The Overnighters

Tentando fugir do desemprego que assola o país, diversos trabalhadores deixam suas famílias para trás e partem para Dakota do Norte, rumo ao boom econômico das plataformas de petróleo e em busca do sonho de uma vida melhor. O grande problema é que não há emprego para todos e mesmo os que conseguem, acabam enfrentando uma dificuldade maior ainda: eles não têm onde ficar, então muitos passam a morar dentro de trailers ou de seus próprios carros, os quais não podem ficar estacionados em qualquer lugar, pois a lei local não permite.

The Overnighters” é um documentário que acompanha o dia a dia de um pastor que tenta ajudar essas pessoas, liberando o estacionamento e acolhendo algumas delas que passam a dormir nos corredores da igreja e até mesmo em sua casa.

O filme confronta os valores cristãos como perdão e solidariedade, ao apresentar uma sociedade que repudia seus semelhantes, pois só consegue enxergá-los como uma ameaça ao seu confortável padrão de vida (parte daqueles homens já teve algum problema com álcool, drogas ou estiveram presos). O pastor trava uma batalha contra vizinhos, imprensa e políticos, pois parece acreditar de maneira quase ingênua no poder do amor ao próximo e na reabilitação do ser humano. Aos poucos ele começa a se dar conta de que esta uma guerra muito maior do que ele pode lutar e que não só seu status como reverendo está em jogo, mas também a sua família.

É impressionante o nível de exposição a que chega o pastor, fazendo-nos até esquecer por alguns estantes que estamos diante de um documentário e não de um drama. A revelação final acaba sendo muito perturbadora, pois nem mesmo na ficção imaginaríamos um final tão impactante e desolador. O diretor Jesse Moss acerta a mão ao não endeusar a figura do pastor e nos apresentar contrapontos que nos levam a vê-lo como um homem, como qualquer outro ali. Como ele próprio diz, “estamos todos quebrados” e, num mundo composto apenas por pessoas assim, são poucas as chances de se vislumbrar algum tipo de esperança.

Nota: 4/5

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.