Demônio de Neon: a obscuridade da indústria da beleza.

Uma jovem de cidade pequena se muda para um grande centro americano após ser contratada por uma reconhecida agência de modelos. Lá, a menina encontra ensaios fotográficos, desfiles e o glamour da moda mas também intenções obscuras daqueles que passam pela sua trajetória. Lançado em 23 de junho de 2016 é uma obra de Nicolas Winding Refn — mesmo diretor de outros nomes famosos como “Drive”, “Bronson” e “Só Deus Perdoa”. Conhecido por trabalhar a fotografia a favor do filme, Demônio de Neon traz as cores azul, rosa e suas nuances para contar a narrativa junto de sua protagonista.

A obra conta com elementos desde corrupção da inocência, mercantilização e consumo da juventude, toxicidade da indústria da beleza e até características do gênero gore. Apesar de não ser o ponto mais forte da obra, a narrativa é forte, intrigante e — por vezes — incômoda. Apesar da presença da estética gore, a obra de Nicolas Winding Refn conta com uma trilha sonora sintética — que acompanha a personalidade igualmente sintética de seus personagens.

Além da força narrativa nesse filme, acredito que o grande diferencial do filme está na sua execução, principalmente em sua fotografia. Aos meus olhos, o trabalho realizado com as cores e iluminação no filme mostra o impacto do meio artístico na personalidade da protagonista. Isto é, quando os tons que dominam a tela são rosas o sentimento que prevalece em cena é a inocência. Já os azuis marcam zonas de vulnerabilidade e exposição sofridas pela protagonista em seu ambiente de trabalho. Também vale destacar o papel da mistura de ambas a cores em tons de roxos vão tomando ao longo da trajetória, recurso pelo qual o diretor demonstra a imersão e contaminação da personagem nesse meio tóxico.

Há algumas cenas explícitas de violência — podendo incluir a essa lista necrofilia, estupro e canibalismo — movidos por competição, cobiça, inveja e desejo incontrolável. Trazendo a tona o lado animalesco do ser humano, principalmente do feminino. Em poucos diálogos, Nicolas Winding Refn consegue construir uma denuncia ao canibalismo feminino utilizando como plano de fundo a indústria da moda. Em uma sequência de imagens chocantes, “Demônio de Neon” traduz para o audiovisual comportamentos competitivos e tóxicos já naturalizados no cotidiano da mulher, seja ela modelo ou não.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.