Aprenda a deixar certos filmes que você viu antes dos 15 anos em paz

Não confie na nostalgia. Pra mim, uma das sensações mais depressivas da vida é acabar de ver um filme que eu achava irado na infância e pensar “na minha cabeça esse filme era mais legal”. Foi assim que eu estraguei vários filmes que eu amava até conhecer a Regra dos 15 Anos.

A primeira vez que ouvi falar sobre a Regra foi em um Nerdcast. Não sei se foram os caras quem criaram, mas a definição é a seguinte:

“Se você viu um filme antes dos 15 anos de idade e gostou dele, não reveja. É possível que você ache ele uma merda porque você não tinha capacidade de perceber antes.”

Depois disso minha vida mudou. Sempre que sinto saudade de um filme eu tento lembrar se eu tinha menos de 15 anos quando o vi pela última vez. Se sim, eu tento não revê-los para que eles permaneçam bons em minha memória.


Filmes que não passam na Regra dos 15 Anos

É provável que a Regra não seja válida pra quem, mesmo depois dos 15, não desenvolveu o bom senso de reconhecer um filme ruim. Mas também é sempre bom lembrar que a lista de filmes reprovados pela regra varia por pessoa. Na minha lista pessoal de reprovados, por exemplo, tem alguns títulos como: As Tartarugas Ninja (1990), Karatê Kid (1984), Caça-Fantasmas (1984), Riquinho (1994), Super Mario Bros. (1993), Missão Impossível 2 (2000)

As Tartarugas Ninja (1990)

É duro reconhecer alguns filmes como Caça-Fantasmas e Karatê Kid. Mas depois que eu assisto o filme e bate em mim a incerteza de que se ele passa ou não na regra, eu o reprovo automaticamente. Porém, esses dois exemplos entram na categoria “filmes que não são bons, mas são bons de ver”. Ou seja, vou continuar revendo eles.

Filmes que passam na Regra fazendo moonwalk

Por outro lado, tem filmes que não só passam na regra como também parecem se tornar melhores a cada vez que você assiste. Esses eu consigo listar com mais facilidade: De Volta Para o Futuro (a trilogia!), Quero Ser Grande (1988), Forrest Gump (1994), Star Wars (a trilogia clássica, claro), Máquina Mortífera (1987), O Rei Leão (1994), Duro de Matar (1988), Rocky, um lutador (1977)… É impossível mencionar todos.

Acredito que a minha lista de filmes que se salvam será válida até na regra dos 30, 60 e 90 anos! Não vou me aprofundar aqui, alguns dessa lista são tão bons que mereçam um texto próprio algum dia.

O reverso da Regra dos 15 Anos

Também existem filmes que eu detestava quando moleque, e depois dos 15 percebi que são legais. Um dos meus melhores exemplos de filmes reversos a Regra dos 15 é o Poderoso Chefão (1972). Quando assisti esse filme pela primeira vez eu torcia para ele acabar logo, achei muito chato e arrastado. Mas só depois que amadureci meu senso crítico e aprendi a apreciar elementos como atuação, trilha sonora, fotografia e roteiro, foi que enxerguei o quanto esse filme é bom. Inclusive, é um dos filmes imprescindíveis na formação de caráter de um homem. (Ah, o Poderoso Chefão - Parte III [1990] só salva em respeito aos dois anteriores, porque é muito fraco.)

Poderoso Chefão (1972)

São os filmes dessa lista que impulsionam o nosso interesse a outros filmes que nunca veríamos quando crianças por falta de entendimento. É nesse ponto que aprendemos a assistir filmes. Também é essa lista que diferencia quem tem ou não o bom senso de reconhecer filmes ruins, funcionando como uma prova real.


Não mexa nas boas memórias

Vou evitar o tópico de filmes que não eram bom nem antes dos meus 15. São tão ruins que não valem a pena mencionar (apesar de ter alguns títulos dessa lista que eu goste de ver sabendo desde sempre que são ruins).

Acredito que consegui transmitir o ensinamento de deixar certos filmes em paz. Eu tento seguir a Regra ao máximo para manter salvos em algum lugar mágico e feliz da minha mente os filmes da minha infância. Lá é o único lugar em que eles são bons.

Curtindo a Vida Adoidado (1986)
A single golf clap? Or a long standing ovation?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.