade das regiões que visitamos. A China não é tudo que se ouve ai fora, logo se torna fundamental se inserir na sociedade e viver o cotidiano proposto pelo Governo local, assim entendemos com mais propriedade sobre a realidade desse país imenso. O modelo de governo da China precisa ser visto com olhos de atenção e mente aberta, há muito que se aprender com esse modelo de gestão.


Parque Central de Shenzhen — Nesse local que tem o tamanho do Parque Ibirapuera é possivel encontrar miniaturas de todos os monumentos chineses.

6. ATIVIDADES REALIZADAS

-Dia 27/05/16:

Cerimonia de Abertura no Hotel “Days Hotel” com a presença do Sr. Sr. Xu Huayi, Gerente do terceiro departamento do Ministério do Comércio Exterior, Sr. Gan Yao Kun, Diretor do departamento de Treinamento e Investimento do Comércio Exterior, Sr. Yan Zheng, Professor de Mercado e Economia chinesa. E as Senhoras Interpretes: Margarida, Helena e Dora.

-Dia 27/05/16:

Aula sobre história de Mercado e Economia com o Professor Sr. Yan Zheng.

-Dia 28/05/16:

Conhecemos o centro econômico de Fuzhou — Fujian, andamos, com liberdade pelas ruas, interagimos com as pessoas, compramos algumas coisas, testamos o atendimento, os preços, a autenticidade e a qualidades dos produtos disponíveis no mercado, observamos uma população hospitaleira, com dificuldade em se comunicar em outra língua diferente do Mandarim, porém esforçada por atender bem, observamos alguns preços elevados, não atendendo a expectativa gerada, alguns produtos de segunda linha, algumas réplicas de grandes marcas, mas a maioria dos produtos com boa qualidade e originais(com suas próprias marcas), percebemos que ambulantes tem liberdade de vender seus produtos tanto quanto as lojas, shoppings e lojas grandes com vastas galerias, modernas, com anúncios em telas de leds de altíssima qualidade, percebemos muitas lojas oferecendo Smartphones de várias marcas locais e internacionais, chamo a atenção para uma marca local, Houwei, que oferece tecnologia igual ou superior ao tão conhecido Iphone. Ainda nesse visita percebemos que as pessoas preferem se locomover usando pequenas Motos Elétricas disputando lugar com os carros e ônibus tornando a locomoção mais fácil, evitando um maior número de carros nas ruas e apesar do grande movimento dessas motos andando por uma faixa destinada, mas não exclusivamente, a elas, não vimos nenhum acidente envolvendo qualquer usuário das vias, pelo contrário, depois de algum tempo usando a forma de locomoção local, o medo se converteu em sensação de segurança. Os chineses se locomovem muito rápida e objetivamente, dando, a quem não está acostumado, uma impressão de caos o que na verdade é costume, e um bom costume. Nesse dia ainda visitamos uma aula de escrita em Mandarim, fomos recebidos com muita hospitalidade e apesar de não estar no cronograma, fomos muito bem recebidos, instruídos e tratados, cativante. Mais uma Cerimonia importante desse dia foi o Banquete de boas vindas oferecido pelo governo da República Popular da China, presidido pelo seu representante, Sr. Gan Yao Kun, nesse cerimonia falamos muito sobre estreitar os relacionamentos.

-Dia 29/05/16:

Aula com o Professor Wang Bingan, Diretor do Centro de Pesquisa de Competitividade Regional da Academia de Governança de Fujian e Diretor de Estudos de Negócios da Faculdade do Sol e da Universidade de Fuzhou. O Professor Wang abordou o conceito de Cluster Industrial que é responsável pela escalabilidade do desenvolvimento chinês, ressaltou sobre os estudos realizados na “Teoria da Competitividade”, do autor Michel E. Porter e destacou a importância de suas aplicações, ele relatou que o Governo central da China faz estudos das várias regiões e determina, de acordo com analise rigorosa, o que deverá ser produzido em cada aldeia, região e província, eles levam em conta os recursos e os costumes das regiões. O professor ressaltou também que o principal objetivo da China é desenvolver todas as regiões, com planejamento a longo prazo, executado em uma província por vez. Destacou a região de Shaxian que é responsável por produzir, através de Cluster Industrial, alimentos que são consumidos em toda a província de Fujian, graças a esse planejamento um chinês pode ter comida por apenas 1,00 (um Yuan ou RMB), e se ele tiver 2,00 poderá ter comida muito satisfatoriamente. Destacou também a região de Xiamen, onde se concentram mais de 1300 empresas de Pedras (mármore, granito…) ocupando 40% de toda produção de Pedra da China anualmente. Vale lembrar também da região de Minhou que com mais de 400 empresas produz Arte em Ferro, bambu, madeira e erva-videira empregando certa de 57 mil pessoas diretamente e um total aproximado de 150 mil incluindo as oficinas familiares. Algo muito importante a ressaltar dessa metodologia chinesa de criar industrias é que através do Cluster eles permitem aos camponeses terem um emprego de onde poderão tirar seu sustento e contribuir para a produção em grande escala de vários produtos do quais as marcas pertence a todo o Cluster Industrial e não só a uma empresa especifica, assim todos são donos daquela marca produzida naquela região.

-Dia 30/05/16:

Na parte da manhã fomos convidados a conhecer um parque verde que fica no centro da cidade de Fuzhou — Fujian, lá conhecemos mais um pouco da cultura local, assim como pudemos observar muitas pessoas da “melhor idade” realizando atividades físicas tais como dança e exercícios enquanto outros se divertiam com jogos tradicionais chineses ou cuidavam de crianças, provavelmente netos. Nessa manhã tivemos a oportunidade de ver um pouco da arquitetura e os cuidados com os idosos locais, observamos uma qualidade de vida satisfatória onde as pessoas aproveitam, com felicidade, o parque e as atividades disponíveis.

A tarde pudemos estudar com o Sr. Mao Fenghua, Diretor da secretaria de Investimento Exterior da R.P. da China, ele falou sobre o tema da secretaria que dirige. Em 2011 a China constituiu 18 mil empresas no exterior que investiram diretamente 322 bilhões de dólares em 178 países. Os investimentos não param por ai, no ano passado, 2015, os investimentos chineses no exterior bateram a casa dos trilhões. Investidores chineses, segundo base de dados do Financial Times, investem muito no mercado imobiliário externo que, segundo o professor Mao, se justifica por ser mais barato que o mercado interno chinês. Ainda no dia 30/06/16, a noite, iniciando às 19:30h, tivemos uma apropriada aula sobre a história chinesa, um pouco da cultura e uma avalanche de informações econômicas, essa aula foi realizada pelo professor Sr. Li Hong, que entre outras coisas nos revelou que o salário médio chinês atual é de U$ 630,00 aproximadamente, enquanto o PIB chega a 67,7 Trilhões de Yuan(cerca de U$ 10 Trilhões de dólares) que dá a China o posto de segunda maior economia do mundo. Ainda com o professor Li pudemos entender o porquê da dificuldade de encontrar chineses falando um bom inglês, é que o governo esta muito fechado até alguns anos atrás e isso impedia a aproximação da língua inglesa, mas isso já tem mudado, o governo já entendeu que é extremamente necessário permitir essa comunicação e esse cenário já começa a ensaiar mudanças. Interessante também foi a pergunta de um irmão Cabo-verdense, Luiz, quando disse: “Sr. Li Hong, se a China pretende abrir a comunicação com os parceiros comerciais como o sr. explica a proibição de tantos sites, programas e aplicativos?”, num tom muito moderado e certeiro o Sr. Li Hong disse: “Se nós queremos o verdadeiro desenvolvimento de nossa nação, de nossoscostumes e de nossa gente, precisamos dar a esses a oportunidade de terem o Sonho Chinês, pois esses programas, aplicativos e sites que bloqueamos tiram o foco de nosso povo e fazem acreditar não nosso sonho, mas no ‘sonho americano’ e esse não é o nosso plano. O Sr. Li ainda nos falou sobre toda simbologia relacionada a bandeira chinesa, basicamente podemos dizer que o vermelho simboliza a revolução e relação das estrelas, que são em numero de 5(cinco), significa a união do povo chinês sob o comando do…

Veja o relatório completo no Documento que anexei no Dropbox, volte e comente, por gentileza. Em minhas redes sociais existem mais fotos disponíveis.

http://bit.ly/missaochina2016

Forte Abraço. Siga o Instagram: @f7rodrigo

Cidade de Nanning — 5 milhões de Habitantes com 3 milhões dessas motinhas elétricas. Incrível.