Soyuz-Fregat com a sonda Venus Express antes do lançamento em Novembro 2005 (ESA)

A minha missão favorita: Venus Express

A missão espacial da Agência Espacial Europeia, Venus Express, chegou ao planeta Vénus em 11 de Abril de 2006–3 meses depois de ter iniciado o meu doutoramento no Instituto Max Planck na Alemanha. Eu tinha sido incumbido pelos meus orientadores a tratar e analisar as primeiras imagens do planeta Vénus obtidas pela Venus Express. Inexperiente e francamente assustado lá estava eu sentado na sala de controlo à espera dos primeiros pixels transmitidos a mais de 261 milhões de quilómetros. Estas imagens tinham importância acrescida: seriam as primeiras imagens obtidas de uma missão a Vénus desde a década de 80 e confirmariam que a sonda espacial estava a funcionar em pleno. Com nervosismo, êxtase e alívio recebemos as primeiras imagens deste mundo coberto de nuvens: o Planeta Vénus.

Depois da Lua, o planeta Vénus é o corpo celeste mais próximo do Planeta Terra. Os dois planetas são parecidos: têm aproximadamente o mesmo tamanho e densidade, vulcanismo ativo e uma atmosfera complexa, que no caso de Vénus é constituída por nuvens espessas que cobrem completamente o planeta. Nos últimos 10 anos esta missão veio ajudar-nos a perceber melhor este planeta irmão da Terra:confirmou a existência no passado de um oceano, que evaporou através de um efeito estufa irreversível. Vénus é agora um planeta árido mas com vulcões ativos.

Venus Express também tirou fotografias do nosso planeta Terra. Desde Vénus a Terra não é mais que um pálido ponto azul, mas revela detalhes sobre um planeta com vida. Estes detalhes revelam informação que vai ser importante quando conseguirmos tirar fotografias de planetas extrassolares do tamanho da Terra, que também não vão ter mais que um ou dois pixels.

Venus Express acabou a sua missão em Janeiro deste ano, gentilmente foi descendo pelas espessas nuvens de Vénus até perder o contato com a missão de controlo. Esta missão deu-nos lições importantíssimas sobre o futuro do planeta Terra e sobre a procura de vida no Universo.

Like what you read? Give Pedro Russo a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.