Capricho ou necessidade? Consumo!

Fonte: Canaltech

Já era de se imaginar que um dia iríamos ficar dependentes de nossos dispositivos móveis. É uma loucura pensar que hoje efetuamos pagamentos de contas ou realizamos compras com apenas um clique. Isso é o reflexo de um avanço contínuo. Conforme o tempo passa, torna-se mais difícil resistir a essa sedução cujo o nome é internet.

Uma das ferramentas mais utilizadas na web, é a rede social. Hoje, é considerado fora do padrão e anormal aqueles que não possuem uma conta cadastrada no Facebook, por exemplo. É lá que as pessoas constroem e destroem suas imagens. Mostram uma vida rica em aspectos físicos e emocionais. Tornam suas vidas invejáveis. Seria cômico se não fosse trágico viver de aparência.

O que não percebemos é que quem lucra com esse fenômeno são as telefonias. É claro que para obtermos acesso a internet de uma maneira flexível, é necessário adquirir um pacote em seu dispositivo móvel e a cada dia que passa esse consumo vem se dilatando. Os internautas querem assistir filmes no Netflix em locais públicos, compartilhar aquele vídeo ou foto que lhe agrega status e até usar GPS para chegar a um determinado local. São vários fins, mas todos com o mesmo propósito consumir internet.

Ter um celular e internet móvel, tornou-se tão prioridade quanto as compras do mês. Ao estourar o pacote contratado adquirimos pacotes extras que as operadoras disponibilizam caso isso ocorra. A sensação é de que somos obrigados a comprar esses adicionais. Não existe uma razão plausível, é só capricho, mas é “necessário”. Se não obtermos nos sentiríamos totalmente excluídos da sociedade. Essa necessidade, que já podemos considerar um vício da sociedade, vai muito além do que imaginamos. Se não soubermos administrar esse consumo iremos afetar nossas relações interpessoais, o desempenho no trabalho, na escola, na faculdade ou em qualquer âmbito de aprendizagem.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Kananda Feler’s story.